Quantcast
PplWare Mobile

Leak à caixa do Xiaomi Mi 11 sugere que também não traz carregador

                                    
                                

Autor: Marisa Pinto


  1. HUGO SANTOS says:

    E agora haters?

    • anibal says:

      (Não sendo um hater) respondo : Agora a ser verdade , mais uma empresa a entrar para o clube … agora cabe a cada um pensar que clube é esse… no meu caso o meu pensamento não é abonatório…

    • Barta says:

      Agora? é simples, a confirmar-se a XIAOMI faz a mesma porcaria que a APPLE. A questão não é quem faz o que mas sim o consumidor que sai penalizado.
      O pessoal tem que deixar de ser retardado.

    • Miguel says:

      Se for verdade, agora é só mais dinheiro para as empresas.
      Não te preocupes ao contrário dos Apple fan boys os utilizadores da Xiaomi vão achar isto uma cagada e não vão tapar os olhinhos e vão criticar fortemente a empresa.

  2. spirit says:

    telemoveis de 500 euros ou mais e sem carregadores ?
    mais lucros para as empresas?
    e os preços aumentam cada vez mais!!!!
    comprem telemoveis mais baratos com carregadores que estas marcas quando sentirem nos bolsos que o pessoal esta a mudar a tendencia de comprar telemoveis caros colocam novamente os carregadores.
    ou mandem vir de FRANÇA que la todas as marcas sao obrigadas a venderem telemoveis com carregadores por lei françesa

  3. Luis Henrique Silva says:

    è da maneira que vou para marcas que não vão nessas coisas.
    Agora me pergunto, na União Europeia não há nada que proteja estas coisas, um carregador é uma peça essencial??

    • Nuno T. says:

      Uma das ideias da União Europeia é proibir a inclusão do carregador com o telemóvel, por isso iria no sentido contrário do que pedes.

      • Barta says:

        A ideia era mais do que retirar o carregador. Passa também pelo conector e especificações comuns para todos os equipamentos e isso não acontece. Esse projeto não passa.

        • Nuno T. says:

          A resolução já foi aprovada, é uma questão de tempo para a Comissão Europeia regulamentar como vai ser feito.

          • Barta says:

            Estás muito enganado.
            Parlamento Europeu instou a Comissão Europeia a tomar medidas, para a adoção de um carregador comum para telemóveis e outros aparelhos portáteis, como tablets, para reduzir o lixo eletrónico e promover escolhas sustentáveis por parte dos consumidores.
            Em nenhum ponto da resolução é falado a retirada do carregador, mas sim todos terem um carregador e sistema de carga igual, conectores iguais.

          • Barta says:

            oi aprovada pelos deputados europeus uma resolução que pede a Bruxelas que “medidas tendo em vista a introdução, sem demora, de um carregador comum” para os telefones, mas também para tablets e outros dispositivos móveis. A proposta estava a ser discutida no Parlamento Europeu e acabou por ser aprovada por uma larga maioria, com 582 votos a favor e apenas 40 eurodeputados contra a iniciativa, enquanto 37 se abstiveram.

          • Nuno T. says:

            Não estou enganado, a maioria das pessoas é que parece que não presta atenção. Podes ver aqui a resolução aprovada no início do ano

            “Urges the Commission to ensure that consumers are NO LONGER OBLIGED TO BUY NEW CHARGERS WITH EACH NEW DEVICE, THEREBY REDUCING THE VOLUME OF CHARGERS PRODUCED PER YEAR; considers that decoupling strategies would allow for greater environmental benefits; stresses meanwhile that any measure aiming at decoupling should avoid potentially higher prices for consumers; underlines, furthermore, that decoupling strategies should be introduced with a common charger solution, as otherwise the aims of the directive would not be achieved;”
            https://www.europarl.europa.eu/doceo/document/TA-9-2020-0024_EN.html

            a parte de “conectores iguais” é que não aparece em lado nenhum, embora não seja impossível que possa vir a fazer parte dalguma medida.

          • Barta says:

            O problema deve ser o inglês,
            European Parliament resolution of 30 January 2020 on a common charger for mobile radio equipment ( Carregador comum, implica conectores iguais ).
            3. Emphasises the need for a standard for a common charger for mobile radio equipment to be adopted as a matter of urgency in order to avoid further internal market fragmentation;
            4. Calls, therefore, on the Commission to take action to introduce the common charger without any further delay by adopting the delegated act supplementing Directive 2014/53/EU on radio equipment defining a standard for a common charger for mobile phones and other small and medium-sized radio equipment by July 2020, or, if necessary, by adopting a legislative measure by July 2020 at the latest;
            5. Points out that the Commission, without hampering innovation, should ensure that the legislative framework for a common charger will be scrutinised regularly in order to take into account technical progress; reiterates the importance of research and innovation in this domain to improve existing technologies and come up with new ones;
            9. Urges the Commission to ensure that consumers are no longer obliged to buy new chargers with each new device, thereby reducing the volume of chargers produced per year; considers that decoupling strategies would allow for greater environmental benefits; stresses meanwhile that any measure aiming at decoupling should avoid potentially higher prices for consumers; underlines, furthermore, that decoupling strategies should be introduced with a common charger solution, as otherwise the aims of the directive would not be achieved; ( esta foi a alinea que apontas-te e lê-se that decoupling strategies should be introduced with a common charger solution TER UM CARREGADO COMUM

          • Barta says:

            Mais importante é leres bem sobre o que falas, isto é uma resolução para que o parlamento vote, não está implícita a sua obrigatoriedade.
            A resolução anti-download e limitação dos direito autorais que gerou toda a polémica passada, também foi aprovada como resolução mas não passou no parlamento.
            Lê as restantes alineas e não apenas pequenos fragmentos.
            A proposta é clara, um sistema/carregador único/igual para todos os equipamentos, isto implica muita coisa ( conectores iguais, potências iguais, tempos de carga iguais )

          • Barta says:

            Basta leres o título da proposta: European Parliament resolution of 30 January 2020 on a common charger for mobile radio equipment.

            Agora passa isso no google tradutor já que o teu problema está em compreender inglês

          • Nuno T. says:

            Barta,
            qual é o problema do inglês? É mentira que a resolução aprovada pede que o carregador deixe de vir?
            Carregador Universal não implica o mesmo conector no lado do telemóvel. O carregador pode ser universal e permitir a troca de cabo. Não está explícito nesta resolução.
            Um Carregador universal também não implica tempo de carga igual para todos os aparelhos. A norma eléctrica associada ao USB-c estabelece diferentes voltagens possíveis e correntes associadas, sendo que muitos dos carregadores USB-c suportam carregamentos a diferentes voltagens e correntes. Isto é, os aparelhos podem ser carregados de “maneira” diferente mas têm que seguir os perfis autorizados do standard.

          • Barta says:

            Nem vou continuar, pega na resolução, e é apenas isso, não foi aprovada e poderá nem ser, passa no tradutor e lê com atenção todos os pontos e não apenas 1.
            Mas essa resolução não vale nada até que o parlamento aceite abordar o tema e deliberar sobre o mesmo. Além do mais, países como a frança já assumiram que são contra e implementaram um decreto lei no seu país que obriga a ter o carregador. Apple em frança tem carregador ou então não pode comercializar.

          • Nuno T. says:

            Barta, já é a segunda vez que dizes para eu usar um tradutor… MENOS, se faz favor… Continuas incapaz de demonstrar onde é que me enganei sobre terem a ideia de proibir a inclusão do carregador, e onde é que o conector é mencionado na resolução. Se coloquei o link é porque li tudo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

            A resolução foi aprovada no parlamento. Não entendo como é que achas o contrário, ainda para mais depois de teres tido a lata de mandar pessoas usarem um tradutor. Se o cabeçalho não era elucidativo (ADOPTED/APROVADO) podias navegar pelo processo para veres a votação. A Comissão Europeia é que tem que trabalhar na regulamentação para a coisa andar para a frente.

            Na França a Apple não inclui o carregador, estás a confundir com uma questão levantada no Brasil… Caso a medida seja legislada a nível Europeu todos os países da União seriam obrigados a transpor a legislação.

          • Barta says:

            Resolução do Parlamento Europeu, de 30 de janeiro de 2020, sobre um carregador comum para equipamentos de rádio móveis (2019/2983(RSP))
            O Parlamento Europeu,

            – Tendo em conta a Diretiva 2014/53/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de abril de 2014, relativa à harmonização da legislação dos Estados-Membros respeitante à disponibilização de equipamentos de rádio no mercado e que revoga a Diretiva 1999/5/CE(1),

            – Tendo em conta o Memorando de Entendimento relativo à harmonização da capacidade de carregamento para telemóveis, de 5 de junho de 2009,

            – Tendo em conta o Memorando de Entendimento sobre a futura solução de carregador comum para telemóveis, de 20 de março de 2018,

            – Tendo em conta o relatório da Comissão, de 11 de novembro de 2018, sobre a aplicação da Diretiva 2014/53/UE relativa aos Equipamentos de Rádio (COM(2018)0740),

            – Tendo em conta o artigo 132.º, n.ºs 2 e 4, do seu Regimento,

            A. Considerando que o mercado único foi, e continua a ser, a base do sucesso económico da Europa, a pedra angular da integração europeia e um motor de crescimento e emprego;

            B. Considerando que o mercado único não está a explorar o seu pleno potencial e que a contínua fragmentação do mercado para carregadores de telemóveis e de outros dispositivos eletrónicos de pequena e média dimensão se traduz num aumento dos resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos e numa frustração por parte dos consumidores;

            C. Considerando que os consumidores continuam a ter de adquirir diferentes carregadores quando compram novos aparelhos de diferentes fornecedores e que são obrigados a comprar novos carregadores quando compram um novo telemóvel do mesmo fornecedor;

            D. Considerando que há mais de 10 anos que os deputados do Parlamento Europeu têm vindo a solicitar a introdução de um carregador comum para equipamentos de rádio móveis, incluindo telemóveis, tablets, leitores de livros digitais, câmaras inteligentes, aparelhos eletrónicos portáveis e outros equipamentos eletrónicos de pequena ou média dimensão; que a Comissão adiou reiteradamente o ato delegado que complementa a Diretiva 2014/53/UE relativa aos equipamentos de rádio;

            E. Considerando que a execução atempada de legislação da UE adotada através de medidas legislativas concretas é fundamental para a credibilidade da União Europeia aos olhos dos seus cidadãos e na cena internacional;

            F. Considerando que os acordos voluntários entre intervenientes do setor, embora tenham reduzido de forma significa o número de tipos de carregadores disponíveis no mercado, têm-se revelado infrutíferos em termos de obtenção de uma solução de carregamento normalizada, e que os consumidores continuam a dispor de diferentes tipos de carregadores em todo o mercado;

            G. Considerando que todos os anos são geradas, a nível mundial, cerca de 50 milhões de toneladas de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos, o que corresponde a uma média superior a 6 kg por pessoa; que, em 2016, a totalidade de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos gerados na Europa atingiu 12,3 milhões de toneladas, o que corresponde a uma média de 16,6 kg por habitante(2); que tal representa uma pegada ambiental desnecessária que pode ser reduzida;

            H. Considerando que, no âmbito do Pacto Ecológico Europeu, o Parlamento apelou a um novo e ambicioso plano de ação para a economia circular tendo em vista a redução da pegada total da produção e do consumo da UE em termos de ambiente e de recursos, em que sejam fixados como principais prioridades a eficiência dos recursos, a poluição zero e a prevenção de resíduos;

            I. Considerando que as tendências de consumo nos últimos 10 anos mostram que as pessoas possuem vários aparelhos e que os ciclos de vida de alguns equipamentos de rádio, como os telemóveis inteligentes, são cada vez mais curtos; que equipamento mais antigo é, amiúde, substituído por ser considerado obsoleto; que, por outro lado, estas tendências levam a uma maior produção de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos, nomeadamente carregadores;

            J. Considerando que os consumidores possuem, utilizam e trazem frequentemente consigo vários carregadores diferentes para dispositivos semelhantes alimentados por baterias; que a atual oferta excessiva de carregadores provoca, por conseguinte, custos e inconvenientes para os consumidores e uma pegada ambiental desnecessária;

            K. Considerando que as pessoas agora contam com os seus dispositivos móveis em muitas situações do dia a dia, nomeadamente em caso de emergência ou quando se encontram em viagem, o que também se deve à falta de telefones públicos; que as pessoas contam com telemóveis facilmente recarregáveis para acederem rapidamente a serviços essenciais e a ferramentas vitais, tais como meios de pagamento, motores de pesquisa e dispositivos de navegação, entre outros; que os dispositivos móveis constituem um instrumento fundamental para a plena participação na sociedade;

            1. Destaca, com veemência, a necessidade premente de a UE tomar medidas regulamentares para reduzir a quantidade de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos, capacitar os consumidores a fazerem escolhas sustentáveis e permitir-lhes uma plena participação num mercado interno eficiente e em bom funcionamento;

            2. Insta a Comissão a apresentar e a publicar, sem mais delongas, os resultados da avaliação de impacto da introdução de um carregador comum para telemóveis e de outros dispositivos compatíveis, com o objetivo de propor disposições obrigatórias;

            3. Realça a necessidade de adotar, com carácter de urgência, uma norma relativa a um carregador comum para equipamentos de rádio móveis, a fim de evitar uma maior fragmentação do mercado interno;

            4. Insta, por conseguinte, a Comissão a tomar medidas tendo em vista a introdução, sem demora, de um carregador comum, adotando o ato delegado que complementa a Diretiva 2014/53/UE relativa aos equipamentos de rádio que define uma norma para um carregador comum para telemóveis e outros equipamentos de rádio de pequena e média dimensão, ou, se necessário, adotando uma medida legislativa até, o mais tardar, julho de 2020;

            5. Salienta que a Comissão, sem obstaculizar a inovação, deve garantir que o quadro legislativo para um carregador comum seja objeto de um exame regular, de molde a ter em conta o progresso técnico; reitera a importância da investigação e da inovação neste domínio para melhorar as tecnologias existentes e para desenvolver novas tecnologias;

            6. Assinala que a utilização da tecnologia de carregamento sem fios oferece eventuais vantagens adicionais como, por exemplo, a redução dos resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos; realça que muitos telemóveis já dispõem de métodos de carregamento sem fios e que se deve evitar a fragmentação neste domínio; insta, portanto, a Comissão a tomar medidas no sentido de assegurar da melhor forma a interoperabilidade dos diferentes carregadores sem fios com diferentes dispositivos de rádio móveis;

            7. Recorda que, em conformidade com o Regulamento relativo à normalização(3), as organizações europeias responsáveis pela normalização devem facilitar a participação das partes interessadas pertinentes, que incluem, neste contexto, as organizações de PME, as organizações ambientais, as pessoas com deficiência, os idosos e os consumidores;

            8. Considera que a Comissão deve ponderar a adoção de iniciativas legislativas para aumentar a quantidade de cabos e carregadores recolhidos e reciclados nos Estados‑Membros;

            9. Urge a Comissão a assegurar que os consumidores deixem de ser obrigados a comprar um novo carregador com cada novo dispositivo, reduzindo, assim, o volume de carregadores fabricados por ano; considera que as estratégias de dissociação permitiriam maiores benefícios ambientais; salienta, entretanto, que qualquer medida que vise a dissociação deve evitar preços potencialmente mais elevados para os consumidores; sublinha, por outro lado, que, a par das estratégias de dissociação, se deve introduzir uma solução para um carregador comum, já que, de outro modo, os objetivos da diretiva não serão alcançados;

            10. Encarrega o seu Presidente de transmitir a presente resolução ao Conselho e à Comissão, bem como aos governos e parlamentos dos Estados-Membros.

          • Barta says:

            Lê o ponto 1, 2, 3 ,4 e já agora os outros, se souberes interpretar

          • Nuno T. says:

            continuas a debitar copy/paste sem mostrar onde é que fala no conector! Um carregador comum pode carregar aparelhos com conectores diferentes, não implica o mesmo conector no aparelho. Se quiserem obrigar o mesmo conector terão que explicitar isso.

          • Barta says:

            Nem vou perder mais tempo contigo, enquanto não tirares a palas não adianta. Estas a agarrar-te ao conectores, agarra-te ao carregador com o mesmo padrão e usável em todos os equipamentos. um carregador é composto pelo carregador + cabo.
            Já é uma questão antiga que a apple sempre recusou.
            Não te volto a responder, ser burro ok, mas tapado.

          • Nuno T. says:

            Barta, tu próprio invalidas o que dizes:
            “carregador é composto pelo carregador + cabo” não pode ser uma afirmação verdadeira (A /= A + B)… tu próprio acabas a separar carregador e cabo dentro da tua própria afirmação. Tanto assim não é que já noutras resoluções no parlamento europeu ao longo da última década, a questão do conector foi sempre explicitamente abordada quando falavam sobre um carregador universal, nalgumas delas “possibilitando” o uso de conectores diferentes.
            O que não falta à venda são carregadores sem cabos das mais variadas marcas.
            Estranhamente a Apple (e a Samsung) é das poucas marcas que segue a norma de Power Delivery do USB, que seria o standard que todos deveriam usar, o que possibilita carregar um iPhone com carregadores de terceiros mesmo em fast-charging.

  4. Jota says:

    Se não tiver carregador, nunca mais compro nenhum Xiaomi!

  5. LA says:

    Agora é ter em casa, tomadas e extensões usb. Assim não se dá dinheiro aos espertos que tiveram a ideia de começar a lançar telemóveis, sem carregador.
    Se o sistema de carga do telemóvel se avariar, não venham depois dizer que a reparação está fora da garantia, por não se usar carregadores da marca.
    Gostava de saber se estes CEO’s espertos, vão baixar o preço dos telemóveis, por estes virem sem carregador.

  6. Roger says:

    Existe um boato que o preço será mais barato que o Mi 10. Deve ser por isso que virá sem carregador.
    Tomará que seja isso!

  7. Miguel says:

    A Xiaomi já fez comunicado é oficial.
    “‘
    Mi 11 cancels the in-box charger in response to the call for technology and environmental protection. Today, everyone has a lot of idle chargers. This is not entirely good and a burden on the environment”.””

    Borrada completa da Xiaomi também foi atrás do lucro, se a desculpa é o meio ambiente em vez de 100 modelos por ano 2 chegavam e talvez as pessoas não trocassem tanto de smartphone. Sendo assim vou aguentar mais 1 ano com o meu Xiaomi mi5.

    • Mico says:

      Claro.
      Mas qual é a pessoa ponderada que troca de telemóvel só para ficar com um equip. com o “último” processador?

      • Barta says:

        Sabes que as especificações de carregamento variam de aparelho para aparelho? Então porquê pagar isso se no fundo terás que usar um carregador que não vai acompanhar os padrões de carregamento nos equipamentos. Vamos parar a evolução nos sistemas de carga só porque querem que usemos o mesmo carregador?

  8. rm says:

    Os CEO’s (ou quem estipula essas novidades fabulosas) devem bater com a cabeça assim que acordam, ou têm essas ideias depois de ir ao WC…….

  9. sujeito says:

    A história do ambiente não é mais do que um pretexto para fazer mais lucro, visto que carregadores e headphones vêm em caixas e com plásticos… agora pensem!

  10. Pedro says:

    Adoro. Gozam a torto e a direito com a Apple e com as suas “manias”.
    Passados três meses – quando a maioria da opinião pública já se esqueceu – vão atrás e fazem literalmente o mesmo. Estou a adorar. Meu santo e amado iPhone. Tens dois anos e continuas como novo 🙂

    • sujeito says:

      A tua amada Apple está tão preocupada com o ambiente que vende em caixas em separado algo que precisas para a correcta utilização do teu equipamento sobrevalorizado.
      O meu Galaxy tem 3 anos e corre hoje tão depressa como no primeiro dia, ou seja, mais rápido que um iPhone.

  11. Pedro V says:

    Comprem telemóveis com o ego ao invés da lógica que as marcas agradecem.

    • Mico says:

      É o ego que faz desenvolver o mercado.
      Mas quem precisa de trocar um equipamento ainda funcional só para ter o último processador? Só o ego. E como é o Ego que cria o mercado e não o Juizo, tens lançamentos sem parar.

  12. Manekas says:

    O pior da Xiaomi não está no carregador mas nos smartphones da marca, que são uma grande bodega.

  13. Zé Duarte says:

    Se estão realmente preocupados com o ambiente então deixem também de incluir os phones ranhosos que lá metem só para encher. E os manuais também; quem é que ainda lê isso…
    Mas por favor deixem os cabos usb! Isso faz sempre falta!

    • Barta says:

      Ainda digo mais, se estão tão preocupados com o ambiente, lancem apenas 1 telefone de 2 em 2 anos.

    • Rodrigo says:

      ainda me lembro do meu primeiro iPod Nano que nao vinha com quase papelada nenhuma e fiquei chocado! Tudo o resto que comprava vinha com resmas de papel e o Nano so com um folheto..isto em 2007!!
      Portanto acredito quando Apple diz que estão a fazer isto em prol do ambiente. Porque ja vem a fazer isso ha 15+ anos

      • Barta says:

        Provavelmente deves ter comprado um nano falsificado, porque eu tb o comprei e vinha muita mais do que dizes, até autocolantes trazia.

        • Rodrigo says:

          Nada disso rapaz! Vinha com os autocolantes e um ou dois papeis a demonstrar o funcionamento básico. Em comparação com o telemóvel Siemens que tinha comprado na mesma altura isso era nada. O Siemens ate vinha com livrinhos em mil línguas…
          E mesmo hoje em dia se comprares um produto apple vem com a papelada minima com as funções básicas..e as outras marcas tem vindo a copiar isto.

          Mas sim os autocolantes são foleiros e são escusados.

  14. ... says:

    Esta não era a marca do povo, a marca que dispensa o lucro em prol do cliente?
    Passarinhos.

  15. Tiago says:

    O que disse aqui da Apple, digo da Xiaomi. Hipocrisia, medida que visa apenas o lucro. Os preços aumentam de ano para ano, e o número de ofertas e acessórios diminuí.

  16. Rogério Pinto says:

    Uma tendencia que pode acabar rapidamente, basta o consumidor não comprar

  17. Marquinho says:

    Mandar vir de França, UE, chega cá em pouquissimos dias, não há problemas com alfândega e ficam agarrados a mesma!
    É uma estupidez completa que só podia vir de uma marca de bolsos abertos e capitalista como a Apple, e o que mostre a falta de carácter e personalidade das outras marcas que vão atrás. A confirmar-se é uma desilusão completa a Xiaomi ir atrás de uma aberração dessas, a Samsung não me espanta minimamente, agora a Xiaomi… E quando gozam com a Apple na altura que foi notícia essa parvoíce ainda mais significado tem!
    E o que me espanta é a UE, e os governos e entidades responsáveis não atuarem e terem a postura e atitude do governo francês que não papa esses grupos e se querem vender lá, é como o país quer e não como as marcas querem e protegem os consumidores franceses da chulice que as marcas querem impor.
    Phones ok é acessório, cabo e carregador é essencial para o funcionamento de um equipamento. E ao preço que os topo de gama são vendidos já deviam vir com película de vidro, capa, carregador, cabo, phones e ainda assim teriam uma margem de lucro abismal e o consumidor agradecia!
    E o que mais me faz pensar nesta história é como é que alguém que seja consumidor possa defender e desculpar, argumentar uma prática destas… É que preciso ser mesmo quadrado e doentinho/a, mas vindo da marca que vem é perfeitamente aceitável.

    • ... says:

      Porque estás a falar da Apple se foi a Motorola que começou com isto?
      Agora a culpa é da Apple, xD muito bom.

    • Marquinho says:

      … A Motorola? Hmm não sei se será verdade e a ser na foi na Europa? Falo na Apple porque pelo menos cá em Portugal foi de certeza a 1a marca a fazê-lo.
      Depois não é a marca que supostamente marca as tendências? Qur todas marcas imitam? Ou é só para o que convém? Já não é a Motorola pois não? Pois… é um bocadinho quando é para comer toda a malta aparece, quando é para pagar apareção os outros… E ja para não falar que mesmo que fosse a Motorola como dizes, quem as marcas seguiram foi a Apple portanto é factual.
      Claro Jorge isso qualquer pessoa inteligente entende, pena que a inteligência não chegue a todas as cabeças infelizmente é olharmos para trás pegando noutro exemplo 1° smartphone acima de 1.000€ mercado generalizado? Iphone X e a partir dai os 1.000€ foram a base quase dos topos de gama, agora retiram os carregadores e já outras marcas vão fazer o mesmo e a inovação e consumidor que se lixem o que interessa apenas e só é o cash seja em que lingua for!
      Migas ou como já disseram tomadas USB e as marcas que retiraram os carregadores que fiquem com eles para oferta em campanha (que vai ser o mais certo se não veremos).

  18. Jorge Martins says:

    Se for verdade, os outros seguirem, confirma-se mais uma vez, as “inovações” da Apple só vão prejudicando o consumidor de uns anos para cá! Pois se uma marca com um grande ganho por tlm faz isso com desculpa esfarrapada do ambiente (pois não tirou os plasticos da ciaxa nem nada disso), as que já espreme ao máximo os preços, tipo Xiaomi, ainda fica mais apertada na concorrência e vai atrás..

  19. Migas says:

    É comprar OnePlus esses ligam demasiado ao charging dos aparelhos logo vao continuar de certeza com os carregadores .

  20. jorge says:

    Eu acho muito bem um telemovel ser vendido sem o carregador, é preciso reduzir lixo na informatica, ja comprei 4 smartphones na minha vida e hoje me encontro com 4 carregadoes, quando se viessem sem carregadores apenas teria comprado apenas 1, a apple fez muito bem pois ela vende carregadores separados, so compra quem quer e pode.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.