PplWare Mobile

Agricultores ameaçados por drones e tractores autónomos


Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

  1. KoDM says:

    Eu sou completamente a favor das técnologias, especialmente se usadas em operações que para os seres humanos seriam perigosas. Nos últimos anos temos visto um desenvolvimento tecnológico enorme em diversas áreas o que por um lado é bom porém se tornarmos operações que nós podemos fazer automatizadas pelas máquinas quem vai ter dinheiro para comprar o que as máquinas produzem?

  2. Quim says:

    A verdade é que os robots, drones e sistemas automáticos vão roubar muitos empregos, sim são tecnologias ótimas grandes avanços tecnologicos para os patrões e empresas é maravilhas, é um mar de rosas completo!
    Compensa o investimento? Compensa, ao longo do tempo não tens que pagar a mais ninguem despedes 10 empregados, contratas apenas 1 para arranjar os drones ou robots em caso de problema.

    Facturarão bilhões, milhões ou talvez centenas muitos mais por mês, enquanto isto não for regularizado podem crer que isto vai roubar e vai desempregar bilhões de pessoas, não agora mas num futuro próximo é isto que nos espera.

    Enquanto nada for regularizado, irão ver o que vai acontecer! É bom é… As “substituições” dos humanos estão sendo feitas de forma gradual e daqui a alguns anos só vão ver robots em empresas e com apenas 2 ou 3 funcionários.

    Não se admirem, e não digam que é impossível porque não é! Nem sabemos onde a tecnologia pode atingir limites incalculáveis como também podem fazer grandes estragos económicos e financeiros isto é como uma arma quimica, aos poucos vai matando empregos e a empregabilidade.

    Agricultores que se ponham a pau… e quem diz agricultores diz empregados de mesas, empregadas de hoteis e logistica.

    Enquanto não houver regularização do uso dos robots, drones em ambientes de trabalho, muitos e muitos empregos se vão perder, e acreditem que se não houver regularização podem esquecer, vamos todos viver do que? Vamos ser pagos pelo Estado? Acredito que sim.

    • Lars says:

      Se quiser criar empregos você tem que usar colheres no lugar de tratores….

    • Manoel says:

      Pregunto: quem vai consumir lo que automatismo que se apodera das actividades humanas produce, generando um desempleo masivo. Tiene que haver una solución. La hay, por ahora en el plano teórico. Se llama UBI: Unconditional Basic Income. Ingreso Básico Incondicional. Ya referendado en Suiza. Pero antes de que el UBI sea generalmente aprobado por sociedades y gobiernos, habrá angustia y sofrimiento en los muchísimos desempleados sin un ingreso digno y mínimo para sobrevivir. A largo plazo se preve gran crecimiento económico con el fin de la pobreza. Gracias a la robótica y el automatismo y al UBI.

      • Jorge says:

        Concordo perfeitamente, mas o UBI terá de ser muito bem controlado.
        Estamos atualmente numa sociedade em que existem muitas pessoas a usufruir de rendimentos mínimos e só os usam para drogas e noitadas.
        Este será o grande desafio do UBI.

    • João Carvalho says:

      Há quem pense em criar um imposto por cada máquina para compensar postos de trabalho que não se criam…
      http://jornaldoluxemburgo.com/2016/07/robos-ocupam-um-posto-trabalho-poderao-pagar-impostos/

  3. Helder says:

    Isto não é necessariamente mau, a automatização total da agricultura deverá levar a que os alimentos sejam automaticamente distribuídos em vez de vendidos. A verdade verdadinha é que toda a gente, e é mesmo toda a gente, trabalha em troca de uns trocos apenas porque tem que almoçar todos os dias, não há setor nenhum da economia onde não seja precisa, pelo menos, uma sandes de manteiga a cada refeição preparada por alguém. E a automação para a liberdade de fazer tarefas do interesse de cada um é um antiquíssimo sonho da humanidade, tem é sido tentado, até agora, utilizando seres humanos escravizados por outros seres humanos. Agora temos a possibilidade de o conseguir ultrapassando esse ultraje. Sim, porque se pensam que são pessoas livres no vosso dia a dia… pensem lá melhor. A sociedade do nosso futuro pode vir a ser muito parecida com a sociedade, que não usa dinheiro, da série de ficção cientifica STARTREK.

    • Pedro Barros says:

      Sonha, sonha… Como se já não houvesse “mandriões” suficientes nos dias de hoje, que esparam que alguma coisa (maquina) ou alguem faça todo o trabalho por elas…
      Vamos continuar com o crescimento literalmente “selvagem” e não regulado destas tecnologias, e continuar constantemente a destruir postos de trabalho, que assim é que é bom….

  4. Luís says:

    Os agricultores que vão usar isto não são agricultores que andam de enxada na mão

    • carlitos says:

      Eu moro no campo, numa região de minifúndio e maioritariamente para auto-consumo e em qualquer quintal se vê máquinas para tudo. Enxadas só motoenxadas mesmo. Mas claro que estas tecnologias poderão eventualmente interessar mais no imediato os grandes produtores.

  5. Adolfo Dias says:

    – “O Banco Mundial indicou que necessitamos de produzir mais 50% de alimentação” – Errado, precisamos de esbanjar menos.
    – “A chave para o equilíbrio está, sem sombra de dúvidas, em aumentar a produtividade da agricultura” – Á custa de quê? Implementar ainda mais fitofarmaceuticos? Desconhecendo os efeitos secundários a médio e longo prazo?

  6. Jj says:

    Quem tiver interesse neste tema, automatização/emprego/distribuição de riqueza, pode ler o livro ‘A ascensão dos robos’ de Martin Ford. É um livro sobre economia mas de fácil leitura (parece quase um romance…).
    São dissecadas todas as questões postadas nos comentários (que li até agora) de uma forma fundamentada.

    Nota1: trabalho na área de automação. Comecei a ler por curiosidade e abriu-me os olhos para muita coisa…
    Nota2: não tenho quaisquer interesses relacionados com o livro.

  7. Alvega says:

    “Agricultores ameaçados por drones e tractores autónomos”, e isto aplica-se a ?
    Em Portugal, somente na lezíria e Alentejo ( latifúndio), e para produzir o què ?
    No estrangeiro, sim aplica-se e vai levar a que os países se protejam, fechando mercados e fronteiras, como se afigura actualmente nos USA, Inglaterra e outros se seguirão.
    Quanto custa a nova tecnologia ?
    Quanto vai gerar de lucro a produzir agricultura de baixo valor acrescentado, e ainda de menor qualidade ?
    Estamos actualmente num MUNDO de super produção e baixo consumo, com as novas tecnologias do artigo, vai implementar mais desemprego > menores rendimentos > ainda menor consumo (simples).
    Novas tecnologias, > maior produtividade > menor qualidade > menor consumo , riscos de doenças e pragas (o culpado é a maquina, mas quem paga é o consumidor, podendo mesmo pagar com a morte), e os “empresários” sem escrúpulos vao usar e abusar disto, somente querem lucro o resto da cadeia de consumo que se lixe.
    Vós leitores estao dispostos a consumir desta Agricultura intensiva, para os vossos filhos, ou preferem QUALIDADE, SABOR, CHEIRO, GOSTO. Claro que os Inteligentes da grande cidade (meninos), que pensam que os frangos e as frutas, vegetais, e restante comida vem dos supermercados, esses “papam” toda a Porc… que lhes coloquem a frente.

    • Jorge says:

      Menor qualidade? É melhor pesquisar um pouco pelo google, a automação não traz menor qualidade vai aí uma confusão.

      • Jorge says:

        Para ficar a saber, a qualidade até vai aumentar com a automação.
        Quando temos baixa qualidade nos produtos é justamente por acelerar-mos processos, automatizando podemos ter mais qualidade.
        Um robô pode trabalhar horas seguidas e produzir muito mais que um humano, logo não é preciso cortar cantos pode-se ter qualidade e grande produção.

    • Pedro Barros says:

      +1000. O primeiro post sensato que vi até agora!

  8. Francisco says:

    Não quero parecer comunista mas isto é mais poder para as corporacoes e detentores de capital que só vem numero$. E então se uma verdadeira intelegencia artificial for descoberta é que estamos lixados. Será sem duvida preciso legislação para proteger as pessoas. Possivelmente novos sistemas políticos precisarão ser criados.

  9. carlitos says:

    Quando li o titulo do artigo, pensei que tivesse a ver com perigo de acidentes.

  10. joni says:

    qual é o stress??? se me sustentarem quero lá saber se uma maquina ocupou o meu lugar ….

    • Amilcar Alho says:

      E tu vais pagar os teus deveres com o quê? Só se fores mais um do RSI a falar de barriga cheia!

    • Pedro Barros says:

      Comentário tipico dos “mandriões” e “parasitas” que povoam a nossa sociedade!!:
      “Se me sustentam e posso viver sem me esforçar para nada, nem ter merito ou esforço para nada, para que cansar-me a trabalhar…?? E venha lá o subsidio para eu estar de “papo para o ar”, a ser sustentado á conta de alguem que não eu…!”
      “Ser produtivo, ou útil para alguma coisa? Para que? Alguem ha-de fazer por mim…”

  11. Prodígio says:

    Treta.
    Isto só será solução se as condições atmosféricas o permitirem.
    Pela evolução meteorológica que assistimos, os fenómenos atmosféricos são cada vez piores…

    Já viram algum drone a voar à chuva? Ou com um pouco de vento? Ou um robô em solo inclinado, enlameado, etc? Boa sorte com essa produção agrícola.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.