Quantcast
PplWare Mobile

Tile assustada com a competição dos AirTags acusa a Apple de concorrência desleal

PUB

                                    
                                

Autor: Vítor M.


  1. André R. says:

    Quer dizer, a Apple deu hipóteses de os fabricantes integrarem os seus equipamentos na rede da Apple, não quiseram, e agora a Apple não pode criar produtos no seu ecossistema? Tenham paciência…

  2. Eu sei lá says:

    Pois, isto é assim, no mundo dos negócios das grandes multinacionais, deixados sem regulação e intervenção do poder político, os grandes engolem os pequenos.
    E quando não houver mais pequenos para engolir a tecnologia continua a evoluir?

    A Apple faz muito isto, aparece com um produto/serviço que faz o que os outros já fazem – mas melhor (e acrescenta novas funcionalidades). É o caso agora. Não é difícil perceber que com o lançamento do AirTag, a Tile vai levar um valente “chimbalau”.
    Aderiu à liga das empresas anti-Apple, liderada pela Epic Games, à espera de um milagre. Mas a questão da Tile e outras com a Apple, não é a mesma da Epic Games, que tem outro músculo financeiro (o principal acionista é a Tencent, chinesa, que tem muito a ganha se a Epic Games ganhasse a ação contra à Apple, quanto ao exclusivo da Apple Store).
    Parece-me que o melhor que a Tile tem afazer é aderir à plataforma da Apple da rede “encontrar,” que a Apple abriu a outras marcas, para não ser acusada de monopólio. Ganha menos, mas ganha. Vai persistindo na liga anti-Apple, não se sabe até quando.

  3. José Fonseca Amadeu says:

    Só resta dizer, temos pena.
    Desleal seria uma empresa não lançar melhores produtos para não se sair melhor que os players existentes, quem perderia seria o consumidor. Com isto o que não vão faltar vão ser concorrentes a esmagar a tile, amanhã já temos Xiaomi, huawei e Samsung com produtos equivalentes.
    Isto é a história dos centros comerciais vs comércio tradicional aplicada ao segmento tecnológico.

  4. Samuel MG says:

    Entre a Tile e a Apple prefiro a Tile!!

    • Vítor M. says:

      Se não és um utilizador Apple, sim percebe-se. Se és um utilizador Apple, então estás completamente fora de órbita sobre o que vale a Rede Encontrar.

      Pensa que a Rede Encontrar poderá ser uma dor de cabeça para quem “rouba” equipamentos Apple ou que tenham “escondido” a AirTag ou equipamentos que suportem a Rede Encontrar.

      • AqueleAmigo says:

        Infelizmente tenho que concordar com o Vitor nesta.. EU SEI É TRISTE 🙁 haha

        Lamento muito é as grandes companhias dominarem os SO de forma tão imperativa, não há espaço para alternativas

        • Vítor M. says:

          Bom dia. Alternativas há poucas realmente, mas deve ser porque é muito caro desenvolver um sistema operativo e manter o mesmo. Por isso a Microsoft terminou com o Windows Mobile e é o caso das grandes empresas de smartphones que não saem debaixo da asa da Google. E as empresas visam o lucro.

          • José Fonseca Amadeu says:

            Deves querer dizer Windows Phone (ou mais recentemente Windows 10 Mobile), e não foi por isso que a Microsoft terminou, decidiram mudar de estratégia e focar-se noutros mercados, a Microsoft tem os bolsos mais fundos que a Apple para Dev e o prejuízo não era assim tanto que significasse matar o projecto.
            Para mim houve piores perdas como o WebOS, esse rodou tantas mãos que acabou como SO para smarttvs.

          • Vítor M. says:

            O Windows Mobile (todo ele, desde o Windows CE até ao Windows 10 Mobile, passando pelo Windows Phone). Todos estes sistemas mobile foram fortes e fracos, mas não foram fortes o suficiente para a Microsoft os aguentar. O bolsos da Microsoft são uma coisa, mas não têm a capacidade que a Apple tem no que toca à visão de mercado.

            Por isso é que continuam a dar tiros nos pés no hardware, como deram com a área mobile Nokia, como deram com o desenvolvimento do Windows Mobile, como deram com o desenvolvimento de vários outros produtos que não conseguiram tração.

            Sabes que o segredo da Apple é bem conhecido. Chama-se ecossistema. Isto é, ter desenvolvimento de patentes, software, hardware, plataformas agregadoras, produção, distribuição, venda e suporte. A Microsoft tentou, porque é muito poderosa no software, tentou abrir lojas por esse mundo fora, tentou comprar hadrware a terceiros (como o fez com a NOKIA, por exemplo), desenvolveu vários sistemas operativos, desenvolveu lojas online de apps e serviços (a XBOX é um bom exemplo de sucesso), tentou criar comunidade, mas depois não conseguiu ter tração, ter look&feel, ter efetivamente mercado para todos estes setores combinados. Falhou e algumas partes desmoronaram-se.

            Dou-te um exemplo perfeito. A Apple está a fazer grande sucesso com a sua arquitetura ARM nos computadores, como o Big Sur para Apple Silicon. Está a ter mais produtos com maior desempenho, está a vender sem dependência da Intel, está fortíssima no que toca à inovação dentro das suas linhas de dispositivos. E tudo vende como pãezinhos quentes. O MacBook Air M1 é um sucesso e o iMac acredito que também o será. O novo iPad pro com M1 será um colosso e não tenho dúvidas que vai vender muito.

            A Microsoft lançou há uns anos o Windows RT. Qual foi o sucesso desse investimento?

            No que toca ao webOS, esse era um grande SO. Ainda hoje é o que mais gosto nas smartTVs. A LG tem feito um trabalho “mais ou menos” com ele, mas agora que o abriu ao mundo, de certeza que vamos ver uma evolução muito maior.

          • José Fonseca Amadeu says:

            A microsoft teve um grande problema chamado Steve Ballmer, assim que o Satya Nadella assumiu o lema a coisa mudou e foi altura de cortar no que o Steve Ballmer não tinha visão e concentrar-se nos projectos que lhe interessavam desenvolver.
            Não falta visão nenhuma à Microsoft, simplesmente esteve mal orientada alguns anos.
            É verdade que o ecossistema apple é único por isso uso Mac desde os anos 90, mas é único apenas no segmento de consumo, a Microsoft tem uma visão mais transversal e criou o seu proprio ecossistema corporate e cada vez cresce mais com isso.
            Querendo a Microsoft tinha no Windows + Nokia tudo o que precisava para combater os seus concorrentes, isso viu-se nos últimos equipamentos lançados que ainda hoje não existe nenhum iPhone ou Android que consigam fazer match das evoluções técnologicas que eles fizeram embora ultimamente se tenham feito alguns progressos principalmente na parte de ligar a um teclado e display e ter um Full OS.

        • José Fonseca Amadeu says:

          Espaço há, só não há força.

      • Samuel MG says:

        Não sou nem nunca vou ser um utilizador desses equipamentos da maçã mordida!! “O que é teu é todos mas o que é meu é meu!” foi algo dito por essa companhia 🙁

  5. Castro says:

    Não se viu a Tile a reclamar da Samsung que lançou basicamente o mesmo género de coisa que a Apple há poucos meses. Será que a Apple está proibida de concorrer com a Samsung?

    • Jiga says:

      Esse comentário demonstra ignorância porque só leste o título. O que está em causa foi a Apple não ter aceite a Tile quando abriu o seu ecosistema “a todos” .

      • Castro says:

        Onde é que diz que a Apple não aceitou a Tile? A Tile é que não quis usar o serviço da Apple.

      • jlxpmme says:

        Não sei onde foste buscar essa informação porque foi a Tile que não quis usar o serviço Find My, e não a Apple que recusou. Se não conheces, até a Chipolo vai lançar uma tag com suporte para a Find My network.

  6. Elektro says:

    Bem eles deram a oportunidade á Epic Games de colocar o Fortnite na App Store, a Epic Games contornou os termos de serviço e quando a Apple retirou o jogo decidiram abrir processos em tribunal desnecessários.

    Porque será que hoje em dia as marcas pensam que podem fazer tudo o que querem em relação a outras ? Eu tendo uma empresa posso seleccionar a quem forneço serviços e também posso me recusar a partilhar os meus serviços com terceiros.

  7. Miguel says:

    Gostaria que aprofundassem mais sobre as tecnologias que as airtags da Apple usam.
    – Usam bluetooth / WiFi de outros equipamentos Apple perto para se comunicarem com a cloud?
    – Usam as antena GSM?
    – Como é que os equipamentos comunicam com a cloud não estando perto do equipamento que quer localizar?

    Sabemos que a tecnologia find da Apple nunca mostrou as cartas todas, principalmente quando tiramos o SIM fora do equipamento, desligamos o wireless e mesmo assim ele consegue comunicar com a Apple?

    • Miguel says:

      Tive a ler mais um pouco sobre a tecnologia usada e fiquei a gostar do que li, e ao que tudo indica usa a rede de outros equipamentos Apple perto da tag para enviar indicações para o equipamento que está a fazer a pesquisa e tudo com encriptação ponto a ponto para maior privacidade.
      E se me colocarem uma airtag para me controlarem o meu equipamento vai me informar que existe uma airtag perto de mim.
      Isto tudo usando a rede find da Apple, se for assim como percebi ultrapassa a concorrência toda…

    • jlxpmme says:

      Não tem qualquer antena GSM ou wifi. Só tem Bluetooth LE e o U1.

      A rede Find My da Apple permite que qualquer iPhone possa encontrar dispositivos através de Bluetooth e enviar a localização para o dono do dispositivo(quando este está em “Lost Mode”). Isto é completamente transparente, e encriptado, para quem está perto do dispositivo. Por isso mesmo que estejas a muitos quilometros de distancia, quando alguém com um iPhone passa no range da tag, és notificado da localização e essa pessoa nem tem conhecimento. Quando estás perto da tag, o U1 é ativado e dá-te um localização precisa com direções exatas para mostrar onde está.

      Tem outras features, como NFC para dispositivos Android fazerem scan(quando colocas em “Lost Mode” podes colocar uma mensagem e esta é apresentada). Tem também notificacões para avisar caso alguém possa ter colocado uma tag para localizar outra pessoa(caso uma tag te esteja a seguir, e esteja afastado do dono da tag, és notificado e passado algum tempo até faz barulho para localizares).

  8. Filipe C says:

    RIP Tile, é a grande verdade…
    Agora com as SmartTags da Samsung e as novas AirTags da Apple, ambas com uma rede de milhoes de users, fica muito dificil estes ‘pequenos’ players do mercado sobreviverem. Faz parte da tecnologia no mundo de hoje. Pode-se inventar algo incrivel, mas no dia que algum gigante replicar essa ideia, os originais e pequenos desaparecem e sem reconhecimento.
    Se é um mercado desleal para as pequenas e inovadoras empresas? Sim é e será assim. Ter uma ideia nova hoje em dia so compensa se for a pensar ser ”comprada” por uma gigante, porque de resto o sucesso de uma startup ou afins dependerá muito de alguma gigante querer fazer igual ou nao.

    • José Fonseca Amadeu says:

      Se tiver IP isso não acontece, qualquer empresa com base tecnologica que não tenha qualquer IP é só bem feito tudo o que lhes aconteça, sem IP mais valia não terem iniciado actividade.
      Se espertos tinham optado por ser incluídos na rede findmy e como já eram os primeiros e relativamente conhecidos até iam conseguir mais vendas, embora com pagamentos de fees, mas preferem 50% de tudo ou 100% de nada?

    • Samuel MG says:

      Estás tão mal informado!! Existiu uma startup portuguesa que agora é uma empresa que fatura milhões e não foi comprada por essas grandes empresas!!

  9. dfs says:

    Tendo em conta que a apple abriu a rede encontrar a terceiros, a Til só terá alguma hipótese na reclamação se o valor cobrado pela Apple para a adesão de terceiros for desproporcional.

    • José Fonseca Amadeu says:

      Para a Tile era desproporcional, até então pagavam 0% e tinham 100% do lucro, agora ficam com 100% de nada.
      A apple conseguiu logo fabricantes para se juntarem e certamente virá a ter muitos mais.

      • Vítor M. says:

        Muitos mais mesmo. Até porque o AirTag é “carote” e vais ter outras opções, como a Chipolo, por exemplo, mais em conta. Além disso, existirão outras “invenções”. Imagina as mochilas já com isso pronto a ser ativado pelo proprietário, com uma célula fotovoltaica a carregar uma pequena bateria. Por exemplo, criar uma pulseira para idosos que precisem de vigilância, e adicionar à Rede Encontrar no separador Pessoas. Criar coleiras para animais que tenham esta tecnologia embutida e dê para carregar com o movimento do próprio animal, como um dínamo de relógio. tanta coisa que se pode criar tirando proveito destas tecnologias e redes de utilizadores.

        • José Fonseca Amadeu says:

          Estou ansioso por ver isto numa bicicleta, mas não deixo de sentir vontade de um modelo PRO com um beacon GPS adormecido, apenas activado caso activasses o lost mode.
          Com GPS via-me a por isso em tudo o que andasse fora de casa.
          Assim vou comparar mas mais para mochilas, chaves, malas de viagem, etc.

  10. ToFerreira says:

    Fará sentido usar airtags para tracking de segurança de pessoas e carros?

    • jlxpmme says:

      Não. Se um AirTag te estiver a seguir, e estiver afastado do dono és notificado que podes ter um AirTag a seguir-te. Passado alguns minutos até começa a fazer som para que conseguires encontrar(suponho que seja para pessoal de Android que não irá receber a notificação).

    • Vítor M. says:

      A Apple pensou em tudo. Se tiveres um iPhone 11 ou 12 irás dar conta que tens um AirTag a seguir-te. Essa opção irá avisar a pessoa que, por outro lado, irá encontrar essa etiqueta localizadora e, se for o caso de algo perdido por alguém, irá ter a oportunidade de a avisar.

      Há um sem números de cenários interessantes e outros que poderão alargar esta tecnologia até a situações que nem estamos ainda a ver. A rede Encontrar é enorme e isso será uma mais-valia para esta novo gadget da Apple.

      • ToFerreira says:

        A ideia era precisamente usar as potencialidades da rede para garantir a segurança de crianças e carros, mas então assim não dá, é pena.

        • Vítor M. says:

          Dar dá. A criança que transportar o AirTag estará sempre georeferenciada. Essa poderá não receber a notificação que tem uma etiqueta localizadora. Assim como colocar no carro, estará sempre localizável, apesar de seguir um sítio e alguém saber que “algures perto” está uma AirTag, mas não sabe exatamente onde (dentro do carro). Aliás, pode ser até uma forma de dissuadir eventuais ladrões. Pois se usarem um iPhone 11 ou 12 irão receber a indicação que dentro do carro estará uma AirTag e que estarão a ser seguidos. Se estiver bem escondida, nunca saberão onde está 😉

          • Castro says:

            Nada estará sempre localizável, não há como assegurar tal tarefa permanentemente com o Airtag. Por exemplo, um carro roubado rapidamente muda de localização e pode deixar de se cruzar com a rede da Apple. O próprio AirTag acabará por emitir um sinal sonoro após 3 dias longe do “dono”, levando à sua localização por um desconhecido. De modo que a ideia não é propriamente dissuadir roubos de objectos, mas antes ajudar a encontrar o que está perdido.

          • ToFerreira says:

            Parece-me que então tem potencial para isso, o que poderá ser útil.

        • Castro says:

          o Airtag não está propriamente feito para fazer tracking, ele está feito para facilitar encontrar itens pessoais que estejam por perto. Até se pode dizer que, dadas algumas das medidas implementadas, não tem como objectivo principal encontrar objectos roubados.
          O uso da rede FindMy funciona mais como uma ajuda extra para a pessoa perceber mais ou menos onde se encontra o item, não é para localizar em tempo real.

          • ToFerreira says:

            Independentemente daquilo para que esta feito, os utilizadores podem adaptar para aquilo que lhes faz falta. O facto de não ser desenhado para isso, pode ser uma vantagem na medida em que os amigos do alheio não estão precavidos, como acontece por exemplo com os trackers GPS, que já são praticamente inúteis.

          • Castro says:

            podem adaptar para o que quiserem, mas a implementação do Airtag está feita de modo a que não sirva para seguir outras pessoas sem o seu conhecimento, feita para tornar a sua presença conhecida a outras pessoas. Isso reduz a sua capacidade para seguir objectos roubados

      • ToFerreira says:

        Já agora, dá as coordenadas de localização?

  11. rodrigo says:

    RIP Tile.

    • Vítor M. says:

      Pode não ser, depende do que a Tile quiser fazer. Porque de facto no segmento Android não tem a mesma expressão que tem no iOS. Pena que existam estes “braços de ferro” que depois levam as empresas que faturam milhões a ter um comportamento de ataque à Apple e elas sabem que estão dentro da plataforma da Apple e que é a Apple que gere aquilo tudo.

      Comprei um kit da Chipolo para testar e pelos preços, vai haver muita e boa concorrência aos AirTags.

  12. Filipe Vinha says:

    colocar as AirTags nos carros vai ser moda agora, num sitio bem escondido…
    Mesmo que os ladroes usem android, se passar alguem em frente ao sitio do desmantelamento, ou mesmo o “cliente” final e aquilo emitir um alarme ao dono, sem avisar o ladrao que aquela airtag esta a ser vigiada, era TOP.
    e o dono ter a opção “EXPLODIR” e pronto… ia tudo com os porcos…

  13. Fábio Almeida says:

    Nem sou de comentar aqui nada! Mas deu para rir isto tudo… Pergunto quantos de vocês compraram “LAPA” ? Produto português que funcionava super bem surgiu bem antes da TILE e da Apple se lembrar de lançar estes AirTags. Também morreu na praia porque simplesmente não havia consumo interno suficiente para progressivamente ir para o exterior.
    O AirTag é algo que estava anunciado a sair faz anos, era certinho que isto iria acontecer. O que fez a TILE? Cruzou os braços e deixou o barco arder. Até ver, (Sou utilizador Apple em 3 tipos de equipamentos diferentes) vou manter a Lapa, é português e ainda funciona, há rumores que a empresa fechou, eu só espero que não.

  14. Ricardo says:

    Na terça-feira já cá tenho o meu.

  15. Ricardo says:

    Na terça-feira já cá tenho o meu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.