Quantcast
PplWare Mobile

Carregador Comum para smartphones na UE? Já há proposta de legislação nesse sentido

                                    
                                

Autor: Maria Inês Coelho


  1. Marcis says:

    Os consumidores pouparem dinheiro? Uma falácia, quem poupa são os vendedores pois o preço do aparelho é o mesmo. Passar tudo a USB-C acho bem, uniforme. Harmonização da tecnologia de carregamento rápido, esta ainda me causa incompreensão da forma como irá funcionar.

  2. ervilhoid says:

    então se algum marca criar um novo cabo não o vai poder usar na UE?

  3. Sapo says:

    Já disse e repito.
    acho improvável que isso se torne realidade. Para ser ass teriam que sobre dimensionar os carregadores ou seriam ideais para uns, excessivos para outros e insuficiente para outros. Talvez o meu nível de estupidez me impeça de ver uma forma disso funcionar, neste caso eu gostaria de uma explicação de como esse plano seria implementado

    • ToFerreira says:

      Excessivos?

      • Sapo says:

        Sim. Potencia excessiva. Você não precisa de um carregador como o de iPhone para carregar um telemóvel simples ou uma bateria menor e com ritmo de carga menor

        • JR says:

          A lei avançar é fazer com que as entradas USB de todos os equipamentos sejam iguais.
          Não é com o carregador em si mas sim o cabo de ligação.
          A potencia excessiva é regulada pelo cabo e equipamento em causa.

          • Sapo says:

            Sim Jr mas o carregador não consegue fornecer potência superior a que ele foi desenhado para fornecer é isso que eu quero dizer. A unica opção seria dimensionar essa capacidade muito acima do necessário para servir a toda uma gama de telemóveis. Isso é possível mas desnecessário pois faria um telemóvel que não necessita dessa “potência toda” ter que levar um carregador destes e que custa mais que o que ele precisa.
            Não sei se me faço entender

          • Paulo Martins says:

            Sapo da mesma forma que tens mercado cabos USB C com capacidade que vão desde 10W até aos 100W, tens carregadores que variam também, os equipamentos irão carregar à velocidade máxima suportada pelo elo mais fraco… Os consumidores quando eventualmente tiverem que comprar um novo cabo/carregador terão que escolher um que seja preferencialmente igual ou superior ao equipamento que têm.

            Aqui espera-se que as marcas cumpram o último ponto da proposta: Melhor informação para os consumidores.

        • Trumpetas says:

          carregador de iphone para carregar um telemóvel simples? lol
          os carregadores de iphone são péssimos!

          • Sapo says:

            Não foi esse o meu ponto. Estou a falar de telemóvel simples não smartphone vs smartphone de última geração com baterias de grande capacidade e carregamento rápido. Você está tentado distorcer o que eu disse pra fazer piada

        • Art says:

          Existem baterias menores que as dos iphones? 🙂

        • Manuel Costa says:

          Os carregadores da Xiaomi são muito superiores aos dos Iphone… a diferença é a capacidade da bateria.
          O outro problema é o cabo. O do Iphone está optimizado para 2000. Os carregadores normais são de 1000.
          Agora, por exemplo, carregar um telemóvel com um carregador de 2000, usando o próprio cabo, o carregador só vai debitar 1000. Se você tiver um cabo de 2000, pode usá-lo e demora 60% do tempo a carregar o telemóvel.
          A legislação vai permitir é que um carregador até possa ser de 5000, sendo que é obrigado a ter capacidade de colocar 1000 ou 2000, conforme a capacidade que o cabo permita.

    • Joao Ptt says:

      Não me parece difícil o aparelho comunicar com o carregador a dizer até quanto é que o mesmo pode enviar, e quando é que pode parar de enviar energia.
      No fundo o carregador pode abrir a torneira mais ou menos conforme o aparelho disser mais ou menos.

      • Manuel Costa says:

        O aparelho não precisa de fazer nada… o carregador é que tem de ter capacitadores que lhe permitam debitar o máximo que o cabo permite.
        Se ligar um cabo 2000 a um carregador 1000, só terá 1000 a passar para o telemóvel. Agora se ligar um cabo 2000 a um carregador 5000, vai ter os 2000.
        O problema é alguns carregadores estarem limitados à capacidade do equipamento com que vão. Se o equipamento e o cabo são de 1000, o carregador será de 1000. No futuro o carregador poderá ser de 5000, porque basta ligar o cabo para só passar 1000, sem queimar o carregador.

        • rjSampaio says:

          Mas qual cabo???

          O aparelho comunica mesmo com o carregador e indica que protocolo usar, é não é so corrente mas voltagem que varia, o cabo é quase irrelevante…

          Se não existir comunicação os carregadores limitam a 5v 1~2A

  4. Sapo says:

    OK. Talvez estejam a falar em portas e fichas de carregamento. Neste caso o título está a gerar polémica desnecessária. É se for este o caso não percebo como isso resolve o problema do excesso de carregadores que eventualmente vão pro lixo

    • Por vezes é importante ler todo o artigo e, eventualmente, em caso de dúvidas, recorrer à fonte que até é disponibilizada no artigo. 😉

    • SergioM says:

      Se as marcas estão a vender telemóveis sem carregadores, quer dizer que podes utilizar o carregador do antigo telemóvel no novo. Não há nenhum que vá para o lixo nem há produção desnecessária de nenhum novo. Pode-se concluir isto pela leitura do artigo:

      “A Comissão propõe ainda desagregar a venda de carregadores da venda de dispositivos eletrónicos. Esta medida melhorará a conveniência dos consumidores e reduzirá a pegada ambiental associada à produção e eliminação de carregadores, apoiando assim as transições ecológica e digital.”

  5. Aquila Cunha Freitas says:

    Se no mínimo as entradas fossem Open Source e livre de licenças. Lá vai o estado criar mais um monopólio desnecessário. USB.org vai adorar tal decisão.

  6. JC says:

    Nada que não já feito no passado quando em 2009 a UE levou ao fim dos carregadores especificos por marca,
    “The European Commission facilitated an agreement among major handset manufacturers to adopt a common charger for data-enabled mobile phones sold in the EU.

    In June 2009, a Memorandum of Understanding (MoU) was signed in which mobile phone manufacturers agreed to harmonise chargers for new models of data-enabled handsets, coming onto the market as of 2011.

    As a result, Europe’s major mobile phone manufacturers agreed to adopt a universal charger for data-enabled mobile phones sold in the EU. The MoU committed the industry to provide charger compatibility on the basis of the micro-USB connector.”

    https://ec.europa.eu/docsroom/documents/2417/attachments/1/translations

    • Aspirante says:

      No passado foi emitido um memorando de entendimento (manifesto de boas intenções).
      Como não se verificou o que pretendia com o memorando, avança uma Directiva (que tem força de lei e obriga).
      Diria que, como não perceberam a sugestão, vão ter que entender e acatar a imposição.

  7. David Guerreiro says:

    “Harmonização da tecnologia de carregamento rápido” -> Acho isto pouco provável porque cada marca usa uma tecnologia diferente, e muitas delas proprietárias. Em teoria todos os que usam SoC Qualcomm, poderiam usar o Quick Charge da Qualcomm, mas e os Mediatek, Exynos, Kirin, etc?

  8. Ace says:

    Já estamos nesse caminho de qualquer forma, praticamente só a apple e os fabricantes de alguns auriculares bluetooth mais baratos é que ainda não usam usb-c em tudo muitos telemóveis mais baratos até já vêm com tipo-c, e a Apple está nesse caminho, praticamente só falta trocar a porta dos iPhones, o iPad base e os auriculares.

  9. nuno a says:

    não tenho nada contra a utilização de uma porta universal, com o usb-c por exemplo, mas acho que o que os políticos ou a maior parte das pessoas não perceberam ainda, é que os carregadores são feitos para as baterias e não as baterias a serem feitas para os carregadores. volts watts amps diferentes podem danificar as baterias ate mesmo como ja aconteceu, causar explosão das mesmas.

    • Samuel MG says:

      Em cheio no alvo!! Num post chamas-te burros aos políticos europeus!! Não estás a dizer nada mais que a verdade 🙂

    • Manuel Costa says:

      Por isso os carregadores terão de permitir suportar várias velocidades, dependendo do cabo disponibilizado. Se for de 1000, qualquer cabo serve. Se for de 2000 é o cabo que vai com o aparelho. Se for acima disso também.

      • Miguel Santos says:

        Desde já peço desculpa se estiver errado, mas o cabo em nada tem a haver com os limites. O cabo está dimensionado para fornecer uma determinada potência em segurança, vamos supor os 1000. Se passar a fornecer 2000, do ponto de vista do condutor, não vai existir problema, no entanto, o cabo vai aquecer e deteriorar o isolamento. Consequência disto, o isolamento derreter e eventualmente vai criar um curto-circuito. O mesmo raciocínio se aplica à ficha a usar.

    • Sergio says:

      O carregamento padrao e sempre 5V/2A, e 2/4 pinos para dados USB2.0, tudo o resto (QC, Warp, qq nome que queiram chamar) e bonus para a sua marca.
      Se o dispositivo nao se entende com o carregador, os 5V/2A estao sempre garantidos para qualquer dispositivo (se os pedir). Qual e o mal?
      USB-C tem 24 Pinos, tirando is reservados/normalizados VCC, GND, D+, D-, ainda sobram muitos pinos para se inovar para a sua marca.

      A Apple ainda usa menos pinos que USB-C, porque raio se queixa de limites a inovacao, tantos pinos livres para se inovar….

      • Sergio says:

        Ah, e caso nao saibam, caso ja tenham carregador USB-C que debita 20V, podem usar um adaptador USB-C ->Jack (a partir de 1 euro), para carregar portateis mais antigos 19V que apenas tenham jack generico + e -.
        Poupam num carregador, e outra vantagem USB-C.
        O adaptador QC tambem faz milagres!

    • rjSampaio says:

      A muito tempo que que os aparelhos comunicam com o carregador, mediante essa comunicação o carregador limita ao que o aparelho aguentar.

      Isto é seria novidade a uns 5anos atrás no minimo…

      Exemplo usar o carregador de um portátil USB C de 150W não danifica em nada um telemóvel que não suporte mais de 5W

  10. PeterSnows says:

    Fixe.
    Tenho carregadores (USB-C) para os próximos anos , até para o laptop dá.
    Gosto deste caminho.
    .
    Só faltam discussão/leis para a economia circular.

  11. lapizazul says:

    Só estão 5 anos atrasados, e até ao fim das conversações, já passaram 8 ou 9 anos. Portanto lá para 2030 teremos finalmente carregadores iguais para todos os modelos… Excepto a Apple que ainda devem ficar pela aquela aberração que usam.

  12. LG says:

    A coisa mais certa (e marquem as minhas palavras!):

    Se isto se tornar realidade e a Apple for forçada a implementar USB-C nos iDevices; a primeira coisa que fará é lançar um software que deteta se o carregador ligado é da Apple que senão não se carrega com uma desculpa do género:
    “É para proteger o utilizador de possíveis danos e consequentemente perigo à saúde”

    • Damastor says:

      Se isso acontecer a Apple vá tirar as portas do iPhone passa diretamente tudo para o wirless . Aliás já se anda a falar à algum tempo que isso vai acontecer. Que o Megasafe faz parte dessa estratégia da Apple.

  13. pedro says:

    compro um telemovel com 66w de carregamento rapido, vou usar um carregador que tenho lá em casa de 18W ou mesmo sem carregamento rapido de 10w ???? serio ??? quanto ao usb type C tudo bem …… (e já ha telemóveis com 100w de carregamento rapido)

  14. Reis says:

    Mas que raio?!? O título refere carregadores mas depois fala dos cabos (?!) – esta semana vou fazer uma pequena viagem e vou registar em vídeo e fotos – para tal vou levar 2 telemóveis Apple (um a servir de gps), um tablet Samsung com teclado Bluetooth para tomar notas, duas câmaras GoPro já antigas, uma máquina fotográfica Samsung para filmar e tirar fotos e um power bank . Para isso vou ter de levar dois cabos Lightning para os Apple, dois cabos mini usb para as GoPro, um cabo usb-c para o tablet , dois cabos micro-usb para a câmara fotográfica e para o powerbank. Quanto a carregadores , vou levar dois da marca IKEA cada um com 3 portas. Tenho muitos cabos em casa, tenho muitos carregadores mas aparte da chatice de ter muitas fichas diferentes, sinceramente e tirando os velhos usb- mini para os quais já quase não tenho aparelhos, não considero que tenha “lixo” pois os cabos bons (que vêm com telemóveis e tablets) são todos usados e até acabei por comprar cabos no IKEA porque os cabos originais acabam por não resistir assim tanto tempo em muitos casos. Portanto para mim os carregadores (?!) não são problema porque acabam por se usar – há sempre um que se perde, um que avaria, etc. Os CABOS, tirando a chatice dos vários formatos, também não são problema pois usam-se e acabam por sim, ir para o LIXO mas porque deixam de funcionar . Ou seja, esta situação do tal lixo electrónico para mim não faz sentido , apenas a da normalização como forma de “conforto” para os consumidores

  15. Ricardo says:

    O carregamento universal já existe, wireless! Além disso, forçar o uso de uma só tecnologia é sinónimo de estagnar a inovação. Então quem ditará quando se pode passar de USB-c para o seu sucessor? E quando isso acontecer, vai haver equipamentos com USB-C e outros com algo diferente. Simplesmente não tem lógica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.