Quantcast
PplWare Mobile

Todos os que usam bicicletas vão adorar a novidade que o Google Maps apresentou

                                    
                                

Autor: Pedro Simões


  1. Paulo Santos says:

    Eles que não façam atalhos pelo meio de zonas para pedestres. Estou farto de bicicletas nos jardins da minha cidade. Sejam didácticos e ajudem a cumprir a lei.

    • Miguel says:

      Agora não se pode andar de bicicleta num jardim? haja paciência

      • paulo s says:

        Não é de agora, nem precisas de paciência, basta leres o código da estrada. As bicicletas só podem circular nas estradas ou em ciclovias. E para quem são as zonas pedonais? Mete idosos, carrinhos de bebé e pessoas em actividades de lazer e diz-me que sentido faz terem bicicletas por perto.

        • Carlos says:

          E quantas pessoas eu encontro TODOS OS DIAS a andar a pé (aos grupinhos) nas ciclovias? Queres mesmo ir por ai?

          • Paulo Santos says:

            Quero pois, é proibido também! algum problema? se achas mal denuncia, não fiques calado.

          • Paulo Santos says:

            “Quando o acidente é provocado pelo veículo que não tem seguro, o condutor é sempre responsabilizado com o pagamento de uma multa, indemnizações a todas as vítimas do acidente que tenham sofrido danos físicos e/ou materiais”
            Agora imagina o cenário de quem não é obrigado a ter seguro (caso das bicicletas ) a atropelarem um peão, estando a bicicleta fora dos locais onde lhe é permitido circular. Já começaste a fazer as contas…?

        • António Santos says:

          O Código de estrada define a proibição em passeios. Os jardins públicos não são passeios. Isto se quiseres ser rigoroso. É evidente que o ideal é andar ou em estrada (para quem não tem problemas (ou pensa não ter) com o trânsito ou em ciclovias. Mas há muitas localidades sem ciclovias. E também há muitos locais pedonais onde é permitido andar de bicicleta. Parque das Nações e Belém em Lisboa. O que se tem que pedir é respeito pelo peão. Não é proibição só porque há alguns que de bicicleta não se sabem portar em sociedade. Mas é de bicicleta ou a pé.

          • Paulo Santos says:

            Tu lês como te convém.
            “CIRCULAÇÃO
            As bicicletas são equiparadas aos restantes veículos a motor.

            Assim, as bicicletas podem circular em todas as vias e não apenas nas ciclovias. Cabe ao utilizador definir qual a opção mais vantajosa para si.” Vias não são passeios nem caminhos para peões, por alguma razão dentro das cidades há ciclovias, não há ciclopasseios nem ciclo-zonas pedonais.
            Ainda não percebi porque razão fazem questão de andar com veículos concebidos para estradas, em zonas para peões.
            Os peões também podem fisicamente andar no meio da estrada, porém não devem, pois não?

      • paulo s says:

        Sim, haja paciência para esse tipo de ignorância. Se um jardim , ou outro espaço público, não tiver uma ciclovia identificada, não, não se pode andar de bicicleta. Já agora também achas que podes atravessar uma passadeira para peões montado na bicicleta?

        • Tiago says:

          E a quantidade de pessoas a andar calmamente nas ciclovias? O problema não são as bicicletas mas as pessoas que não querem saber.

          • Paulo Santos says:

            Exactamente, sejam as bicicletas a circularem fora das estradas/ciclovias, ou sejam os peões a passearem nas ciclovias ou no meio da estrada está errado.
            Agora não se ofendam os donos de bicicletas porque o desconhecimento da lei não os desobriga de a cumprirem.

        • António Santos says:

          Há passadeiras para velocípedes. E de facto não se pode passar por uma simples razão. A passadeira liga dois passeios. Se o ciclista atravessa a passadeira, significa que o fez a partir do passeio. Só se tiver 10 anos. Agora se ligarem o atravessamento de uma ciclovia com uma passadeira, isso vai contra o RST que obriga a sinalização própria. Mas apesar de ver tanta gente a falar disso, ainda não percebi qual o problema. De carro pode fazer-se de tudo que toda a gente desculpa. De bicicleta, que é o melhor meio de mobilidade, faz comichão a tanta gente. Decl. Interesses: Não passo pelas passadeiras pelas razões escritas acima. Mas assim como quem mete o carro na garagem, passa por cima do passeio, também não desmonto por exemplo, na avenida do Brasil junto às paragens de autocarros. Apenas abrando e redobro os cuidados a ter pelo local que é.

          • Paulo Santos says:

            Eu também vejo motos de grande cilindrada a subirem passeios para ir ao MB, vejo carros a fazerem manobras de bradar aos céus. O que está mal é o conformismo das pessoas. Indignem-se, insurjam-se, porque de outro modo as coisas só vão piorar, vai-se ver cada vez mais gente a não cumprir leis e a borrifarem-se porque não são corrigidos.

        • Joel Rocha says:

          Sim Sr. Paulo, um ciclista pode atravessar a estrada numa passadeira para peoes montado na bicicleta. Tenha mais cuidado na estrada sff. E vá ler o Codigo da Estrada, que as suas noções já estão muito desactualizadas.

          Veja sff os seguintes artigos:
          Artigo 101º – Atravessamento da faixa de rodagem
          Artigo 104º – Equiparação
          É equiparado ao trânsito de peões:

          c) A condução de velocípedes por crianças até 10 anos, nos termos do n.º 3 do artigo 17.º;

          Boa sorte a identificar velocipedes conduzidos por crianças até aos 10 anos de idade.

    • Joel Rocha says:

      Caro Paulo Santos,
      Para começar, a cidade não é só sua. Deixe-se de egoismos, lembre-se que vive em sociedade. A cidade, e os jardins que esta tem, não são iguais ao seu quintal.
      Em segundo lugar, os ciclistas PODEM SIM circular em zonas pedestres, nomeadamente se o ciclista tiver menos 10 anos de idade, ou se estiver a entrar ou a sair da sua residencia/prédio.
      Da mesma forma que voce está farto que os ciclistas usem os caminhos pedestres, os ciclistas tambem podem estar fartos que os peoes andem nas ciclovias. Tenha paciencia, são utilizadores que não são obrigados a saber o código da estrada e tambem pagam impostos para que haja estradas para os automoveis e não fazem usufruto disso.

      Portanto deixemos-nos de egoismos e sejamos mais compreensivos. Obrigado.

  2. Miguel Ferreira Pinto says:

    Enquanto testam isto lá fora, cá ainda não temos sequer a opção de dizer que queremos fazer o percurso de bicicleta…

  3. Paulo Santos says:

    Vou ser repetitivo, mas tenho de perguntar “porque carga de água querem andar com bicicletas nos mesmos locais que andam crianças, idosos, pessoas a recriarem-se e que querem paz e sossego?!”
    sabem que por não ser obrigatório o seguro, vos sai tudo do bolso no caso de aleijarem alguém?
    os peões estão mal nas passadeiras, passeios, jardins?…. será que não há mais nenhum sitio para andarem de bicicleta, ou é vaidade?

    • fernando martins says:

      Porque carga de água devo andar de bicicleta com os meus filhos que mal sabem andar de bicicleta na estrada. Quem anda de bicicleta em passeio anda a ritmo de passeio. Se for andar na estrada ando a ritmo de estrada. Haja civismo e sabes distinguir as coisas. Sempre andei de bicicleta a pé de carro e mota. E não percebo a aversão que têm as bicicletas. E é que o que vejo é pessoal das bicicletas a ficarem todos partidos porque um animal qualquer enlatado atropela um de bicicleta…

      • Miguel Ferreira Pinto says:

        Até aos 10 anos podem andar nos passeios e jardins.

        Depois dos 10 anos só em estrada e ciclovias.

        Sou ciclista, faço mais de 200km por semana em bicicleta e acho que se queremos ser respeitados, temos que começar a dar o exemplo também!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.