Quantcast
PplWare Mobile

Remdesivir entusiasma autoridades americanas como medicamento certeiro contra a COVID-19

                                    
                                

Autor: Vítor M.


  1. Jorge Pereira says:

    Aqui estão os lobbies farmaceuticos a tentarem rentabilizar um medicamentto que nunca serviu para nada e que custou milhões em investigação! E quem para são as pessoas, que vão morrendo!

  2. Jorge Pereira says:

    Aqui estão os lobbies farmaceuticos a tentarem rentabilizar um medicamentto que nunca serviu para nada e que custou milhões em investigação! E quem para são as pessoas, que vão morrendo!

    • Darth says:

      Basta 1 post, já percebemos

    • Artur Peralta says:

      Não percebo a razão de utilizarem um medicamento que não está comprovado se funciona e é proprietário, portanto a especulação monetária vai existir…

      No Brasil, uma médica pneumologista de um hospital bastante conhecido e credivel, pensa que o tratamento para o C0VID deve passar por não permitir que as “micro-tromboses” se formem no corpo. Essas “tromboses” é que levam à falencia dos orgãos. Este medicamente é hospitalar e barato, por isso é que não interessa…

      Aqui fica o vídeo dele a dar uma “aula” com outros colaboradores para ajudarem num protocolo de tratamento. https://www.youtube.com/watch?v=AO7DUfhUS9c

      De ressaltar que nenhum dos pacientes sequer foi necessário utilização de ventiladores.

  3. Redin says:

    Deve haver aí qualquer engano.
    O medicamento chama-se Lixivir. E a ideia partiu do mais alto nível de inteligencia na casa branca.

  4. rikardo pereira says:

    “o impacto do medicamento na mortalidade não é assim tão evidente. Segundo o estudo, a taxa de mortalidade foi de 8% nas pessoas que receberam Remdesivir e 11,6% nas que receberam um placebo. Esta diferença não é estatisticamente significativa. ”

    ainda não percebi esta noticia. Existe patrocínio da farmacêutica ? é que ainda ha dias a empresa produtora caiu em bolsa, devido a este medicamento ter falhado os testes e agora já vem este alarido todo como?

    Deviam ter um pouco mais de calma com este tipo de noticias.

    • Vítor M. says:

      Se calhar os investigadores são patrocinados. Não faço ideia, mas também é desapropriado alguém levantar este tipo de comentário ou insinuação nesta altura. Se os mais preponderantes investigadores dizem o que dizem, achas que poderás pôr isso em questão com os dados que possuis?

      • Spoky says:

        Se a ESET te pagar Vitor para escreveres um artigo, certamente que nao vais escrever um artigo a dizer mais mal que bem. Ou então metade das tuas parcerias no blog acaba-se.

        You know it

        • Vítor M. says:

          Óh, estás a viajar no algodão 😀 Não pagam para mentir ao consumidor, se pagam é para fazer um trabalho sério, se quem não está dessa forma no mercado, acaba por desaparecer. Pensa nisso e olha que não falha, já cá ando há muitos anos. Neste caso em particular, o medicamento tem um risco na vida das pessoas, não é um software que desinstalas de der problemas. 😉

  5. Fiu says:

    quando publicam o afinal este medicamento não serve para o corona?

  6. B80 says:

    Estou mais interessado nos resultados sobre o Favipiravir, o Ivermectin e o misterioso medicamento que os brasileiros dizem que mata 94% do virus em teste de laboratório.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.