Quantcast
PplWare Mobile

Meteoro ilumina o céu do Reino Unido e é descrito como “bola de fogo”

                                    
                                

Autor: Ana Sofia


  1. Nuno V says:

    Os valores que citaram da magnitude é da magnitude aparente. É preciso clarificar isto porque no que toca ao brilho dos objectos existe também a magnitude absoluta.

    • Vítor M. says:

      Não há necessidade de explicar isso porque está implícito no texto, dado que todo o texto fala na observação a partir de um local na Terra. E, como sabemos, o brilho ou magnitude aparente de um astro é o fluxo medido na Terra.

      • Nuno V says:

        O meu problema não é com usarem apenas o nome magnitude sem indicar qual o tipo a que nos referimos. Isto porque na astronomia quando nos referimos à magnitude de um objeto está implícito que é a magnitude aparente. O meu problema é com frases como esta, que deitam por terra o teu argumento que está implícito que é referente ao brilho visto da terra : “Ou seja, quanto mais brilhante for o objeto, menor será o valor da magnitude.” Que é sempre verdadeira quando nos referimos à magnitude absoluta, mas não quando nos referimos à magnitude aparente. E isto pode causar confusão nas pessoas e levar-las a crer que o valor em questão refere-se ao brilho de um objeto, e não brilho de um objeto quando visto da Terra.

        • Vítor M. says:

          Estás enganado. Isso está relacionado com a magnitude aparente. Quanto mais brilhante um objeto parece, menor é o valor de sua magnitude (relação inversa).

          • Nuno V says:

            Não Vitor, a frase em questão não diz em parte alguma, ou sequer sugere, que estamos a falar de quanto brilhante um objeto PARECE ser, diz sim “quanto mais brilhante for o objeto”. Portanto, estás a inventar. Um objeto pode parecer mais brilhante que outro mesmo não sendo, de facto, mais brilhante. Como por exemplo, tens duas lâmpadas, a primeira é 5 vezes mais brilhante que a segunda. Colocas a primeira lâmpada 3 vezes mais distante de ti que a segunda, e vais observar que a primeira vai parecer 44% menos brilhante que a segunda. Existe diferença entre parecer e ser. Eu fiz a menção do erro para que este fosse corrigido, não para atacar o blog, ou a Ana. O problema é que tu, como não consegues aceitar uma simples correção, enveredas numa conversação sobre uma área que claramente se vê que é areia a mais para o teu camião.

          • Vítor M. says:

            Bom, o que disseste antes está errado. E foi isso que te disse, mais nada. Quanto mais brilhante um objeto parece, menor é o valor de sua magnitude (relação inversa). E como falamos do ponto de vista terrestre, está implícito que falamos em magnitude aparente. Tu é que confundiste com magnitude absoluta. O erro foi teu, pronto, está corrigido. Siga em frente.

  2. Alves says:

    Nao sei se foi a mesma coisa ou se é possivel mas no domingo a noite vi uma suposta “estrela cadente” a essa mesma hora cá em Portugal, e ainda se viu o rasto dela durante uns bons 3/4 segundos no ceu , possivelmente seria isso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.