Quantcast
PplWare Mobile

E se o asfalto for mais poluente que os próprios automóveis que nele circulam?

                                    
                                

Autor: Ana Sofia


  1. Redin says:

    Acho que esse é mais um daqueles estudos retirados num fim de semana sentados numa sanita.
    Mesmo a ser verdade, a estrada faz-se uma vez e termina nesse momento esse impacto.
    As viaturas também têm uma pegada ecologica uma vez mas continuam uma vida inteira enquanto no ativo, a produzir resíduos e poluição.

    • Vítor M. says:

      Porquê? Basta ver a composição deste “betume”. Os componentes são ecológicos?

      • Redin says:

        Não era nesse contexto que me estava a referir. É bastante claro que tens razão, mas…
        Hoje em dia tudo e mais alguma coisa tem qualquer efeito de mau para o ambiente. Põe-se rótulos em tudo o que nos dê a sensação de termos colocado mão na ferida.
        As tecnologias dos materiais vão-se progredindo e dentro de algum tempo haverão materiais que vão poder substituir o alcatrão e afins.
        Mas colocar a diferença de pegada ecológica entre a estrada e os automóveis, para mim é um tiro no pé.

    • AqueleAmigo says:

      Redin, mas tu leste a noticia?

      “De acordo com a equipa, a maior quantidade de compostos químicos semi-voláteis foi libertada quando o pavimento foi aquecido a 140ºC. Ou seja, a temperatura atingida pelo material nas estradas. Ademais, registaram uma queda das emissões, quando o asfalto arrefeceu, mas, depois, permaneceu constante, a uma temperatura de 60ºC.

      Isto sugere que o asfalto pode ser uma fonte de poluição duradoura.”

      • Redin says:

        Parece que está difícil fazer-me entender pá.
        Eu não vos estou a tirar a razão quando dizem que esse método é poluidor.
        Estou apenas a condenar o facto de compararem com a poluição dos carros.
        Um tem um impacto momentâneo e o outro constante.

        • Blackbit says:

          O impacto do alcatrão não é momentâneo como pensas é também ele constante, enquanto estiver presente no chão (e a julgar pelo notícia, ainda mais poluente qd o sol incide sobre ele).
          Assim, parece-me que a comparação entre asfalto e automóvel faz sentido.
          Agora não estou a ver alternativas “ecológicas” ao alcatrão…

  2. eu2 says:

    Também não gosto do cheiro a alcatrão.

  3. André R. says:

    E o que é cheiro do betuminoso acabadinho de colocar comparando com os milhares de carros que passam por cima dele?? Uma gota no oceano…

  4. ze says:

    O melhor é terra batida, nao???? A lançar pó no ar para os asmaticos? Ou entao o ultraparrado calcetado à portuguesa a vibrar todo o automovel ate o desengonçar o ultimo parafuso? E depois oficina gastar os estragos….. A segunda hipotese eu nao tenho alternatica em ” fugir”

    • Pedro H. says:

      Painéis Solares na estrada. Existe um projecto norte-americano que visa colocar painéis, para já em vias privadas e em parques. A aplicação na estrada ainda está um bocado longe, mas se o projecto tiver sucesso, poderemos ter estradas que geram energia para além de terem “aquecedores” para derreter o gelo em estradas com neve. procura por Solar Roadways.

  5. Castanheira says:

    Só uma correção à notícia. 140⁰C é a temperatura de aplicação da mistura betuminosa. Não é a temperatura que assume durante a utilização. Poderá chegar aos 60⁰ em casos extremos, mas nunca aos 140⁰. Só para terem uma ideia, se um carro circular num pavimento a 140⁰ as rodas “ebterram-se”. O betume asfáltico amolece em temperaturas próximas dos 60⁰.

    • Vítor M. says:

      Certo certo, a questão era na aplicação e não no dia a dia. Os 60 ºC esses sim são temperaturas que se verificam no em largos períodos da vida útil do material betuminoso. Ajustamos só para demarcar isso mesmo, até porque sempre se fala na colocação do material. Obrigado.

  6. Fer Jorge says:

    O amianto também foi retirado do mercado pelas mesmas razões que o alcatrão também deveria ser. Os automoveis são o “bode expiatório” da poluição. Recordo-me em miudo, que os carros só faziam fumo, as industrias eram altamente poluentes e agora os carros é que são os maus da fita. Tudo politica e tudo interesses obscuro. Ninguém sabe a verdade.

  7. Fer Jorge says:

    O amianto também foi retirado do mercado pelas mesmas razões que o alcatrão também deveria ser. Os automoveis são o “bode expiatório” da poluição. Recordo-me em miudo, que os carros só faziam fumo, as industrias eram altamente poluentes e agora os carros é que são os maus da fita. Tudo politica e tudo interesses obscuro. Ninguém sabe a verdade.

  8. Pedro H. says:

    Um dos principais pontos que tenho contra as estradas é o aumento de temperatura que elas causam na atmosfera das cidades. Era porreiro resolverem esse problema, mas pelo pouco que conheço é muito dificil… Mas se calhar seria um tópico para outro artigo.

  9. Joao Ptt says:

    E os barcos de transporte que 2 ou 3 poluem tanto como todos os automóveis do planeta a funcionar em simultâneo!
    Disso que realmente faz diferença não falam… é só os carros e agora as estradas de asfalto pelos vistos.

  10. Iurie Solomon says:

    ja viram as noticias em que , por exemplo, a India usa plastico para construir estradas? la nakeles artigos tb se dizia que o plastico é usado para substituir uma outra substancia do betume que faz com que o aglomerado do betume fique unido

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.