PplWare Mobile

376 crimes para “hackers” portugueses por ataques a sites da ONU, PJ, RTP, Tony Carreira…


Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

  1. Hyroku Mahta says:

    Épa! Deu pedreira 🙂

  2. Paulo Baptista says:

    Se alguém cuja única formação que recebeu foi de hackers, presume-se que experientes, ou talvez não, fez o que fez, os únicos que deveriam ser julgados seriam os responsáveis técnicos pela segurança das entidades que viram os seus dados, supostamente violados. Se uma dia destes uma criança de 14 anos conseguir entrar nem servidor do BdP, quero ver se é o puto que vai ser julgado. Há quem ande a brincar com a cibersegurança e a ser pago a peso de ouro para a garantir.

    • Pedro Silva says:

      Ora, muito em dito !!!!

    • Miguel says:

      É onde vivemos

    • Miguel says:

      Parabéns. Comentário com todo o propósito, algo raro nos comentadores deste Blog.

    • Redin says:

      Se encontrares a porta da minha casa aberta e entrares com o intuito de criares problemas, estás a cometer um crime só pelo simples facto de provocares esse incidente. Nada na lei em obriga a ter um trinco na porta. Porém, o criminoso vai beneficiar da atenuante da minha falta de segurança e que poderá levar entre uma pena suspensa e/ou outra mais leve.
      Por via de duvidas, eu tranco sempre a porta. Deverei reforçar com código e outros artifícios?

      • Rui Santos says:

        Esse exemplo é falacioso, o exemplo a dar é de teres a porta aberta mas uma empresa de segurança a guardar a casa, um miúdo de 14 anos entrou e roubou os teus rebuçados e tu (e bem) vais processar o miúdo mas não a empresa de segurança…

      • Vanadu says:

        Esse exemplo só pode ser uma brincadeira ou de um desconhecimento completo.
        Uma empresa de segurança informática é paga para colocar a porta e os respectivos trincos, alarme e restante equipamento de vigilância. E afinal a porta está aberta e o alarme nem existe….
        E estamos a falar de empresas/instituições que devem/deviam ter empresas de segurança informática de topo, não é o zé da esquina que tem um site institucional da sua empresa e que não quer gastar dinheiro com “essas tretas”, são muias vezes dados importantes, confidenciais e bastante sensíveis.
        Mas percebo… a culpa é da empregada, ups…. no caso em concreto é do pedreiro.

      • Carlos Fernandes says:

        Boas gostaria de fazer Uma questão utilizando o artigo apresentado.
        Aos olhos do RGPD, se neste momento, eu fosse um dos nomes divulgados podia apresentar um queixa contra a empresa que foi invadida?

      • cat says:

        Essa analogia, para funcionar, deveria referir que és livre de entrar em casa mas não em algumas zonas da casa. Como és livre de visitar um site mas não para aceder livremente ao BO do mesmo, ao servidor de ficheiros ou à base de dados. No entanto, se acederes a uma zona não permitida mas não roubares nada, será que isto deveria ser considerado um crime ou uma simples infracção ?

        Por outro lado, metam isto na cabeça: Não existem sistemas invioláveis. Por muita segurança que tenhamos, por muito bem paga que seja, existem formas de dar a volta. É uma assunto complexo e acho demagógico estar a apontar culpados ou responsáveis em situações extremas. Noutras situações, mais “de caras”, certamente as empresas de segurança terão alguma responsabilidade. Agora, por definição, nada disto é 100% seguro.2

    • just saying says:

      Então assassino “é a arma” e quem a fabricou e não quem fez mira e puxou o gatilho, é isso?

      Eu não preciso de ter uma porta em casa para quem la entrar e me roubar ser acusado de assalto! Claro que a porta ajuda a não ser assaltado, mas não é obrigação minha colocar a porta para impedir que gente mal intencionada lá entre e me roube.

      Concordo que a segurança informática em muitos sites oficiais é ridículo e tem que ser urgentemente reforçada, e que as instituições afetadas devem tirar ilações e protegerem-se melhor, mas daí a desculpar quem lá entrou “porque queria ser famoso” e roubou e acedeu a dados confidenciais…

    • Bruno says:

      é preciso ter algum cuidado com essas afirmações, metafóricamente o @Redin disse quase tudo.
      relativamente aos especialistas de segurança das empresas atacadas, e continuando a metafora, provavelmente os pais irão castigar o filho por ter deixado a porta de casa aberta 🙂

  3. Vaiselásaber says:

    Aquele momento que um pedreiro sabe mais que muitos eng informáticos
    sad day

  4. Paulo Almeida says:

    mas quando é o destino de uma nação como o Brasil que está em jogo com urnas eletrônicas como vamos provar que houve adulteração ???

    • cat says:

      E como vais provar que não houve ? É simples, ou tens confiança no sistema ou não tens confiança no sistema. Por último, e para ter a certeza, volta à votação em papel e, no fim, requisita todos os boletins de voto para os poderes contar …

  5. Maike says:

    Pelo menos um puto descobriu falhas de seguranças sem formação nenhuma e virou criminoso por ter entrado na conta. Esses sites não tem segurança sequer, se um puto sem formação conseguiu….os “profissionais” não terão conseguido? Deixaram passar o tempo deste 2013 sem apanhar esse puto? deveria era ser compensado e oferecer emprego/formações na cibersegurança. Existem pessoas piores que ele.

    • Falcão Azul says:

      “Um puto” ?? “Um puto” ?? —»”Tinha 24 anos quando,em 2013,Francisco Texugo,habituado durante o dia a trabalhar com pedras,travou amizade com piratas na Internet.” Notícia do Jornal de notícias de hoje,Quarta-feira,4 de Outubro,edição impressa. Ele já era um adulto !! E sabia bem onde se metia !! Hoje com 29 anos,nem há-de saber onde se meter por causa dos crimes que cometeu !! E mais,não sei se irá preso,se irá ter prisão efectiva,devido às gravíssimas acusações que pesam sobre ele !! “…com um simples computador,a partir de casa,conseguiu perpetrar ataques contra as páginas de Internet de instituições como a Organização das Nações Unidas (ONU),câmaras municipais de Caminha e Viseu,empresas de gestão de fundos do Bangladesh e da Rússia.” Mas que é isto ?? Que se dedicasse ao trabalho de servente de pedreiro,ora,ora !!

  6. João Terra says:

    Mas se for o governo ou um banqueiro não se passa nada

  7. Falcão Azul says:

    Um “ajudante de pedreiro” ?? Ah,ah,ah !! Esta vai entrar para o anedotário nacional !! Um ajudante de pedreiro,esta é boa !! “Foi em 2013 que Francisco Texugo,habituado durante o dia a trabalhar com pedras,travou amizade com piratas na Internet.” // “De acordo com a acusação do Ministério Público,foi através destas amizades virtuais que Texugo conseguiu obter conhecimentos necessários para se tornar um “pirata” capaz de furar,por exemplo,o sistema de segurança informática da ONU Environment, como refere o JN.” // “Segundo a acusação do MP, este “hacker” conseguiu entrar nos servidores de 366 organizações a nível mundial,“tendo assim acesso a todas as bases de dados ali alojadas,sendo-lhe assim permitido,se o pretendesse,ler e retirar toda a informação que ali estivesse,bem como modificar ou apagar a mesma”.” Ah,ah,ah,só o nome(Texugo),já dá para rir,ó meu amigo. 😀 😀 😀

  8. Eu says:

    Hackers a trocar mensagens no Messenger da Facebook?! Isto não são Hackers são ácaros 😀 😀

    • cat says:

      Quem não percebe patavina disto, como tu, ri-se como um tontinho. Existem aplicações que utilizam o sistema de mensagens do fb para poder comunicar. Se utilizares um layer de encriptação em cima disso (existem plugins para tal), vai ser muito difícil a qq um saber o que está a ser comunicado. 🙂 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.