Quantcast
PplWare Mobile

Ataque à Adobe maior que o esperado: 38 milhões utilizadores

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Simões


  1. HackAttack says:

    Outch…. Cortem no marketing e invistam em segurança 😉

  2. César says:

    Por isso é que nuca faço compras pela Internet.
    Mas que segurança é essa que a Adobe usa? Suponho que seja um algoritmo extremamente difícil de quebrar, e se assim for, não custa muito acreditar que tenha sido alguém “de dentro”.

  3. David Ferreira says:

    com estas andanças é melhor começar a prevenirme no paypal e amazon, tenho o meu cartão de crédito lá associados :S

  4. Francisco says:

    Para além do MBNet, existem algumas entidades bancárias que têm um modo muito seguro para pagamentos online. Passa por um Cartão de Crédito Pré-Pago.

    O cliente carrega o cartão no valor exacto da transacção, e assim que a o dinheiro é retirado do cartão, o saldo do mesmo fica a zeros. Isto significa que mesmo que alguém tenha os dados válidos do cartão, a transacção será sempre recusada.

    A “janela” de oportunidade em que o dinheiro lá está é de segundos… é um produto excelente, na minha opinião.

    • Gabriel Martínez says:

      Eu também tenho um cartão do género, mas infelizmente não é aceite em todo o lado. A semana passada quis comprar um bilhete da CP dessa forma e o site não aceitava. Após contactar o meu banco informaram-me que, infelizmente, VISA Electron Pré-Pago não é igual a VISA de crédito e por isso é que não foi aceite. Curiosamente já o usei na Amazon sem problemas.

    • Rodrigo says:

      manda o endereço desse serviço

  5. Abílio says:

    Eitch… Que barraca.

  6. NT says:

    Bem por aqui se pode ver o estado da segurança… Se pesam que é só a abobe… Olhem para o sitio onde trabalham. Se têm lá pc’s qual é a ‘manutenção’? Estão actualizados? São feitas auditorias?
    Pois, a segurança informática é um caos. Aqui à semanitas foram, se não estou em erro, dois bancos. Bastou um ‘manel’ qualquer entrar no banco com uma ‘ordem de serviço’ e com uma ‘bata’ vestida que ninguém questionou o que é que ele andava a fazer, bem o que ele fez foi por um IP-KVM ligado a um computador do banco e à net via 3G.
    Infelizmente foi burro pois tentou transferir uma quantidade enorme de dinheiro e os sistemas antifraude funcionaram. Se ele tivesse feito pequenas transferências até que podia passar despercebido.

  7. okapi says:

    Eu então não tenho receio de fazer compras online, eu tenho a certeza que o meu Banco protege o cliente e a forma como as transações são feitas é impossível alguém entrar na minha conta ou fazer qualquer pagamento sem a minha autorização e/ou roubar o que quer que seja.

  8. JJ says:

    Obviamente que quem compra via Internet, por mais meios que use corre sempre estes riscos. Logicamente existem métodos mais seguros que outros.

    A questão é, quem é que iria pensar que uma empresa como Adobe tem uma falha de segurança tão grande?

    O ponto não é se utilizador usou ou não um método mais seguro, mas sim como uma empresa como estas tem uma falha tão grande!

    Em relação aos serviços de cartões virtuais e pré-pagos, são úteis em determinadas compras. Por exemplo em pagamento de mensalidades de serviços, não serve esse tipo de cartões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.