Quantcast
PplWare Mobile

António Costa: Conheça as novas medidas para controlar COVID-19

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Pinto


  1. Miguel says:

    Hoje saiu uma notícia muito má.

    “”A grande maioria dos internados têm a vacinação completa e alguns têm inclusivamente a terceira dose de reforço””

    https: //multinews.sapo.pt/noticias/perfil-dos-internados-mudou-sao-mais-jovens-e-tem-vacinacao-completa-contra-a-covid-19/

    • Bruno Mota says:

      Não se pode dizer isso aqui no pplware. Eu quando fiz essa afirmação há uns meses atrás aqui, quase fui crucificado. A malta aqui segue a linha de pensamento único.

      • jorgeg says:

        insfestacao so.cio-comunas,… nao te atrevas a atacar o colectivo dos socio-covideiros…

      • Zed says:

        Foste “crucificado” como? Demonstrando a tua ignorância? Colocando-te questões incómodas? Descobrindo a falácia que tentavas impingir?
        É como afirmar que a Terra é plana só para não seguir “a linha de pensamento único”.

        • Bruno Mota says:

          O que é afirmações de outras pessoas (terra plana) têm a ver com as minhas afirmações?
          O que eu afirmei é facil de verificar, bastam simples comparações estatísticas.
          Ignorância tens tu, e bastante, pois limitaste a repetir o que ouves sem verificares por ti próprio. Primeiro verifica os dados que até são oficiais, colecta-os, e faz comparações estatísticas. Depois verás o quão estúpido és nesta matéria. Pareces um papagaio. Comes tudo quanto te coloquem á frente. Não tens capacidade de análise.

          • Zed says:

            Não sabes o que é um vírus, mas achas-te especialista em saúde; não sabes o que é uma correlação, mas achas-te especialista em estatística. Armas-te em vitima “crucificada”, mas quando contrariado, partes para o insulto barato, Quem é afinal o “estúpido” aqui?

          • Paulo Andrade says:

            é o @Zed

    • sayWhat says:

      Não te preocupes…
      A culpa é dos que não estão vacinados.
      Não é dos que estão vacinados e andam por aí armados em heróis.

    • Luis Rosalino says:

      vcs nao sabem analisar as coisas, n sabem…
      Se temos uma população de 86% de vacinados queriam o q? q cambada

      • Omicron Persei 8 says:

        Na verdade são 89÷. Mas desde quando é que e preciso 100÷ de vacinação para travar o vírus? Hā? Explica-me…
        (PS estou vacinado btw)

      • Paulo Andrade says:

        @Luis Rosalino, A questão não é essa, é que sendo quase a maioria vacinada e mesmo assim a maioria é que de internados estão também vacinados, então para que serve tomar a vacina?

        Agora já começa a não ser apenas no “facebook e youtube” que vemos isso. Perto de mim, conheço 2 senhoras de idade que não tinham comorbidades de maior e no dia seguinte à dose de reforço foram internadas na UCI e ambos casos não estão muito bem… um amigo meu do porto tem os pais na mesma situação. E acredito se procurarmos encontramos vários outros caso relativamente perto de nós.

        Ora se falharam na “previsão” da eficácia da vacina, como podem ter muito a certeza que não existem efeitos colaterais significativos?

      • Several Definitions says:

        Queriamos que os números de infectados diários e a média dos mesmos a 7 dias fosse sobejamente inferior aos números que tivemos no ano passado. Coisa que, caso ainda não tenhas dado conta, não se está a verificar.

        O elefante no meio da sala que vocês querem evitar é porque raio é que com uma adesão em massa à vacinação vamos passar o Natal e o fim de ano confinados? Se tiveres uma resposta coerente e objectiva para esta questão, por favor, ilumina-nos com a tua sabedoria.

        Posto isto,vejo-me obrigado a concordar com a tua última expressão. De facto… Que cambada…

    • Há cada gajo says:

      E ???

    • Miguel says:

      Não consigo entender o porquê dos dados de infetados/enternados/mortes não serem descriminados consoante o seu nível de vacinação e a variante de cada.
      Este tipo de dados deveria ser a base sobre a qual cada um de nós baseia a sua escolha sobre vacinar-se ou não, atualmente o que o PM mostra á população é que a vacinação é nada mais nada menos que uma perda de tempo/dinheiro, uma vez que não mostram qualquer dado estatistico que realmente demonstre a eficácia da vacinação e as coisas estão praticamente iguais ao ano passado….
      Com os dados que o governo publica todos os dias, provavelmente o melhor dado estatistico seria comparar a relação novo_infetados/casos_ativos ou mortes/casos_ativos entre o ano passado e o ano presente, onde realmente se pode confirmar uma descida para +/- metade, mas mesmo assim estes valores têm bastantes variações como a melhoria de medicamentos contra o virus e como não sabemos quantas pessoas infetadas estavam vacinadas este valor é demasiado volátil levando a um resultando sem significância estatística.

      Com isto, não quer passar a messagem para as pessoas não se vacinarem, quero apenas apelar que os dados são importantes para se poder avaliar o verdadeiro estado da situação e tomar medidas com base no mesmo.

    • Zed says:

      E a grande maioria dos internados são de nacionalidade portuguesa! Já viste a sorte dos estrangeiros que vivem cá?

    • Eu sei lá says:

      Os vacinados estão acima dos 85%. Há mais cerca de 12% de crianças e 3% de anti-vacinas e descuidados para chegar aos 100%
      Se houvesse 100% de vacinados, podia-se dizer que todos os internados estavam vacinados.
      Com 85% de vacinados, não surpreende que mais de 50% dos internados estejam vacinados.
      O que tinha interesse em saber é – dos 3% de anti-vacinas e adultos não vacinados – qual é a percentagem de internados e em UCI.

      • Ricardo says:

        Não são anti vacinas, são pessoas que tem receio de tomar a vacina, e tem toda a sua legitimidade de terem essa prudência, sabendo os riscos que também podem correr por não se vacinar. A questão é que esse discurso de ódio sobre as pessoas já enjoa e devia ser censurado.

        • Eu sei lá says:

          Qual discurso de ódio? Limitei-me a responder ao primeiro comentário, que quer fazer dos outros tolos, como se a percentagem de vacinados fosse igual à dos vacinados:
          “Hoje saiu uma notícia muito má. A grande maioria dos internados têm a vacinação completa e alguns têm inclusivamente a terceira dose de reforço” (É procurar que têm sido outras em sentido contrário. mas agora não importa).

          Para uma população de Portugal à volta de 10.000.000
          – Os vacinados são (85%): 8.500.000
          – Os adultos não vacinados são (3%) 300.000

          A 20 de dezembro havia 943 pessoas internadas com COVID. Vamos supor que, destes:
          – Os vacinados eram 80% (755), o que nos 8.500.000 dá 0,009% (O que significa 27 internados por 300.000)
          – Os adultos não vacinados eram 20% (188), o que nos 300.000 de adultos não vacinados dá 0,06%

          É só fazer as contas – a probabilidade de um adulto não vacinado ser internado é 7 vezes maior do que um vacinado.
          É este tipo de contas que o governo devia apresentar, para os anti-vacinas, entre o medo das vacinas e o medo de “patinar”, optar por se vacinar.

      • Several Definitions says:

        É giro constatar a facilidade com que se cola o cunho de “anti-vacina” a uma pessoa. É tão fácil ignorar o facto de que a grande maioria de nós já tomou bem mais do que 10 vacinas desde que nasceu até aos dias de hoje, mas se rejeitar tomar esta “terapia genética” como lhe chamou o CEO da Moderna, cai logo o carmo e a trindade. Aliás, até estamos a ver a eficácia disto neste momento com o governo a antecipar medidas de contenção.

        Posso-te dizer que odeio Seats Ibizas. Vais dizer que sou anti-carros ou que sou negacionista?

  2. Sofia says:

    Lolll, so depois das compras de natal feitas é que se lembram de impor limites nos centros comerciais. Antes do natal não houve ajuntamentos querem ver!!! Santa burrice do Costa

  3. trwu says:

    Se nem conseguem controlar a “movida” nas ruas do Porto e idem, idem, no Bairro Alto, em Lisboa, vão mesmo controlar os ajuntamentos na rua, na passagem de ano. Só se desatarem aos tiros, mal vejam 5 pessoas juntas …

  4. Luis says:

    O dia da libertação! Finalmente. Ainda me lembro da Dr. da DGS e do Sr. Vice-almirante dizer que nos tínhamos que vacinar para salvar o Natal. Finalmente! Viva! Estes Senhores dizem-os a verdade. Adoro! Viva.

  5. Omicron Persei 8 says:

    89÷ de vacinados e continua a palermia
    Solução: 1 dose por dia talvez resolva o problema (mas é melhor ser no rabinho antes que nos cai um braço).

  6. Dani says:

    então não era o milagre da vacinação…

  7. AlexX says:

    Vão aplanar a curva com os Pirenéus pela frente. Atenção aos 223cm de distanciamento social ou disparam todos os alarmes e chamam os goe.

  8. Ups says:

    a mim disseram-me que eram só quinze dias..
    que era só para achatar achatar a curva
    quer era só para salvar o natal
    que era só para proteger os mais frágeis
    que era só até atingirmos a imunidade de grupo..
    que era só blá blá blá….

    ninguém gosta de ser engado, mas a verdade é que caímos todos que nem uns patinhos…
    pensavam que eram as vacinas que vos iam dar a segurança e liberdade? …

  9. xyr says:

    Em novembro houve um pico de mortalidade que durou cerca de 13 dias , mas que ninguém sabe explicar …segundo os nossos especialistas , pode ter sido devido ao frio. …Parece que em PORTUGAL nunca faz frio …daí que a população tenha sentido muito…frio e consequentemente morreu. Estas e outras histórias no país dos especialistas…Fazem de Portugal um país singular .

  10. Str says:

    E bem podem começar a preparar os bracinhos para a terceira dose, e daqui a um ano a quarta dose e talvez uma quinta até nos deixarem sossegados.

    • Fumigah says:

      Nada que já não aconteça com outros vírus, como por exemplo o da gripe. Será a tendência.

      • Luís Costa says:

        Onde é que o pessoal saudável é quase obrigado a tomar a vacina da gripe de 4 em 4 meses?

        • Fumigah says:

          Rapidinha sobre a Gripe:
          “A vacinação contra a gripe começou a ser feita na década de 1930. A vacinação diminui o tempo de doença e o número de consultas médicas, hospitalizações e mortes.”

          “pessoal saudável” – no caso de COVID essa questão quase não se coloca. Já aconteceu pessoas saudáveis a não resistirem ao vírus.

          “quase obrigado” – não quer dizer que sejas obrigado.

          “tomar a vacina da gripe de 4 em 4 meses” – não é essa a realidade da vacina do COVID. Seria para 6 meses a validade, e agora passou a 9. A questão da dose de reforço tem simplesmente haver com a nova variante da Omicron. Aparentemente menos mortal mas mais transmissível, e em simultâneo não se tem dados dos danos que possam haver a longo prazo.

          “E bem podem começar a preparar os bracinhos para a terceira dose, e daqui a um ano a quarta dose e talvez uma quinta até nos deixarem sossegados” – Se não tivesse havido nenhuma dose, a esta hora terias todos os dias um número de óbitos equiparado à queda de um avião A380, e alguns desses aviões iria ter alguém que te fosse próximo.

          “preparar os bracinhos” – acho que os braços do ser humano são robustos o suficiente para aguentar com mais algumas doses.

          • Luís Costa says:

            A percentagem de pessoas abaixo dos 40 anos que morreu é completamente irrisória, vir dizer o contrário é não olhar para os dados com frieza.. já foi demonstrado que a vacina não garante nada de 6 meses, quanto muito 4 meses.. por causa da omicron? Com 3 doses a vacina só consegue eficácia de 70%, é mesmo por causa da omicron? Se me dissesses que é mais para não encher os hospitais ainda vai que não vai, esta nova variante já demonstrou ser menos severa e em que maioria dos pacientes não necessitam de oxigénio isto num país com 20% vacinação..

          • Ricardo says:

            Não passou a 6, nem a 9, o que dizem que é que é preciso 3 doses a cada 9 meses, ou tu achas que um reforço a cada 9 é o normal se passado 3 meses a eficácia cai a pique?

          • Chalupa pela verdade says:

            se foi irrisória abaixo dos 40 anos vamos então deixar morrer o resto das pessoas (que secalhar são mais de 50% da nossa população). O Costa ia gostar de ti: menos reformas a pagar!

          • Paulo Andrade says:

            @Chalupa pela verdade, pelo que lí, ninguem disse para deixar morrer os mais velhos e/ou mais vulneráveis. Agora pelos dados da DGS, desde o ińicio da pandemia até hoje morreram com covid 257 pessoas até aos 50 anos.

            Porquê tratar toda a população saudável como imunodeprimidos? Essa é uma das questões. A outra é porque raio a imunidade natural não funciona e uma forçada pela vacina já funciona?

          • Luís Costa says:

            @Chalupa pela verdade, deves precisar de óculos com certeza, vem bem o que eu disse, pelos dados analisados sabemos bem que os mais vulneráveis são os acima de 40/50 anos e esses sim devem ser protegidos com a vacina, mas os restantes não podem ter vida normal porque? Pense um pouco com esses poucos neurónios que te restam

        • Zed says:

          Onde é que a gripe tem as consequências individuais e sociais da covid?

          • Joao Ptt says:

            A gripe entupia os hospitais praticamente todos os anos, a única diferença é que não tinha a comunicação social a salivar que era o fim do mundo, acudam-nos!

            E quase toda a gente apanha a gripe umas duas vezes ao ano… nem é como se não afectasse quase toda a gente, e imensos passassem muito mal, e não fosse matando uns quantos pelo caminho… só que como é assim desde que todos nasceram relativizam como apenas mais uma chatice… que realmente não está a morrer toda a gente, mesmo em países praticamente sem vacinas, pouca gente, em relação ao total da população está a morrer… ou seja, não se nota no panorama geral. Afinal de conta já são quase uns 8 mil milhões de pessoas…. mesmo que morram 500 milhões um pouco por todo o mundo, não se vai notar assim tanto.

            O que me preocupa de forma extrema é que apesar do pânico lançado nas sociedades, os mecanismos de defesa revelam-se completamente inúteis, no sentido em que não estão a desempenhar bem o seu papel, como é o caso das máscaras que continuam a ser vendidas de todos os géneros e feitios sem que se garanta que elas efectivamente se ajustam bem aos rostos das pessoas e coisas do género que comprometem a eficácia (como não haver máquinas baratas para secar e desinfectar as máscaras como ozono ou algo similarmente considerado eficaz). Quando até está provado que as máscaras podem perfeitamente manter-se eficazes por 30 dias de utilização, sendo apenas necessário secar e deixar que os vírus morram por si (uns 3 dias) ou seja utilizado algo que não danifique o material mas destrua a capacidade de afectar as pessoas.
            Porque é que é preocupante? Porque quando vier um vírus/ bactéria a sério significa que não há de facto e na prática uma estrutura montada para proteger a população eficazmente e que a maioria irá morrer se for um vírus desse tipo, de se espalhar muito e passado umas semanas levar a maioria das pessoas à morte.

          • Fumigah says:

            Zed, o Joao Ptt já respondeu e bem, não tenho nada acrescentar á resposta.

      • Memória says:

        A vacina da gripe deste ano foi um ‘Major Mismatch,’ segundo Webmd.

        This Year’s Flu Vaccine Is a ‘Major Mismatch,’ Researcher Says
        https://www.webmd.com/cold-and-flu/news/20211217/this-years-flu-vaccine-major-mismatch

    • Zed says:

      E?… quantas vacinas, incluindo de reforço fazem parte do PNV?

      • Str says:

        E quantas delas foram criadas as três pancadas?

        • Zed says:

          Mas afinal o problema são os reforços, ou o tempo de desenvolvimento?
          Mas quantas delas tiveram o investimento desta? Nenhuma.
          E uma vacina construída ao longo de 33 anos, foi criada “ás 3 pancadas”?

          • meister says:

            “E uma vacina construída ao longo de 33 anos, foi criada “ás 3 pancadas”?”

            Até 2020, as empresas de biotecnologia mRNA apresentaram resultados ruins testando medicamentos mRNA para doenças cardiovasculares, metabólicas e renais; metas selecionadas para o câncer; e doenças raras como a síndrome de Crigler-Najjar, com a maioria descobrindo que os efeitos colaterais da inserção do mRNA eram muito graves. As vacinas mRNA para uso humano foram desenvolvidas e testadas para as doenças raiva, Zika, citomegalovírus e influenza, embora nenhuma delas tenha sido adotada anteriormente para uso generalizado.

            Antes de dezembro de 2020, nenhum medicamento ou vacina mRNA havia sido licenciado para uso em humanos, mas tanto a Moderna quanto a Pfizer/BioNTech estavam perto de garantir autorização de uso emergencial para suas vacinas COVID-19 baseadas em mRNA, que haviam sido financiadas pela Operação Warp Speed (diretamente no caso da Moderna e indiretamente para a Pfizer/BioNTech).

            fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Vacina_de_RNA

          • Paulo Andrade says:

            @Zed, aqui tens o estudo da pfizer de fase 3 que acaba em março de 2023 (https://clinicaltrials.gov/ct2/show/NCT04368728).

    • Bruno Mota says:

      3.° ? Não. Vai é já para a 4.° dose.

    • RatazanaDoPunjab says:

      Str, as farmacêuticas estão loucas com isto.
      Nem nos melhores sonhos sonharam com um filão destes…
      Isto para eles é orgásmico…

    • Memória says:

      Esta é a minha opinião:

      Isso . . . “nos deixarem sossegados” . . . nunca vai acontecer , não é essa a intenção,

      Nunca nenhuma ditadura se transformou voluntária e graciosamente em liberalidade, isso devemos aprender da História.

      A perca de toda a privacidade (contra “o crime”), o regime de constante vigilância estatal (contra o “terrorismo”) e a ditadura tecnocrática-médica (contra “as pandemias”) fazem parte da preparação e implementação (também psicológica) dos chamados “Great Resets” entre outros do direito `a propriedade privada e por fim à própia vida/existência da maior parte da população mundial.

      Não sei se em Portugal – que tem problemas internos mais que suficientes – se tem seguido com alguma atenção as preparações em pleno curso para a III Guerra Mundial, na Ucrânia, em Taiwan, e no Médio Oriente, não sabemos quando, mas tudo indica que muito em breve

      Um exemplo das preparações da (sub) Elite:
      https://www.youtube.com/watch?v=_2A-zH_IHLw

  11. Infinity says:

    Solução para festejar à vontade no Natal e no fim de Ano, basta organizar um comício político ou um evento religioso que já não é preciso testes e a malta pode-se juntar à vontade. Além que se deve abrir as janelas para arejar os espaços, o que é fixe uma vez quem nem ta frio e nem leva a constipações

  12. CRP says:

    Tal como o velho proverbio ” A mentira tem perna curta” e aos poucos algumas ovelhas comecam a despertar
    Deviam ser criminalizados alguns jornalistas que imposeram só as “verdades” deles.
    Há pelo menos uns três que estou desejoso de os apanhar aqui no Algarve.
    Vacinem-se quem quiser e dexem os outros seguir a vida deles.

    • Zed says:

      Logo que sigam a vida deles sem irem ocupar vagas nos hospitais que fazem falta a outros, tudo bem. Mas não é isso que acontece, pois não?

      • Bruno Mota says:

        Já passei por inúmeras vagas de variantes, estive em contacto com infectados (segundo os testes) não utilizo máscara a não ser que a tal seja verdadeiramente obrigado, não levei qualquer vacina anti COVID, e até agora segundo os testes ainda nunca fui contaminado. No caso de ser contaminado, seguramente será como os meus colegas de trabalho, uma semana a descansar em casa e sem qualquer sintoma.

        • Ze Nandoooo says:

          Esperemos que seja só isso. E que não sejas responsável pela contaminação de alguém que te é querido, com consequências graves.

          • Sardinha Enlatada says:

            O que e que te leva a pensar que isso ira acontecer ? As pessoas nao podem ser saudaveis e recuperar bem ? Voces partem logo do pressuposto que vai ser uma tragedia estar em contacto com outras pessoas. Enfim.

          • Crisanto Tomás says:

            ele tem razão. é perigoso contagiar outros, sobretudo quando o que fazem nos hospitais é dar suporte de oxigénio, controlar a febre, etc. Não tratam a Covid porque o protocolo é para dar dinheiro ao sistema e não a quem propõe que se estudem alternativas muito mais baratas!
            Seja como for, podes apanhar e, se não tiveres azar, ficas bem melhor imunizado do que um vacinado. Mas quem for de risco é preciso ter muito cuidado!

      • CRP says:

        Todos tem direito a ocupar camas de hospitais, pagam impostos. Se nao querem que os não vacinados encham os hospitais, devolvam- lhes na integra o valor de impostos pagos ate a data da possivel entrada no hospital.
        Fui vacinado com duas doses no inicio, mas ja nao entra mais nenhuma, façam experiências nas ovelhas.

        • Paulo Andrade says:

          Eu vou um pouco mais além… que se proiba tratamento a alcólicos, a diabetes adquirida, a hipertensos, a obesos, a fumadores, aos “aceleras”, … todos estes fizeram opções que os levaram a este “estado”…

          A saúde é para todos, e mesmo que esta vacina seja a mais perfeita do mundo as pessoas têm a opção de a tomar ou não.

      • Several Definitions says:

        Isso! Bora fechar um país inteiro, dar mais uma machadada na economia para evitar que meia dúzia deles passem o fim de ano no hotel de 5 estrelas Dona Estefânia sem pagar nada.

        Epa… Tens números para analisar, tens “n” exemplos de outros países, ainda não percebi bem a tua posição nem o que é que estás a defender aqui com unhas e dentes, honestamente.

        Vais mandar fechar tudo o que é cadeia de fast-food se os números de ataques cardiacos começarem a subir? É que alguns desses também ocupam vagas nos hospitais.

        Ou achas que o que era giro era termos uma sociedade tipo Netflix, em que subscreves a tua liberdade durante 4 ou 5 meses mediante a apresentação do teu boletim de vacinas?

        Era de pensar que 2 anos fosse tempo mais do que suficiente para se fazer luz na cabeça das pessoas mas aparentemente…

      • Luís Costa says:

        Mas o direito á saúde não está consagrado na nossa constituição? És quem tu para dizer que não devem ter direito? Algum pseudo ditador?

      • RatazanaDoPunjab says:

        Zed, porque razão não podem ocupar as camas de hospitais se descontam para isso?
        Então neste caso vamos fazer assim, é obeso e adoeceu? Não pode ir para o hospital. Fizesse dieta.
        É fumador e tem problemas devido ao tabaco? Tb não pode vir cá, deixasse de fumar…
        Teve um acidente de automóvel? Andasse mais devagar, fora daqui.

        Pode ser assim ou isso só vale para quem não quer estas vacinas Covid?

  13. Não Vacinado says:

    Se com o Omicron é isto quando aparecer o Megatron ou o Optimus Prime tamos todos lixados….

  14. DB says:

    Quero ficar longe de quem tem testes covid. E explico porquê.
    Ter um teste negativo dá uma falsa sensação de segurança pois nada impede a quem faz o teste seja contagiado no dia seguinte, e tendo o teste negativo vá a restaurantes, ginásios etc…. mas positivo.
    Nenhum matemático pensou nisto?

    • Rui Costa says:

      Já todos sabemos. Tudo é uma falsa sensação de segurança. Os peões atravessam a rua na passadeira e como esta cria uma falsa sensação de segurança, alguns morrem nas zebras da estrada…..

  15. Eu sei lá says:

    Hoje saiu uma notícia, inesperada porque os adultos não vacinados são apenas 3% da população, mas sabe-se que a vacinação proteja das formas graves da doença:
    “Quase 75% dos internados no Hospital Santo António no Porto não estão vacinados”

    https://www.dn.pt/sociedade/quase-75-dos-internados-no-hospital-santo-antonio-no-porto-nao-estao-vacinados-14434507.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.