Quantcast
PplWare Mobile

Investigadores dizem que a existência de vida na Terra “foi uma sorte”

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Vítor M.


  1. Sei... says:

    Sorte?! Há quem lhe chame outra coisa.

  2. sujeito says:

    Fantástico… Já eu e uns milhões antes de mim tinhamos chegado a esta conclusão.

  3. Luís Silva says:

    E o que é a vida? Combinando e recombinando, tinha que dar alguma coisa! E o que é a vida se não houvesse consciência?

  4. Inyo Urass says:

    Sorte? LoL

  5. Sardinha Enlatada says:

    E Deus nao tem uma palavra a dizer sobre essa sorte ?

  6. Pirata das cabernas says:

    eu acho que a vida foi criada em laboratório, com o objetivo de destruir o planeta. por mais que estudem, nao sabem nem nunca vão saber o que realmente se passou e como tudo começou

  7. Broco says:

    Eu continuo achar que isto é o Sims e nos somos os bonecos .

  8. AD9 says:

    Acho que a palavra usada no final, “ocaso”, é bem melhor que sorte. Foram acontecendo “ocasos” que permitiram que a vida evoluísse até ser o que é.
    Um pouco como Euromilhões (elevado uns biliões de vezes como é óbvio) é um acontecimento de baixíssima probabilidade.

  9. Philippe Marques says:

    Des calculs de probabilités donnent une espérance, moyenne probabiliste, tellement faible de l’existence de vie que l’on devrait être reconnaissant à la chance d’être vivants, avoir un cerveau et conscience de notre existence. Mais cela ne touche l’esprit de pas grand monde de se dire qu’il faut préserver la moindre source de vie, des espèces vivantes, des plantes, chaque pouce de notre Terre est un miracle.

  10. George Orwell says:

    Tendo em conta a Lei de Hubble segundo a qual o universo encontra-se em expansão, este revela-se-nos como uma realidade finita em expansão e uma realidade contingente.

    Para cientistas como Stephen Hawking, o nada precede o universo, porém, tal como afirma um conhecido filósofo do sec. XX, Martin Heidegger, “o nada nadeia”, nada produz ou concebe.
    Como é que um nada que nadeia, logo, sem consciência finalística, pode originar um universo ainda em expansão que, se subtraídas todas as suas partes poderia – em coerência com um “big crunch” – voltaria ao NADA ?

    E, tratando-se o universo de uma realidade finita e contingente, se dissociarmos dele qualquer acto criativo finalístico na sua origem, teríamos que, fatalmente, considerar o ser humano como o único ser conhecido capaz de criar, ou seja, foi preciso esperar ( segundo a teoria do Big Bang ) 14 biliões de anos para “finalmente” alguém, dotado dessa consciência finalística, fosse capaz de criar no que equivale a dizer que antes do ser humano ninguém criou coisa alguma (?), conclusão esta que me parece absurda e profundamente solipsista e que nos torna a todos como uma espécie de personagens de uma peça de humor “non sense”.
    É como se o pretenso homo-deus (?) fosse o deus surgido de um acaso e fruto da poeira estelar em vez de ser ele o criador.

    Em boa verdade, a matéria como realidade em si, por exemplo a poeira estelar não tem potencialidade de gerar constantes e formas matemáticas perfeitas que na concepção de Pitágoras, Platão e Galileu, só para citar estes, transcendem o ser humano, organizando e regulando o universo, conferindo-lhe uma ordem não resultante de um acaso ou caos, tal como a poeira ou a rocha não podem, por si próprias, criar uma realidade para si no sentido que age para si de acordo com a sua consciência, como é o caso do ser humano, SENDO QUE UMA QUALQUER REALIDADE NÂO PODE SER SIMULTANEAMENTE UMA REALIDADE EM SI, E PARA SI, O QUE IMPEDE ESSE SALTO QUALITATIVO.

    Como superar este absurdo ?
    Descartes (filósofo e matemático que descobriu a geometria do seu nome) e Leibniz (filósofo e matemático que descobriu o cálculo da integral ), entre outros, apontaram o caminho.
    Para estes, um universo finito e contingente não pode dispensar uma ontologia do Divino, no que confere com a maioria dos seres humanos também crentes de uma origem divina do universo, nomeadamente muitos cientistas e físicos.
    Até o pai da teoria da relatividade, Albert Einstein, no melhor da sua ciência, afirmou que:
    “Acredito no Deus de Espinoza, que se revela por si mesmo na harmonia de tudo o que existe”
    “Cada vez que mais conheço do universo mais o concebo como produto de uma consciência”
    e, a propósito da mecânica quântica:
    “Deus não joga aos dados”
    Podíamos também falar de Galileu e Newton.

    Se viajássemos a uma dessas “terras gémeas” e, para nosso espanto, nela deparássemos com um objecto mecânico com movimento, imagem e luz, etc, diríamos que ali existiria vida inteligente, mas olhando daqui da Terra para todas as leis e formas matemáticas que regulam o funcionamento do universo que segundo Galileu é um livro escrito em matemática, muitas vezes esquecemos o Grande Matemático que do NADA fez o TUDO.
    Citando aqui uma afirmação do cientista Richard Feynman, “a simplicidade é um indicador de verdade” e a simplicidade da maioria das pessoas que historicamente acreditaram e continuam a acreditar numa origem divina do universo não pode estar equivocada, é aliás a tese mais consistente e a única que nos pode salvar.

  11. Há cada gajo says:

    Depois veio o azar da espécie humana.

  12. ernez says:

    Julgava que a palavra “sorte” não se “Coadjuvava” no meio cientifico… mas pelos vistos.

  13. Rol says:

    Se as pessoas soubessem que o universo não passa de um computador quântico macroscópico e tudo está ligado pois o Universo é UNO. Mas vou ficar me por aqui.

  14. Joao Ptt says:

    “Foi uma sorte”… deixem-me que vos diga que sorte nada teve haver com o assunto.
    Os seres enteais que o digam, andaram sabe-se lá quando tempo a trabalhar para construir a Terra e torná-la habitável (e ainda agora neste momento continuam a trabalhar para a manter habitável apesar dos formidáveis convidados indesejados: nós seres humanos, por não sabermos manter a Terra em condições) para nós seres humanos conseguir-mos desenvolvermo-nos e de repente aparece alguém a dizer que “foi uma sorte”, é triste que passado todo este tempo ainda andem com estas “conversas” de gente que ignora mesmo o todo, seria de esperar talvez de uma criança, mas de adultos? Enfim.
    E quanto a outros planetas habitáveis, claro que existem imensos mais neste universo, e não, também não são fruto do acaso ou sorte.
    Em vez de estarmos a falar do grande Criador, e de todos os seres espirituais e enteais que o servem tão bem ainda andamos a falar em se a Terra existir foi sorte… isto é mesmo um atraso de vida.

  15. Luis Silva says:

    Sorte!? Acham que tudo no Universo apareceu por acaso? Tudo apareceu por uma sorte fortuita? Não, não, nada acontece por acaso, e tudo tem uma lógica racional, e não aparecemos do nada porque o nada não existe, todo o efeito inteligente tem uma causa inteligente. A Terra é um ponto minusculuzinho no Universo, já mais este universo é um vazio e existe montes de vidas existenciais diferentes, e tudo está tão bem feito que no universo tudo está bem regido e não andamos a chocar una com os outros, tudo tem equilibrio. Nós somos criação de uma inteligência suprema, nós somos é ainda muito pequeninos pra compreender o que ainda é dificil de entendermos. Dizer que somos criado do nada ou de pura sorte é dizer que vivemos para nada, tudo tem um sentido e razão, tudo mesmo. Todo o efeito tem uma causa.

  16. AlexX says:

    Se um ser inteligente olhasse para a Terra actual e a observasse com olhos de ver, o que temos e o que herdámos dum passado recente e nem é necessário (além que pouco credível) ir mais que até há 500 anos atrás, percebia por si que nada é por acaso tal como nem existem coincidências. Compreendo porque insistem continuamente em rejeitar a Criação como fruto duma inteligência colectiva da qual são parte (um por todos e todos por um), em prol de hipóteses que nunca farão sentido e são alteradas a cada conveniência, o que não entendo é porquê lhes dão credibilidade. Blinded by Science, cantavam Foreigner. “Cegos” que recusam ver.

  17. César Oliveira says:

    Isso só pode ser uma piada materialista. Não é para levar a sério.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.