Quantcast
PplWare Mobile

Vacina COVID barata, eficaz e sem patente pode ser uma ameaça às gigantes farmacêuticas

                                    
                                

Autor: Vítor M.


  1. Vitor Tavares says:

    Esta não é a minha “área” de trabalho e não tenho dúvidas que uma vacina sem a obrigatoriedade do pagamento de patentes seria ideal para os Países mais pobres…mas também compreendo que as farmacêuticas gastam milhares de milhões no desenvolvimento de um qualquer medicamento (vacinas incluídas) e como não são organismos filantrópicos têm de dar dividendos aos acionistas.
    Outra coisa e longe de mim pensar sequer em “defender” de alguma forma as grandes farmacêuticas…a vacina a que o artigo se refere foi aprovada em Dezembro na India apenas como “USO EMERGENCIAL”…porque a Biological E anunciou resultados positivos na vacina mas muitos especialistas criticaram a falta de dados públicos dos ensaios de fase III.Resta saber se estes especialistas com dúvidas estão de alguma maneira ligados às grandes farmacêuticas…enfim!

    • mlopes says:

      sabes que as grandes farmacêuticas que produziram as vacinas que estão a ser usadas ainda se recusam hoje a publicar os dados raw sobre os ensaios, certo?
      sabes que há até decisões de tribunais a obrigá-los a publicarem os dados e que não estão a ser acatadas, certo?

  2. Alpha says:

    Barata é a Omicron e as que se seguem:

    A custo 0
    Sintomas ligeiros a assintomáticos
    Não causa miocardites
    Não causa “engasgamentos”
    Imunidade duradoura e mais que os anticorpos
    ….

    • says:

      Foste Certeiro ao Micron 😉

    • Carolina Costa says:

      parece que o omicron causa outras coisas como… não saber oque se diz lol
      porque virem com essas tretas ? é pá mais vale ir beber uma cerveja que dizer coisas sem nexo
      conheço 3 pessoas com omicron que estiverem no UCI, por isso não sei onde se baseiam as suas teorias

      • Joaquim Sobreiro says:

        Com omicron ou por omicron? Com ou sem patologias prévias? Sempre ajudava a esclarecer.

      • Kaká says:

        A unica vacina eficaz é uma alimentação saudavel … sem comida de plastico ou embalada…
        reforçar o sistema imunitario com frutas e legumes biologicos ….

        • Vítor M. says:

          Um sistema imunitário forte é importante, sem dúvida, mas desde que te lembras, as vacinas foram fundamentais. E continuam a ser. O plano nacional de vacinação ajudou milhões a ter uma vida muito mais saudável. Contra factos não há argumentos.

          Claro que este texto é a prova que derruba a teoria dos negacionistas que dizem que a vacina foi feita a correr. Na verdade, a vacina está em evolução desde 2003. Cerca de 18 anos de conhecimento possibilitaram uma vacina segura. Está continua a evoluir e em breve haverá uma nova versão que será preventiva, em vez reactiva.

          • Ricardo says:

            La vem a história dos negacionistas, não tem mais o que dizer? As vacinas foram bem testadas? Tao bem testadas que só depois de uns meses é que perceberam que a eficácia cai após o 3 mês. E a criança com paralisia facial após a primeira dose aqui em Portugal? É isso, é tudo seguro e eficaz. Eficaz até pode ser mas para os grupos de risco, o problema é quererem picar tudo que mexe fora do risco e benefício.

          • Vítor M. says:

            Caro Ricardo, vou responder porque merece uma resposta, foi educado.

            De facto há muitos negacionistas, pessoas sem formação que desvalorizam as informações de pessoas especialistas no assunto e que intervêm ativamente para ultrapassar esta pandemia. Criam cenários falsos, conspiratórios e usam o insulto, a chantagem para tentar calar outras vozes discordantes das suas teorias e malabarismos.

            Depois há, e bem, pessoas que questionam, que têm dúvidas, falam de si, para si, sem instrumentalizar o assunto e condicionar as outras pessoas.

            No caso da vacinação, cada um é responsável por si e por aquilo que as suas ações influenciam. Portanto, pode não querer tomar, está no seu direito, mas com isso não pode condicionar a vida de quem o rodeia.

            Sobre a eficácia. A eficácia cai ao fim de 5 ou 6 meses, apesar de continuarmos a ter defesas e do nosso sistema imunitário continuar a conhecer o vírus. Não ficamos novamente na casa da partida. Há imensos artigos de especialistas sobre este assunto.

            Em relação à vacina, como mostrei neste artigo, ela começou a ser estudada e desenvolvida desde 2003. Estamos a falar numa vacina contra o SARS-CoV-2 com cerca de 20 anos de experiência e desenvolvimento científico.

            Apesar disso, sendo uma variante do vírus nova e mais mortal do que o SARS E MERS foi necessário reagir rápido e a medo. De tal forma que a vacina poderia ser muito mais poderosa e dar imunidade para 5 ou 6 anos, ou até 10. Mas não, foi produzida com cautelas e, por isso, não oferecerá mais de 5 ou 6 meses de imunidade substancial.

            Em relação à criança com paralisia facial que hipoteticamente terá sido por causa da primeira dose, é um caso grave de uma reação adversa. Mas, não há nenhuma vacina que até hoje não tenha casos adversos no seu historial. E estes, ao pé de outras vacinas, são residuais, apesar de graves. E por isso é que se tem de continuar a investigar, a apostar no investimento maior na ciência, em vez de investimentos brutais noutras áreas “lúdicas”.

            Casos graves de reações à vacina da gripe? Quantos há por ano? E casos graves de reação à vacina da meningite? E sem estas vacinas como seria? Como era antes? Pois, era mortal.

            Claro que o ideal é nunca tomar medicação, vacinas ou qualquer outro químico. Mas o nosso sistema imunitário precisa de ajuda quando “enfrenta vírus” que não são do seu conhecimento. Por isso a vacinação é responsável pela erradicação de muitas doenças. Não as vou colocar aqui, porque não faltam sítios da especialidade a explicar cada uma delas.

            Por fim, seja razoável. Não misture alhos com bugalhos. As dúvidas são legítimas, e ainda bem que as tem, todos temos, mas não as tente espantar com desinformação.

            Bom domingo.

          • Swappie Guy says:

            Grande resposta Vítor M.!

            Eu ainda acrescentava, a criança teve paralisia cerebral…mas se apanhasse o COVID? Será que se ia safar com vida? Porque só falam dos efeitos da vacina mas nunca falam dos efeitos do covid que são muitos mais e muito piores?

            Reações aos medicamentos existem sempre, é normal…até com aquilo que comemos podemos ter reações indesejáveis e por isso nunca estamos livres e nunca há certezas absolutas de nada…acho que a única coisa que nos dá certezas absolutas é a matemática (1+1=2)…mas nunca se sabe, pode existir um universo muito longe deste universo onde 1+1 pode ser diferente de 2, onde as leis da física podem ser diferentes, etc, não é verdade Vítor M.?

            O que o pessoal precisa é de uma mente mais aberta Vítor M.!

          • Pedro F. says:

            Ricardo, tens noção que já morreram crianças em Portugal com covid, certo?

    • Kaká says:

      Este povo ainda acredita nas mentiras do telejornal…
      eu digo o contrario sei quem estava vaciando com 3 doses e adivinhem ficou pior a nivel de sintomas do quem nao tinha a vacina…
      Abram os olhos a vacina é comercio … eficacia mt reduzida

      • Vítor M. says:

        A eficácia é grande, sem dúvida, aliás, sem ela o país estaria arruinado. Agora que, como sempre, o setor farmacêutico movimenta muitos interesses, isso não é de agora. O importante é haver uma vacina barata, sem patente para os países mais pobres poderem igualmente combater a pandemia.

        • Asdrubal says:

          Há tempos foi falado de as patentes das vacinas actuais da Covid-19 serem retiradas e serem livres para ser produzidas por todas as farmacêuticas do mundo. Creio que a ideia até veio do mais improvável local do mundo, os capitalistas dos EUA, contudo, todos os governantes europeus foram contra a serem retiradas as patentes. Do meu ponto de vista, a sociedade falhou os interesses da humanidade, apenas prevaleceu os interesses económicos de alguns.

          Mesmo que venha a existir uma vacina sem patentes, nunca irá ter legalidade no mundo ocidental.

        • nao precisa says:

          “A eficácia é grande, sem dúvida, aliás, sem ela o país estaria arruinado.”:
          – Pura especulação.

          “Agora que, como sempre, o setor farmacêutico movimenta muitos interesses, isso não é de agora.”:
          – Exato, contra factos não há argumentos.

          “O importante é haver uma vacina barata, sem patente para os países mais pobres poderem igualmente combater a pandemia.”:
          – Portanto suponho que esses países tenha morrido a maioria das pessoas, 2 anos sem acesso a vacinas concerteza morreu a maior parte das pessoas…lá estou eu a especular como tu.

          • Vítor M. says:

            Não é especulação, basta ver cenários noutros países com taxas de vacinação muito menores e os números de mortes diárias. Por exemplo, vê a Polónia, o número de casos diários e os 500 óbitos diários. Mas é só um exemplo. Há muitos outros, infelizmente. Isso, meu caro, não é especulação.

            O resto que dizes não faz sentido, nem a especular. Apenas coisas sem nexo.

        • Joaquim Sobreiro says:

          “…sem dúvida, aliás, sem ela o país estaria arruinado…”.
          Voltaremos a deixar opinião, quando oficialmente terminar a pandemia e os países tiverem que começar a pagar os empréstimos. Possivelmente dirás que foi a pandemia que arruinou o país. Um dia todos seremos negacionistas.

          • Vítor M. says:

            A pandemia agravou consideravelmente a crise económica. Caiu o investimento e aumentaram as custas hospitalares. Além de vários outros setores ainda a pagar esta instabilidade.

            Mas poderíamos estar bem pior, as perdas humanas são irrepreensíveis.

          • Swappie Guy says:

            Vítor M. as farmacêuticas querem dinheiro (normal, para poderem continuar a investigar certas doenças…ou para melhorar o que já foi investigado e também para poderem criar mais centros de investigação para outras doenças)

            Pessoas como o Joaquim Sobreiro não querem dar a ganhar às farmacêuticas (nem a outros setores) porque acha que eles se mantêm a pão e água…mas depois de certeza que o Joaquim sobreiro se tiver de ir ao Hospital é dos primeiros que se queixa que não há meios nem condições e que a espera é longa para atuar no problema dele.

            Não sei como é que para ele se fariam as coisas, como é que existiria evolução, etc…

          • Swappie Guy says:

            Vítor M. se o Joaquim Sobreiro acha que é assim tão fácil criar vacinas 100% seguras e contra todas as doenças, porque é que ele mesmo não o faz? Porque não começa ele a comercializar as vacinas dele?

            Agora outra coisa nada a ver com esta conversa, sabes aquilo que me fascina Vítor M.?
            Que no futuro haja vacinas ou medicação (ou outras coisas que se consigam desenvolver) feitas à medida para cada paciente logo na hora, acho que nisso o futuro vai ser muito bom.
            Era muito bom que isso fosse já possível por exemplo para o cancro, já que perdi recentemente um familiar muito próximo com cancro, o que me custou imenso ver o familiar a piorar de dia para dia porque o cancro é mesmo assim quando atua, é muito doloroso…os meus últimos tempos têm sido complicados…muito complicados mesmo.

            Eu sei que o cancro é uma doença muito complexa de se resolver, mas acredito que o futuro vai ser bom e nos vamos livrar disso também com vacinas ou medicamentos que irão ser criados…seja por mRNA ou outra tecnologia qualquer, temos de ser positivos e eu sou.

            A quimioterapia e a radioterapia para mim são tratamentos já ultrapassados, ou como se diz em informática, obsoletos pois já são tratamentos que se usam à imensos anos.
            São os tratamentos que ainda se usam todos os dias, verdade, salvam vidas? Salvam sim senhor e ainda bem que existem, mas também são tratamentos muito, mas mesmo muito dolorosos para os doentes e de uma maneira resumida, se o paciente quer vencer tem de sofrer…sofrer muito! E é por isso que não é fácil para muitas famílias, depois há quem tente e não consiga vencer o cancro…infelizmente.

            Por eu ter passado por isto com um familiar é que entendo o quanto é importante que as farmacêuticas tenham o devido lucro financeiro para melhorarem e aperfeiçoarem métodos que existem, para criar novos métodos mais simples e eficazes, etc…de uma maneira geral acho que as pessoas deveriam começar a dar mais valor às farmacêuticas.
            Mas infelizmente as pessoas acham-se imortais, que por estar tudo bem com elas que também está tudo bem com os outros, etc e por isso medicina para que?

            Gosto do conceito tecnologia+medicina, quem sabe se não são os avanços tecnológicos (IA) que nos irão ajudar a encontrar soluções melhores para os diversos problemas…isto também para outros setores (alimentação, como chegar a outras galáxias instantaneamente, ajudar a perceber como surgiu a vida e isto tudo, etc).

            Vítor M. este texto numa parte foi um desabafo, noutra foi uma maneira de te mostrar que sou uma mente aberta para novas possibilidades, sou um sonhador, acredito que a evolução tecnológica+medicional vai ser boa.

            Só não entendo como os meus comentários vão sempre parar à moderação, mas tudo tranquilo.

          • Swappie Guy says:

            Vítor M. outra coisa que me esqueci de referir, em Portugal com este governo há sempre dinheiro para a TAP para o BES (Novo Banco), etc…quantidades absurdas de dinheiro.

            Mas depois não há 20 milhões para a tal vacina contra a covid que é inalada, que ia ajudar a vacinar de forma muito mais fácil muitas das pessoas dos países mais pobres por exemplo.

            Futuramente irá outro centro de investigação criar um conceito idêntico com outras patentes, vão vender e nós portugueses ficamos a ver navios (o normal portanto), quando isto era uma boa forma de nos expressar-nos no mundo, mostrarmos que somos um país pequeno mas também sabemos desenvolver e criar métodos diferentes, que temos bons cientistas, etc…mas fazer o que, não é?

            Entendo que a maior parte se quer vacinar com estas novas vacinas mRNA por ser uma tecnologia nova e diferente.

            Eu já tomei uma normal (janssen) e agora uma mRNA (moderna), nem que desta última vez tivesse de levar janssen outra vez para mim era igual porque o importante é estar vacinado.

          • Vítor M. says:

            Sobre as políticas que afetam o nosso país, com reflexos na nossa sociedade (economia, educação, saúde, etc), temos no próximo dia 30 uma excelente oportunidade de mudar este atual curso. Não fiquem em casa, vão votar, votem de forma a ajudar este país.

          • Swappie Guy says:

            Vítor M, isso do voto já o fiz ontem, já fiz o meu dever com o voto antecipado.
            Ainda consegui convencer alguns que nunca iam votar a irem votar dessa forma (voto antecipado) que se torna mais simples para quem no domingo gosta de ir dar uma volta.

          • Vítor M. says:

            Excelente. É isso mesmo.

          • mlopes says:

            @Vítor M. no seguimento da tua afirmação “temos no próximo dia 30 uma excelente oportunidade de mudar este atual curso. Não fiquem em casa, vão votar, votem de forma a ajudar este país.”, podes fazer o favor de nos explicar o mudou substancialmente no rumo de portugal depois que assembleia constituinte mudou para assembleia da republica e se iniciaram os ciclos eleitorais que decorrem até hoje assentes no sistema eleitoral então definido?
            era importante saber-se para se perceber bem estas questões do voto, das eleições, dos partidos, das políticas e muito em especial do “rumo” já que é algo muito macro e a longo prazo

  3. Joaquim Sobreiro says:

    E será com que vacina e quantas doses para voltar á vida “normal”? Já foram tantas as promessas, claro, de acordo com os políticos.

  4. Micas says:

    Como é evidente qualquer medicamento e ou vacina que seja de uso livre e sem patentes (por muito testado e eficaz que seja) será de imediato sujeito/a a uma acção de descredibilização por parte das organizações multinacionais ligadas à industria farmacêutica.
    Qualquer ataque ao sacrossanto deus do lucro é para combater ferozmente. Como é que as pobrezinhas das empresas faramacêuticas poderiam sobreviver, coitadas?

  5. Manso says:

    Covid não existe e é uma farsa… Até agora ninguém morreu, a Terra é plana, o Sol e a Lua são projecções, Chem trails são reais e o Lizard people controla os Governos do Mundo.

    É isto que os iluminados que por aqui andam profetizam.

  6. Jonny says:

    Deviam publicar era esta noticia:
    https ://eco.sapo.pt/2022/01/12/regulador-europeu-alerta-que-sucessivas-doses-de-reforco-podem-enfraquecer-sistema-imunitario/

  7. says:

    Especialistas ingleses exigem acesso imediato a todos os dados das vacinas

    procurem o artigo tem coisas interessantes…

  8. João says:

    A Omicron é a melhor vacina.

    • Vítor M. says:

      Como disse um virologists há poucos dias, está foi a variante que permite pensar no fim da pandemia e passar para uma epidemia. O que são boas notícias. Com um vírus menos agressivo e uma sociedade vacinadas, a probabilidade de doença grave é muito menor.

      • Sergio J says:

        A omicron é menos agressiva que a delta, mas não que a original. Claro que agora temos mais conhecimentos e sabemos como melhor actuar. Mas desengane-se que quem pensa que menos agressiva significa inofensiva. Conheço vários casos de assintomaticaticos, mas também conheço casos de várias pessoas saudáveis que passaram (ou estão a passar) as passas do Algarve.

        • Vítor M. says:

          Tens razão, não é menos inofensiva. Também tens razão quando dizes que hoje já se sabe mas como atuar, como medicar. Agora, numa pandemia, são sobejamente mais os danos efetivos que os colaterais. Cada vida conta e todos os óbitos são de lamentar, mas é nesta e noutra qualquer doença e espero que com esta pandemia se aprenda algo para podermos lidar muito melhor com outras doenças, até algumas “velhas conhecidas”.

        • Memória says:

          Quase totalmente inofensiva.

          Gostaria aliás de saber como é que alguém infectado pode saber que está infectado com a variante Omicron, uma vez que os seriços médicos não fazem os testes necessários (e aliás pouco fiáveis) excepto em casos excepcionais

          • Vítor M. says:

            Não precisas de te preocupar, tu já foste vacinado. Recentemente recebeste a dose de reforço. Podes contar aqui ao povo. 😉

          • Memória says:

            LOL, não é uma questão teórica, porque a minha lindíssima vizinha do lado (uma mistura de atleta (andebol de praia) e Afrodite) já me prometeu (espontaneamente!) que se tivesse a Omicron ma passava 😉
            O problema é que ela é tão jovem e saudável, que pode vir a ter tudo, talvez mesmo sem sintomas 🙁

          • Vítor M. says:

            Está visto deu-te efeitos… únicos. Toma paracetamol. 😀

      • Memória says:

        Lá isso é verdade, e para cúmulo do inesperado, a *primeira* razão que eu *talvez* teria para ser “vacinado”, uma vez que vários estudos apontam para os “vacinados” contra a variante anterior são mais fácilmente infectados pela variante Omicron.

        Todavia continua a ser o que aqui se chama “mostarda depois da refeição”

        • Vítor M. says:

          Não é nada 😉 as vezes que falaste no assunto e que te contradisseste, tu já foste vacinado. Se de facto tu não quisesses ser vacinado, não eras e não andavas a tentar enganar as pessoas. 🙂

  9. Joaquim Sobreiro says:

    Relembrar que :1- a história da medicina industrial farmacêutica começou depois do fim da segunda guerra mundial, por adaptação da indústria química. 2- as medicinas ditas alternativas, que eu prefiro designar de complementares, são as medicinas de toda a vida civilizacional. A nova medicina, industrial, é uma alternativa às medicinas milenares. 3- O avanço da ciência médica, em diagnóstico, cirurgia e cuidados urgentes imediatos permitem um grau de sobrevivência nunca antes alcançado. 4- Iatrogenia é atualmente a terceira causa de morte nos países mais ricos. 5 – Medicina preventiva, com base em atividade física, alimentação e pensamentos saudáveis não são preocupações das sociedades atuais.

  10. Miguel says:

    Ahah… eles recebem muito dinheiro, mas apenas se não a fizerem, aposto…

  11. Memória says:

    “. . . a vacina era segura, bem tolerada e mais de 90% eficaz . . . .”

    É uma espécie de “Dejá Vu”, – All over again

  12. Joaquim Sobreiro says:

    E não se esqueçam de tomar também os medicamentos que lhe foram receitados como “para tomar até ao fim da sua vida”. Cuidado se não toma o medicamento para o colesterol, diabetes, hipertensão e mais uns quantos, pode vir a saturar o SNS e já não há lugar para os de Covid.

  13. daniel says:

    a melhor vacina, é aquela que anda no ar, tomando as devidas precauções
    A nível mundial todos os países têm diminuição da gravidade da doença mesmo dentro daqueles, onde a vacinação quase não existe.
    Quanto ás farmacêuticas, deviam ser obrigadas depois de de terem recessidas dos gastos para o estudo da vacina. a venderem ao preço de fabricação, afinal existem outros lucros astronómicos que as farmacêuticas estão a ganhar, com medicamentos para a cura dos efeitos da doença.
    Afinal estamos em guerra com uma doença.
    .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.