Quantcast
PplWare Mobile

Alerta: “Novo” radar da GNR deteta velocidade de carros a 2 km

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Pinto


  1. Robin says:

    Desde que seja para roubar o Zé estão na linha da frente.
    A ditadura economica em Portugal enquanto o povo não perceber isso a canga vai aumentando.

    • Cláudio Andrade says:

      Roubar? Sabes que lá fora já usam estes radares há uns anos? Cumpram as velocidades e já não há ditadura

      • John says:

        Boa resposta. Gostei.e não há mais para dizer.

        • robin says:

          Deve estar bastante satisfeito com merd que se vê feita e que lhe dão o nome de estradas em Portugal a começar pela iluminação que já foi em muitas até aos sinais que não têem as lombas e buracos e bermas caoiticas.
          mas o amigo deve gostar .

      • Coelho says:

        Roubar o povo que pouco tem.. enquanto a cambada de ladroes (Salgado,Socrates,Berardo,Vieira e os outros que ainda vem a tona) a esses ninguem os tira nada e sao a escumalha que contamina o sistema financeiro do pais que nunca tem dinheiro

      • Realista says:

        E se reduzirem a velocidade para 0km/h garantidamente que acabam os problemas nas estradas…

        Lógica da batata.

      • Lecas says:

        Lá foram têm estradas como deve ser , os sinais não estão tapados com vegetação e as estradas não são piscinas no inverno. os traços veem-se bem e no meio da estrada não temos o mato a crescer, as curvas estão bem feitas e por aí vai.

      • Infinity says:

        Isso, ou entao andem a pé

  2. Renato Fernandes says:

    Apostar na prevenção?! naaaa Vamos antes encher os bolsos… Enquanto isso as autoridades nem sequer têm um mísero leitor QR para validar as aplicações que têm o Cartão de Cidadão e Carta de Condução…

    • Fernando says:

      Pois, se tivessem leitor de QR já não podiam multar quem só traz a App do governo (em vez de trazer um plástico). Investir aí iriam perder dinheiro. Mais vale deixar um condutor praticar excesso de velocidade e depois multar do que colocar uma boa sinalização de radar para o excesso nem sequer acontecer.

      • iDroid says:

        E responsabilizar o condutor, não? Se todos cumprirem os limites de velocidade não há multas para ninguém.

        • Cc says:

          Essa é engraçada, cumprir os limites de velocidade
          Normalmente só sabem colocar radares em descidas, retas abertas com boa visibilidade com limite de velocidade anormalmente baixo e entradas e saídas de localidade, tudo bem escondido
          Isso é prevenção? Colocar em zonas fora de risco? Eles colocam onde rende mais, pelo menos aqui mais para o interior
          Basta uma distração para ultrapassar esses limites tranquilamente
          É uma palhaçada

          • Ricardo Silva says:

            E é um facto o que falas.

            Só faltou aí as retas a subir, com duas vias no mesmo sentido, com limite de 50 quilómetros hora, sem passadeiras ou aglomerados populacionais por perto e onde basta fazeres uma ultrapassagem e já te foram ao bolso. E os locais são sempre os mesmos. Os que rendem e os que permitem o roubo à descarada.

            Prevenção? Risota dos milénios. Querem lá saber das pessoas eles.

            Como já referi anteriormente, mais cego é aquele que não quer ver.

      • Mico says:

        Já te estão a avisar que têm esses radares. Só é apanhado quem quer. Se andar devagar, não há multa, o Estado já não é o patati patatau dos tretas.

      • Mico says:

        Já te estão a avisar que têm esses radares. Só é apanhado quem quer. Se andar devagar, não há multa e o Estado já não é o patati patatau dos tretas.

  3. Secádegas says:

    Garantir a segurança rodoviária ou sacar dinheiro? Acho que é mais a segunda. Para além de metade do código de estrada é regras de velocidade estarem obsoletas há várias décadas.

  4. Lecas says:

    Concerteza que vão começar por aplicar o codigo da estrada e as respectivas multas e sanções aos minitros que circulavam em excesso de velocidade, perante a lei todos os vidadãos são iguais ou então começamos por perguntar se temos gente acima da lei e se a policia não sabe as leis se faz discriminação, ui temos muito por onde começar.
    Assim como parece-me que a policia ainda não faz parte das finanças nem são cobradores de impostos.

    • Neves says:

      O código da Estrada prevê que: “os condutores de veículos que transitem em missão de polícia, de prestação de socorro, de segurança prisional ou de serviço urgente de interesse público assinalando adequadamente a sua marcha podem, quando a sua missão o exigir, deixar de observar as regras e os sinais de trânsito,

      • xderk13 says:

        Um ministro regressar a casa ao fim do dia não é “serviço urgente de interesse público”

        • Ricardo Silva says:

          É, é serviço urgente. Sievico urgente para ir à sardinhada a tempo e horas.

          Para alguns “arautos do poder” pode-se tudo.

          O povinho? Vira o cú e toma lá!

          Pelos comentários que aqui vejo apenas deixo aqui aquela velha frase com imensa significação: “Mais cego é aquele que não quer ver.”

        • Ricardo Silva says:

          Leia-se “serviço”

  5. ToFerreira says:

    Com tanto investimento, já sabem a que velocidade ia o Cabrita?
    Se investissem mas era nas estradas, é que reduziam os acidentes.

  6. Rui Miguel says:

    Com este governo é só desonestidade. Mas alguma vez é legal, medir seja o que for por previsão, e depois ir pedir dinheiro? Passou a ser só para os condutores? É que nos outros radares, nem dois carros podem estar em imagens. Enquanto isso, continuam impunes os ladrões de bancos e os políticos corruptos que se safam com desculpas absurdas. A polícia só serve para tentar tirar dinheiro aos contribuintes, enquanto isso os coitadinhos podem fazer tudo, que para eles não há meios ou efetivos.

    • Sergio says:

      1- Em países mais evoluidos que o nosso e usados muitas vezes como exemplo, este sistema já é usado.
      2- Se fores um cidadão correcto e cumprires com os teus deveres, uma vez que não tens so direitos, pode vir a psp, a gnr, a policia maritima.. o car**** mais velho, onde é que te sacam dinheiro?
      Quem saca dinheiro ao contribuinte, nests casos, é o próprio contribuinte.

      • Mico says:

        Yep.
        Mas estás cabecinhas pouco pensantes quando fazem m.e.r… a culpa é dos outros, do Estado etc…

        • Diogo says:

          Pior que estes radares em França são os radares dentro qualquer veículo privado que se inscreveu para este novo serviço.O radar é instalado dentro do carro e revisto enviado diretamente para Polícia.

  7. Jose says:

    Lembrem se de uma coisa,as autoridades NUNCA podem reter os documentos e só se a viatura não estiver em condições de circular é que podem apreender os documentos desta,NUNCA os do condutor!as autoridades não são juizes!

  8. Vasco says:

    Uma excelente ideia para contrariar a sinistralidade e impor a Lei na selva rodoviária.
    E já agora, exiga-se que as autoridades pliquem também as leis aos veículos oficiais que não circulem em manifesta urgência e estejam em excesso de velocidade: A Lei É para ser cumprida por todos, sem desculpas.

  9. Paulo Martins says:

    Eu pensava que as regras de trânsito nomeadamente o limite de velocidade era para ser cumpridos mas aparentemente são estes só existem para caçar multas, o que eu não consigo compreender é que apesar da ganância das autoridades nunca conheci ninguém que tenha levado uma coima leve por excesso de velocidade será que só vale a pena passar coimas acima de 120€?
    Se calhar o grande problema é as pessoas acham que se a estrada tiver um bom piso e boa visibilidade então os limites de segurança deixam de ser uma obrigação e passam a ser apenas uma sugestão…

  10. Luis says:

    E apanha carros de ministros?

  11. Fernando says:

    Chulice, Chulice e chulice por esta ordem.

  12. Pro Guy says:

    Gastar dinheiro dos contribuintes neste lixo. Em vez de mandarem parar veículos com matricula estrangeira e chungaria com carros de luxo e pedir documentação e rendimentos. Uma vergonha

  13. PorcoDoPunjab says:

    Votaram neles agora aguentem.
    Aí aguenta aguenta.
    E podem ter a certeza que isto ainda não é nada, vai piorar ainda mais.
    Isto vai ser a Albânia da UE…

  14. k says:

    A ideia toda dos radares é regular e prevenir velocidade excessiva para tornar a estrada mais segura fazendo com que os carros circulem mais devagar, certo? Não é deliberada caça à multa, pois não?
    Ok, então como é que um pinguim com um radar na mão acampado e escondido atrás de um placar de publicidade onde ninguém o vê, a caçar matrículas e a mandar multas que chegam a casa 3 meses depois já um gajo nem se lembra onde passou, está a regular a velocidade? É óbvio que não está a regular, está é na caça à multa.

    Basta pensar um bocado, quando é que o trânsito é realmente regulado? O que é que força realmente as pessoas a andar devagar? É um bruto dum sinal enorme iluminado que toda a gente não tenha como não ver a 2km de distância a dizer “RADAR 70”, como os radares fixos. E quando passarem por ele, toda a gente vai andar a 70 porque já sabem de antemão que se não abrandam, levam multa. Isso sim, preveniu velocidade excessiva de praticamente toda a gente que passou naquele sítio. Mesmo com os radares de tripé, bastava meter uma placa antes a dizer RADAR A X METROS.
    Epa, mas isso é chato porque não dá multas, portanto já não interessa…

    Agora, o gajo mitrado atrás duma esquina ou o radar montado escondido por trás de qualquer coisa à face da estrada com a bela da viatura a 2 ou 3 km à frente a mandar parar, são sistemas horríveis. ISSO NÃO REGULA NEM PREVINE merda nenhuma. Aí já o condutor excedeu velocidade correndo riscos de acidente. Aí já é mesmo só pra caçar €uros.

    Se estiverem verdadeiramente interessados em controlar e manter segurança, não escondam, ANUNCIEM!

    • Paulo Martins says:

      Então segundo a tua lógica os radares de velocidade devem ser só usados única e exclusivamente nas zonas em que costuma haver acidentes para evitar acidentes, muito bem, então pela mesma lógica nas zonas onde não costuma haver acidentes não devia de existir limites de velocidade, ou então mantemos como está há limites, mas é apenas uma sugestão visto não haver qualquer controlo na prática é que senão houvesse, é essa a tua sugestão?

      • k says:

        Não. O limite existe e é para ser respeitado. Mas, se sequer conduziste alguma vez na vida, sabes que em grossa maioria ninguém respeita, que é por isso que há radares e que dão dinheiro. Se toda a gente cumprisse, não eram precisos radares.
        E qual é o objectivo de existir um limite? Segurança através de velocidade reduzida, certo? Não é (ou não devia ser) a caça à multa. O que é que controla mais, uma placa ou um radar?

        Claro que é o radar, e para responder à tua pergunta, devem ser usados exatamente nos mesmos sítios que já estão a ser e sempre foram usados. Nunca disse que deviam ser abolidos. A diferença está em COMO são usados E COM QUE FIM.
        Se o condutor for avisado que há radar, vai abrandar velocidade, coisa que realmente pode ajudar a previnir um acidente e que é o objectivo disto tudo.
        Se não for avisado, e só for apanhado pelo acampado com um radar escondido atrás dum placar, o que vai acontecer é que se o condutor estiver a andar acelerado, vai continuar a andar. Não vai haver nada para realmente regular a velocidade daquele veiculo naquele momento, o perigo vai continuar a estar lá na mesma e o objectivo de fazer com que ele ande devagar não é cumprido. A diferença é que ele recebe uma multa em casa 3 meses depois que já nem sequer sabe bem onde foi.

        Escondido = caça à multa = menos segurança = mais dinheiro
        À vista = regulamentação efetiva de velocidade = mais segurança = menos dinheiro

        • Paulo Martins says:

          O meu problema com a teoria de ter todos os radares devem estar sinalizados é que permites que os condutores desde que vão atentos à sinalização possam andar constantemente em excesso de velocidade, a meu ver o único dissuasor de abusos é o receio que a qualquer momento podes ser apanhado por um radar de segurança, para além disso eu não conheço ninguém que alguma vez tenha levado uma coima leve por excesso de velocidade por logo para além dos velocímetros indicarem uma velocidade ligeiramente superior às real as autoridades ainda dão uma margem de manobra aos condutores, logo se levas uma multa é porque honestamente ou estavas a pedir ou isso distraído na estrada e logo mereces ser penalizado.

    • Neves says:

      Eh pá… acorda para a vida. Não existem placas de limite de velocidade de 1000 em 1000 metros?
      Passas por elas e não reparas e reclamas pelo radar atrás da moita que não se vê? Se cumprires as regras não és multado…

    • Ricardo Silva says:

      Tudo dito. Ainda existem pessoas com bom senso e dois dedos de testa.

      Acrescento apenas – e é o suficiente: “Mais cego é aquele que não quer ver.”

  15. falcaobranco says:

    Acho que a noticia não está completamente correcta mas isto sou eu…

  16. Vida De Gandin says:

    Não sou a favor deste tipo de pratica de roubar as pessoas, onde existe outras coisas bem piores que deveriam de resolver, mas se não passa dos 120km tudo bem, eu tenho paranoias tenho 3 cam instaladas no meu carro duas delas uma afrente e uma a traz que apanha um ângulo de 145 º e uma que apanha todo o meu Painel de instrumentos, todas gravam automático para uma box que tenho instalada no carro com um disco de 2TB, mal dou a ignição ou com o comando do alarme fica logo a gravar, grava horas data e local pois a cam que esta virada para o Painel de instrumentos tem gps ( não preciso de usar cartão telefónico para o gps funcionar ) e isto serve-me de prova. tenho isto assim pois tenho um amigo que teve de pagar uma multa de uns 800 euros porque vinha numa velocidade 240kh na a23, onde nesse dia ele garante que não ia a essa velocidade pois o carro dele e um Renault Clio 1.2 gasolina que nem da 190kh isto foi já alguns anos, então desde ai fiz isso ao meu carro.

    • iDroid says:

      Os dados provenientes das dashcams não são admissíveis em tribunal…

    • Mico says:

      Isso é ilegal. Se me filmasses e puxasse das câmaras punha-me em tribunal ao abrigo do RGPD. Vai ver as coimas…

    • Mico says:

      Isso é ilegal. Se me filmasses e puxasses das câmaras punha-te em tribunal ao abrigo do RGPD. Vai ver as coimas…

      • Vida De Gandin says:

        ilegal e o estado fazer o que faz com o português, só e ilegal se te filmar a cara, neste caso estou bem, ate já foi usado em tribunal umas imagens por causa de um acidente com uma mota e um carro tvde que bateu e deu de fuga, e tudo ilegal, ilegal e o homo que anda com umas talas nos olhos, que continua a baixar a cabeça aos mininos que andam a rebentar com o sistema. OBS: quanto tirares uma foto ou gravares um vídeo para o YouTube ou para o teu insta vela que posso estar por la e ai depois ( Se me filmasses puxava-te do telemóvel e punha-te em tribunal ao abrigo do RGPD. Vai ver as coimas… vai-te deitar rapaz. nem te vou responder mais, e lembra-te que agora esta ai uma lei onde a policia vai passar a usar cam ” espera já e legal ” o meu cunhado tem um tesla minado de cam “pera não e ilegal”. nem te vou responder mais.

        • Mico says:

          É ilegal se te permitir identificar uma matrícula. Se não permitir, não te serve de nada, apenas burrice ou para bufos do sistema.
          Para os outros bufas. Se podes ser o apanhado já não é bom.
          A Polícia é uma autoridade, rapazinho, com um sistema de justiça por trás.
          Tu, eu e outros similares, somos bitaiteiros.
          Reduz-te à tua bitaitice e estuda para seres um cidadão com valor acrescentado para o país.
          — fim de perda de tempo – – –

          • Vida De Gandin says:

            És o tal 🙂 vai-te deitar men, nem tinha visto os comentários que estao por aqui, simplesmente és um .m..e.r.da.s. que aqui andas, tanto me faz se e para mim ou para os outros, eu estudai, só não ando e com um pau enterrado no rabo.

  17. fr says:

    Os impostos neste país são uma coisa doida se eu fosse do privado sonegava o quanto mais possível

  18. Ricky says:

    Querem realmente prevenção? Limitador de velocidade a 120kmh em todos os veiculos

  19. Oscar says:

    Portugal esta muito bem com os radares. Se acham que isto é caça a multa entao deviam experimentar o resto da Europa.
    Regras sao regras e em Portugal até somos muito brandos…

  20. Matos says:

    Estes radares são unica e exclusivamente uma fonte de receita. O estado não quer saber da segurança dos portugueses para nada, quer é receita. É como as alterações climáticas, se as quisessem mitigar ou reduzir e muito, não andavam a utilizar o dinheiro dos impostos sobre os combustíveis para subsidiar os amigos dos carinhos a pilhas! Utilizavam o dinheiro para um plano de reflorestação nacional. Mas não assim existe o negócio do CO2 que é para os amigos dividirem o dinheiro e os parvos do costume pagarem. Acordem!!!!

    • Mico says:

      Acho que tu deves acordar dos devaneios aéreos e colocar bem os pés no chão.
      Se andares à velocidade regulamentar, não enches os bolsos ao Estado o Estado não tem de comprar radares caros e ter polícias nestas vigilâncias quando podiam estar a fazer coisas mais relevantes.
      É só demagogo por aqui.
      Colocas florestas é esqueces a mobidade das pessoas.
      Claro que um carro elétrico gasta pneus, bateria e ocupa espaço na via pública, o que custa dinheiro. Financie bicicletas

      • Matos says:

        Vai-te tratar. Andas todo intoxicado. Deve ser do CO2 !
        És muito activo, deves trabalhar para o estado!

        • Mico says:

          Não, não trabalho,
          mas não sou um fuga aos impostos aldrabão, nem subsiodependente,
          Ah, e sou liberal, não me deixo intoxicar por youtubaros ou trashbookers ou pelas redes de esgotos sociais.
          Tens ar de estudar na Escola publica, usares o SNS quando precisas, mas a culpa da porc. é sempre dos outros.
          E se trabalhasse no Estado, qual seria o problema?
          Como se houvesse um tecido empresarial dinâmico e culto de forma global em Portugal, sem ser pseudo choramingas de ajudas do Estado, e não pequenos exemplos de bons empresários que vėm nos jornais.
          É só iluminati por aqui.

  21. Abel says:

    Concordo que em Portugal somos muito brandos.
    Existem países que os políticos corruptos são enforcados em praça pública.

    • Ricardo Silva says:

      Bingo! Somos brandos somos. O povinho quero dizer. É virar o rabinho e toma la! O resto é conversa da carneirada na fila – os próximos a lhes deitarem a mão no bolso -e ainda com direito a vênia de agradecimento.

  22. Bruno Rebelo says:

    São ilegais… pois para que a multa de velocidade possa ser validada, segundo o código de estrada, é precioso um operador de radar e uma testemunha da infração… neste aparelho não há testemunha, não partecipam 2 agentes.

    • Mico says:

      sim, toda a gente é burra e tu és iluminado. Os polícias nem andam aos pares.
      Os radares automáticos nao têm ninguém, não passam multa, mas as imagens são vistas depois, se for preciso por dezenas de policias se achares necessario e levas com ela.
      Anda devagar que a azia passa.

  23. Vasco says:

    Anos atrás acompanhei um suíços de Lisboa à Ericeira. Não os conhecia de lado nenhum e foram apresentados pela namorada da altura, tendo nós resolvido ir comer um arrozinho de marisco a certo restaurante. Isso implicou viagem pelo Eixo norte sul, IC19 e estrada nacional. Eles iam a conduzir a frente e eu atrás, e pude verificar que durante todo o trajecto, os 40 km/h eram mesmo 40 km/h e não 45 ou 50 km/h, os 90 km/h a mesma coisa, e ao passar por localidades era a 30 km/h, mesmo. Sinalização horizontal e vertical respeitada, sem curvas por dentro ou por fora, estilo autódromo, como se vê por aqui todos os dias. Nada: carro bem ao meio dos traços, perfeitamente controlado, sem artolices nenhumas.
    Só posso dizer que a partir desse dia comecei realmente a aprender a conduzir…

    • Mico says:

      Pois…
      Mas isso é para gente civilizada, os tugas conduzem mal, passam a vida a queixar-se, mas são sempre os outros.
      A minha tia ia na Autobahn a dar-lhe bem ao comer um rebuçado deitou o papel pela janela à Tuga.
      Chegou-lhe uma coima a casa com a descrição da infração. Nem me disse quanto pagou, mas ficou azul…

      • Vasco says:

        Em certos países dói a valer. É a velha noção de que existem dois estímulos básicos: dor e prazer. Neste caso quem prevarica sente a dor de pagar a multa, para corrigir o seu comportamento daí em diante (a menos que seja louco/a), e quem cumpre sente o prazer de conduzir com menos medo de cometer erros fatais e à noite dorme feliz 🙂

    • Ricardo Silva says:

      Para aprendermos a conduzir não precisamos de emigrantes que nos ensinem coisa nenhuma. Felizmente temos em portugal excelentes instrutores. Quem tiver dois dedos de testa e bom senso conduz perfeitamente com cuidado e segurança na estrada com o que aprende formalmente em Portugal (quando quer aprender, claro está).

      Mas o cu não invalida as calças. O que este artigo trata é do assunto de caça à multa e mais nada.

      Para mitigarem questões relacionadas com a sinistralidade existe muito a fazer. A grande maioria das ações inplica tudo menos regulação da velocidade de transito por radares escondidos. Um facto. Comprovado por décadas de sinistralidade presente e continua.

      • Vasco says:

        Concordo com o que escreve mas com duas reservas importantes: muitos dos nossos comportamentos são culturalmente adquiridos e só são modificados quando através da experiência da vida compreendemos que os devemos modificar. Os bons exemplos, venham de onde vierem também contam muito. Em segundo lugar, a prevaricação deve dar lugar a uma multa, de aplicação suficientemente provável para dissuadir os mais comportamentos que presenciamos quase diariamente: os dos outros e os nossos. A questão da sinistralidade prende-se sobretudo, mais do que com más estradas e sinalização incorrecta, com uma postura de inconsciência voluntária ou involuntária que nunca deveríamos ter quando estão em causa vidas.

        • Ricardo Silva says:

          Concordo com o que fala. Apenas considero que existem inúmeras formas (não utilizadas) para mitigar o estado das coisas.

          Consciencialização ativa/presnete nas estradas de forma efetiva por parte das autoridades, limitação de velocidade (com deliberação ponderada/bom senso – tendo em conta as características da via em questão) com sinalização em zonas onde manifestamente se encontre provado maior incidêndia de acidentes. Formação para a cidadania tendo em conta a questão rodoviário. Toda a sua problemática e implicações – desde idades baixas, tratando a mesma como uma disciplina real.

          Existem inúmeras formas de investir na prevenção e na tentativa de diminuição/mitigação da problemática. O investimento é nulo em todas elas. Investe-se apenas no mesmo de sempre. Radares para esconder atrás do arbusto/locais estratégicos (e sempre os mesmos –
          pela lógica do dinheiro fácil) por forma a roubar uns cobres ao contribuinte.

          Um facto. Faz-se à decadas e se a legislação não mudar assim continuará.

        • Ricardo Silva says:

          De referir ainda que os ditos radares e a forma como são usados em nada contribuem para que efectivamente a velocidade diminua. A infração ocorre da mesmíssima forma, as consequências da mesma também (más ou nulas). Na prática a unica forma onde a multa que chega a casa (3 meses depois – a correr bem) pode ajudar contra o “excesso” e na forma dissuadora que a cobrança implica. Ainda assim, em boa parte dos casos, as pessoa são multadas por situações ridiculas, que em nada contribuem para a sinistralidade, sendo que a base “cientifica” para a multa é o “número” legislado – sem qualquer ponderação sobre a característica da via, condições atmosféricas, condições de trânsito no local, as circunstâncias. Etc. Etc. Etc. E inevitávelmente – e nessas condições – outra multa surgira. Enquanto os verdadeiros prevaricadores andam por aí a matarem-se e a matarem os outros na estrada. Esta é que é a verdadeira questão que deve ser debatida.

          A legislação necessita mudar. Ontem foi tarde.

  24. Gilmar says:

    Para roubar esses desgraçados são capazes de inventar a máquina do tempo!

  25. JMPS says:

    Mais caça à multa e roubar o povo.
    Em vez de reforçarem operações stop para apanhar os senhores sem carta e sem seguros, e os espertos que ultrapassam pela direita isso não fazem.

  26. Oscar says:

    Regras sao para cumprir por mais que nao se goste.
    Se nao concordamos, elegemos outro partido ou propoe se mudanca nas regras e se tivermos maioria mudamos a velocidade maxima permitda. É assim um estado de direito.
    Agora devaneios com caça à multa é para quem nao cumpre. É a funçao da policia fiscalizar o cumprimento da lei. Caso nao o façam devem ser dispensados…

  27. Matos says:

    Ó camarada Mico, está a trabalhar para quem? Qual é a sua posição no estado? É xuxa?

    • Vida De Gandin says:

      amigo e esse tipo de camarada que mete o pais como esta, deve viver bem, deve atropelar e matar pessoas que trabalham e passar sinal vermelho que são impunes, mas quando bater a porta já vai reclamar, amigo o camarada mico esta prestes a saber ou a conhecer o karma. ehehe.

  28. Matos says:

    Só o nome com que te apresentas diz muito! Liberal a defender o estado ? Vai dar musica ao gato. Vulgar.

  29. Rui says:

    Só é pena querer cumprir e a sinalização não ajuda, em certas estradas no mesmo local temos velocidades diferentes em sentidos opostos, e muitas mais situações que não vou estar a comentar.

    • Ricardo Silva says:

      Para não falar de situações ridiculas com sinais de 70 onde a via no máximo permite 40. Ou limites de 50 em vias a subir com duas faixas, sem algomerados populacionais próximos ou passadeiras onde para ultrapassar um carro, ultrapassas o limite “legal” sem colocares em causa a tua ou a integridade fisica de qualquer outra pessoa. Resumindo: mesmo efectuando uma condição ponderada, com bom senso e segura. E o radar ali nem a jeito para te colocar a mão no bolso.

      Roubo. Um facto o que acontece.

      A legislação necessita mudar faz tempo.

    • Ricardo Silva says:

      Em “condição” leia-se “condução”.

  30. Wilson says:

    Alerta: “Novo” velocímetro detecta velocidade do carro para o motorista não infringir a lei mesmo à 2 km de distância de radares. E com isso evitar acidentes mais graves

  31. alex says:

    agora é aumentarem o valor das multas, para ver se a malta começa mesmo a cumprir 🙂

  32. Ze Periquito says:

    E como detecta a matrícula a 2 km?

  33. Agostinho Bessa. says:

    Que é tiro ao bolso é. Os que concordam que andem a pé, assim nem sequer puleem o cérebro aos que pagam as coimas e não vêem os carros dos governantes serem penalizados.

  34. Hard Nuts says:

    Boa tarde a todos.
    Infelizmente tenho de concordar que em Portugal as autoridades andam de “caça à multa”. Aliás, são incentivados a aumentar a “receita” por parte do poder politico, dependendo dos “justiceiros” rodoviários que se encontram no poder. Alucina quem diz que quem anda nos limites de velocidade nada tem a temer: é falso. Já tive de pagar caução de contra ordenação grave para contestar coima injusta, porque senão o sistema te condena automaticamente “por computador”…mandaram ofício sem dados de radar, sem fotos do veículo em questão, ou agentes presentes no local e altura da infração. Se não é caça à multa então é o quê? Claro que não me devolveram o dinheiro da caução não fazendo prova. Tens de gastar mais dinheiro e levar quem te fez a “perícia ilícita” a tribunal. Poderia haver prevenção sim. Tal como existe a carta por pontos, poderiam enviar um “auto de advertência” antes de entrarem a matar e a esfolar a carteira do contribuinte. O excesso de velocidade não é o único problema das estradas portuguesas! A polícia que patrulhe e multem à vista sem nada a esconder. Não meus amigos…essa de “quem não deve não teme” não funciona quando o objetivo é mesmo “aumentar a receita proveniente de coimas e multas” que vem em despachos do MAI para as forças da autoridade.

    Muito obrigado pela vossa atenção.

    • Ricardo Silva says:

      Tudo dito. E quem não consegue perceber o que aqui é dito tem dificuldade em perceber a gravidade da situação. É que o problema maior é que esta política “corrupta” está enraízada no sistema por décadas de usurpação de poder e abuso do mesmo. E dificilmente se ira alterar. Não com a legislação e os governantes atuais.

      Não poderiam estar eles menos preocupados com a segurança dos cidadãos. Desengane-se quem pensa que estão.

  35. Fernando Oliveira says:

    Toda esta actividade “fiscalizadora” e de caça à multa (falo no geral, excluindo situações graves e inadmissíveis, que também as há) está sustentada numa hipocrisia e numa imoralidade sem limites. Se não, vejamos :
    1- Com todo o desenvolvimento técnológico actual e já dos últimos anos, será muito caro construir e vender aos múltiplos quase interminável de biliões, à escala mundial, um dispositivo que viria de origem ou seria depois de montagem obrigatória em todas as viaturas, que, aliado a chips electrónicos instalados na sinalização vertical e horizontal OBRIGARIAM todos a cumprir os limites legais ?
    E lá se iam os perigos e as multas na perspectiva do engordar o Orçamento do Estado. Isto não é hipocrisia e desonestidade ao serviço de interesses ilegítimos, incluindo os do Estado ultra-cobrador e mau pagador ?
    2 – Se os carros não podem andar acima de 120 Km/h nas auto-estradas, porque se fabricam carros equipados com motores que ultrapassam brutalmente esses limites ?
    Mas será que isso não iria, de novo, contra os interesses das grandes multinacionais do sector e dos cofres do Estado, via IUC ?
    3 – Tenho 69 anos e, desde miúdo, que me lembro dos limites de velocidade de 30, 40, 50, 60, 80 Kms/h. Será que, para além do aumento exponencial das viaturas em circulação, nada mudou nos aspectos de segurança activa e passiva das viaturas, na qualidade das estradas e vias, e mesmo no civismo da maioria dos condutores (já que os inconscientes, tontos, bêbedos, imbecis, etc., são, apesar de demais, uma minoria).

    Precisamos é de deputados e governantes competentes, a nível nacional e internacional, que ponham cobro a estas hipocrisias de Estado e nunca vi estas demagogias

    Ontem, já era muito tarde. Mas com VERDADE, sem DEMAGOGIA, sem CEDÊNCIAS que contrariem os superiores interesses das comunidades.

  36. Ricardo Silva says:

    Bom senso e muita verdade neste comentário. Que o mesmo estivesse generalizado neste país e estaríamos bem melhor no que à problemática diz respeito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.