Quantcast
PplWare Mobile

Estrela Betelgeuse está a recuperar depois de um “espirro” gigante

                                    
                                

Autor: Vítor M.


  1. Joao Ptt says:

    E nem uma só alma humana obterá verdadeiro benefício de tal informação para o seu dia a dia.

    • Vítor M. says:

      Eu diria que só os pobres de sede de conhecimento não tirarão algum benefício. Os que são apenas ouvintes do bater dos socos no chão. Os outros poderão sempre reter algo, aprender mais alguma coisa, principalmente porque cada vez mais percebemos o que nos rodeia enquanto Universo imenso. Pensa nisso.

    • Carlos Figueiredo says:

      Visão muito curta. O conhecimento não ocupa lugar, para outros faz transbordar o pouco que possuem…

    • Joao Ptt says:

      Alguém me explica como alguém poderá utilizar esta informação, e outras similares, para melhorar a sua vida, actual ou futura, aqui na Terra, ou quiçá depois de morrer.

      • José Bonifácio says:

        Se a estupidez, tacanhez e imbecilidade pagassem imposto, vc estaria completamente carimbado!

        • Joao Ptt says:

          Palavras sábias as suas, tão sábias, que na sua sapiência nada disse de como tal informação teria utilidade para as pessoas aqui na Terra.
          É tão útil esta e outra informação similar que não é capaz de apontar um benefício, muito menos vários para as pessoas, tanto vivas como até eventualmente para as que partiram (mortas).

      • Jane Doe says:

        Esse comentário fez-me lembrar aqueles que na escola diziam “estudar biologia, o que é um vírus, o que é o sistema imunitário, algum dia me vai servir para alguma coisa? Não quero saber disso!” e agora, uns anos mais tarde, na pandemia covid, não percebiam a realidade e as explicações da mesma e então embarcavam nas teorias conspiracionistas. O conhecimento so não interessa a quem não o sabe usar.

        • Joao Ptt says:

          Nunca conheci alguém que dissesse que estudar os vírus e bactérias de uma forma genérica era inútil, desde que o conhecimento ficasse na visão “aérea” da coisa, para compreender o que são, e o que fazem, e de que maneira podem ser úteis ou prejudiciais para nós seres humanos no dia a dia.

          Lembro-me de uma série de episódios onde esses temas eram abordados e que considerei útil na altura e continuo a considerar útil hoje em dia para quem quer aprender : “Era uma vez o Corpo humano”. É para crianças e jovens, mas alguns adultos também poderão aprender alguma coisa.

          Fui dos primeiros a expressar aqui no Pplware que utilizar máscara era a solução adequada para o problema, que na altura era reduzir a transmissão para os hospitais terem capacidade de tratar das pessoas que acorriam… e na altura porque os idiotas do governo andavam a dizer que as máscaras eram perigosas havia por aí uma grande quantidade de papagaios a repetir tal idiotice que era um não assunto na comunidade científica, as máscaras, desde que bem concebidas e utilizadas sabia-se ser muito eficazes há décadas!… aliás pessoal médico e doentes eram aconselhados a utilizá-las mas ao mesmo tempo dizia-se que eram perigosas… enfim, o ridículo a que se chegou, e parece que há sempre pessoas dispostas a engolir qualquer patranha… bastava pesquisarem um pouco, se eram completamente ignorantes no assunto, e certamente encontravam as respostas… a Internet não tem de servir só para divertimento. Mas na altura não havia máscaras suficientes e então decidiram inventar que eram perigosas, em vez de dizer que as máscaras eram a solução para mitigar o problema, mas que não havia número suficiente nem no mercado, nem capacidade para as fabricar implementada e então que pediam para a indústria se unir e começarem a desenvolver soluções que atendessem não só a capacidade de protecção como a sustentabilidade e protecção do meio ambiente… porque ter milhões de máscaras de repente pelo chão e aterros seria um problema evidente.

    • Setnom says:

      Não é verdade e o seu comentário só demonstra falta de conhecimento.

      Se soubermos mais sobre as estrelas e sobre a sua evolução, podemos ficar mais cientes dos sinais que o nosso próprio Sol envia. Os comportamentos extremos do Sol são prejudiciais para os astronautas em órbita, para os satélites que a civilização tanto usa diariamente e para as redes elétricas que dão energia às nossas casas. Ao sabermos mais sobre eventos extremos, quer na nossa estrela quer em outras como esta Betelgeuse, podemos ganhar conhecimento adicional para prever e prevenir situações desastrosas, quer na ISS, quer em satélites, quer na distribuição energética em zonas geográficas mais perto dos polos.

      • Vasco says:

        Nem mais. Boa resposta. Eu acrescentaria que esses dados são valiosíssimos também para futuras missões espaciais que só poderão ser feitas em relativa segurança se forem criado e aperfeiçoados modelos fiáveis para os comportamentos que refere. Quando mais soubermos sobre as estrelas mais hipóteses de sucesso terão futuras operações de exploração e colonização espacial.

      • Joao Ptt says:

        Já se sabe há décadas, do problema dos impulsos electromagnéticos do Sol, e dos estragos que podem causar (e que já causaram na época dos telégrafos)… nada parece ter sido feito aqui na Terra para mitigar tais perigos apesar de esse conhecimento existir.
        As próprias armas nucleares provocam tais efeitos destrutivos também nos componentes eléctricos e electrónicos e continua-se a fingir que nada se passa, e não se protege tais sistemas.

        Por tanto, volto a escrever, que utilidade tem esse conhecimento de uma estrela a sabe-se lá que distância está… se isso acontecesse aqui com o Sol haveria algo que os humanos poderiam fazer acerca disso? Há alguma coisa que possam conceber de diferente que não pudessem já conceber com o conhecimento que já existia dos efeitos conhecidos provenientes do Sol aqui pertinho.

        • Setnom says:

          “nada parece ter sido feito aqui na Terra para mitigar tais perigos apesar de esse conhecimento existir”

          Foram desenvolvidos, estão implementados – e continuam a ser melhorados, pois a tecnologia não pára de evoluir – equipamentos para proteger as redes elétricas (os telégrafos há alguns anos que foram extintos, hehehe), as comunicações, os sistemas GPS, os astronautas na ISS.

          Existem transformadores móveis na eventualidade de alguma coisa acontecer à rede elétrica. Controem-se equipamentos que funcionam como baterias (e todos nós estamos cientes da velocidade de evolução da tecnologia das baterias, certo?) que absorvem ou dissipam energia em excesso. Podem-se desenvolver equipamentos de proteção elétrica (tipo gaiola de Faraday) que atuam como “campos de força” que rodeiam peças críticas de equipamento para as proteger destes picos.

          Os satélites, as sondas, os veículos tripulados são construídos com proteções cada vez mais eficientes – materiais e componentes mais resistentes ao clima espacial como a radiação intensa do Sol e a outros fenómenos como or exemplo temperaturas baixas ou altas.

          Estas coisas todas podem ajudar a que as pessoas, no geral, não fiquem sem eletricidade em casa ou no trabalho, a que os serviços de emergência continuem a funcionar devidamente. Ou a que Internet continue a funcionar, assim como os GPS que são largamente utilizados pelo planeta inteiro. Evita prejuízos económicos (se não há internet, ou eletricidade, ou comunicações telefónicas, os trabalhadores não podem laborar, os operadores não podem fabricar, há produtos domésticos e empresariais que se estragam sem refrigeração alimentada, etc. etc.) e evita perdas de vidas (pois se não há equipamentos para proteger as redes elétricas nos hospitais, caso sejam afetados por tempestades solares, o que é vai acontecer, o quê…?).

          Mas a melhor maneira de nos protegermos é prever estes fenómenos atempadamente, não basta haver soluções a posteriori. Tem que haver uma monitorização constante, que felizmente graças a observatórios terrestres e espaciais isto está em andamento.

          Com esta monitorização, foram criados sistemas de alerta que entram em contato com os departamentos de energia dos países mais a norte ou a sul, que recebendo o aviso prévio podem tomar precauções contra tempestades vindouras, quer seja a implementação de proteções como as referidas acima, quer seja o desligar das redes para evitar danos maiores.

          Quem diz países como o Canadá ou EUA, ou países no norte da Europa, diz também as agências espaciais que têm satélites em órbita e até os astronautas, para que se possam proteger no interior da Estação Espacial Internacional.

          “que utilidade tem esse conhecimento de uma estrela a sabe-se lá que distância está”

          E para podermos fazer isto precisamos de compreender o Sol, e precisamos também de compreender outras estrelas a fim de obter uma compreensão geral deste tipo de objetos, quer sejam estrelas anãs, quer sejam estrelas médias, quer sejam estrelas de tamanho gigante como Betelgeuse. A ciência é um processo iterativo, não esquecer.

          Por exemplo: antes não se tinha observado uma ejeção de massa superficial numa estrela, agora observou-se em Betelgeuse. Ainda só vimos ejeções de massa coronal no Sol. Podemos analisar a origem, evolução, duração, intensidade desse fenómeno em Betelgeuse e obter conhecimentos científicos adicionais (ênfase em adicionais) que permitam melhorar as tecnologias e os procedimentos contra o clima solar cá na nossa vizinhança planetária, que o Sol na sua longa vida muito provavelmente “custa a deitar cá para fora”, ao passo que Betelgeuse “vive e morre depressa”. Pelo que os seus eventos ocorrem num espaço de tempo mais reduzido.

  2. DOMINGOS RIBEIRO VELOSO says:

    Fantastico. O Ser Humano, graças a inteligencia, tambem pode atingir dimensoes universais. Um bem haja para todos aqueles que pensam, estudam, filosofam e querem saber mais. O Universo e fantastico. Um dia o Homem tirara vantagens deste conhecimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.