Quantcast
PplWare Mobile

Primeiro monitor de glicose do mundo sem necessidade de agulha

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Joao Frango says:

    pro ano tudo ke é relogio tem isto. bem bom.

  2. Julio says:

    numa questão de tempo a apple compra essa empresa e coloca essa tecnologia no apple watch

    • IDroid says:

      Era exactamente nisso que eu estava a pensar.

    • Miguel A. says:

      Se servir para colocar isto no mercado aos preços dos apple watch atuais, é bem vindo.
      Vai ajudar muita gente.

      • Theboice says:

        Define por favor muita gente… é que para mim era/é muito bem-vindo mas não ao preço de um Aplle Watch, e quem diz eu diz mulões de pessoas…

        • José Fonseca Amadeu says:

          Não te preocupes, o pessoal diabetico é o mais beneficiado, além de estarem isentos de taxas moderadoras e os medicamentos serem gratis ainda têm gratuitos os medidores de glicose, ao ponto de quando se acabam as pilhas dos medidores de glicose em vez comprarem pilhas vão à farmacia buscar um novo porque o estado paga, estou certo que quando isto sair num apple watch o estado vai oferecer um a cada diabetico e como fica sem bateria a cada 24h deve trocar por um novo a cada dia..
          Há muita gente abusadora neste país, depois queixam-se que não dá para tudo.

          • Vitor says:

            Então torne-se diabético e usufrua dos mesmos benificios

          • Patrícia Santos says:

            Pq não experimentar ser diabético e vê se realmente o estado da tudo ??!?!?!?

          • Rui says:

            José Fonseca Amadeu. Podemos trocar já…na boa. Experimenta ser diabético tipo 1 por uns dias e depois falamos.
            E para (obter) só mais um pouco de informação, não é tudo grátis. Apenas a insulina e as agulhas são gratuitas. Tudo o resto se paga, claro que tem comparticipação, mas Qse tenho de descontar do meu ordenado para a seg social não vejo o mal de parte desse desconto não poder ser usado para as comparticipações em medicamentos e tecnologias de controlo.
            Gostava de saber se quando vai ao médico também refila por pagar apenas as taxas moderadoras, sabe quanto custa no total ao estado ( que somos nós) uma urgência de um paciente quando o mesmo tem de fazer exames, análises e etc?

          • José Fonseca Amadeu says:

            Rui, não usufruo do SNS, não concordo com a existência do mesmo.
            Também não tenho nenhum problema com as comparticipações, o problema é não existir um controlo eficaz, existem até diabeticos a correrem farmacias a levantar monitores de glicose para os ir vender nas aldeias aos velhotes. Há doenças ou patologias que têm direito a tudo sem controlo e outras que não têm direito a nada, esse sim é o problema.

          • Pedro V says:

            Os comentários da Patrícia e do Vítor, sem atentarem à questão do desperdício que apontou por falta de pilha, são bem reveladores das mentalidades em Portugal.

  3. TabonitoTa says:

    Gostava era de ter visto ele a fazer a medição mas depois a usar o libre para comparar …. ou então a lixada no dedo para ver a diferença entre um e outro. Mas é um avanço, e tudo o que é avanço nesta doença é sempre bem vindo.

  4. B@rão Vermelho says:

    Para quem sofre desta doença deve estar muito contente, e na minha opinião um avanço deste não devia ser um exclusivo de ninguém, e ser vendido a todas a empresas para aplicar nos seus dispositivos para ajudar milhões de pessoas.
    Mas o certo é ñ vivemos de boas vontades, vamos ver o que vão fazer com uma fantástica evolução.

    • Miguel Ferreira Pinto says:

      É… uns gajos gastam dinheiro a investigar, mas depois não podem rentabilizar a sua descoberta e avanço científico…

      Isso era certamente um estímulo bom ao desenvolvimento científico para o futuro… Que boa mensagem passaria…

  5. B@rão Vermelho says:

    Para quem sofre desta doença deve estar muito contente, e na minha opinião um avanço deste não devia ser um exclusivo de ninguém, e ser vendido a todas a empresas para aplicar nos seus dispositivos para ajudar milhões de pessoas.
    Mas o certo é ñ vivemos de boas vontades, vamos ver o que vão fazer com uma fantástica evolução.

  6. Toninha says:

    Temos que ver comparações entre picada e relógio para ver se os valores são os mesmos. Se forem, que venha.

  7. Há cada gajo says:

    Para medir a glicose não são necessárias agulhas como parece transparecer. A picada é feita com uma minúscula lanceta.

  8. asdrubal says:

    Ja houve varias tentativas falhadas de dispositivos nao invasivos de medicao da glicose. O mais dificil eh obter o mesmo nivel de precisao em diferentes tons de pele. Estou curiose para ver o resultado deste

  9. PTO says:

    Desde quando é que 3 milhões são 40% da população portuguesa (que é de 10,28 milhões, segundo dados oficiais do Eurostat de 2019)?

    Ao menos apresentem contas que batam certo nos vossos artigos.

    • Vítor M. says:

      Queres ver que sabes mais que as autoridades?

      São três milhões de pessoas com diabetes ou pré-diabetes, o que representa 40% da população portuguesa, diz presidente de Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal. Números são “absolutamente esmagadores”, analisa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.