Quantcast
PplWare Mobile

COVID-19: Vírus que provoca a doença pode vir a ser erradicado

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Joao Ptt says:

    Fala uma pessoa que nem consegue tornar a Cruz Vermelha Portuguesa relevante, apesar de ter sido nomeado para o cargo, mesmo sem nunca (tanto quanto sei) ter sido membro activo da instituição.

    A erradicação, pode ser que sim, espero que sim, mas quer dizer até ao momento só conseguiram arranjar maneira de controlar os sintomas para não se tornarem demasiado graves… e não parece estar a haver evolução no sentido de realmente erradicar… o que de certa forma até pode ser algo bom se de facto estiverem realmente a descobrir maneira de prevenir o contrair a doença e transmitir a terceiros e só lançarem como facto quando de facto tiverem a certeza que funciona bem e que os efeitos secundários são mínimos… para não lançarem a confusão sobre se funciona ou não e dessa forma não colocar em risco o sucesso da vacinação.

  2. Mitra says:

    Se fosse este a coordenar a vacinação ainda hoje Portugal tinha 20% vacinados.
    Este senhor arranjou um tacho ninguém o leva a serio!

  3. João says:

    A erradicação é uma quimera, com o vírus espalhado por todo o mundo, em mutação constante, e com a falta de uma vacina que impeça a infeção e transmissão. Nunca pensei ouvir tal coisa de alguém com tanta experiência nestas andanças.

    • Manuel Costa says:

      Disseram o mesmo da tuberculose, disseram o mesmo do sarampo, disseram o mesmo do HPV… até agora todos os negacionistas falharam e as doenças foram erradicadas.
      O maior exemplo é o sarampo, que na Europa os números eram de 16 casos por cada 10 milhões de casos, depois de surgirem os parvos negacionistas, em França já chegam a ter 11000 casos anualmente e 300 mortes. Nos EUA 160000 casos e 4200 mortes. Se tivessem sido vacinados, estariam a salvo dele.

  4. joca says:

    nunca se vai erradicar algo que dá dinheiro aos pontapés………

  5. Maspalomas says:

    So teorias..

  6. ToFerreira says:

    Erradicar para quê? O que interessa é que se torne endémico, mais nada.

  7. Daniel says:

    Erradicar o vírus não é uma prioridade assim tão grande. A prioridade é desenvolver medicamentos eficazes para covid-19 moderada e grave. Exterminar vírus da face da terra não faz la muito sentido.

    • Manuel Costa says:

      Erradicar o vírus quer dizer que deixa de poder provocar danos. Tuberculose, sarampo, papeira e várias outras (mais recente é o HPV), estão erradicadas. Mesmo assim, ainda surgem casos, em quem não foi vacinado “por achar que ir a um jantar com um bando de negacionistas ou a uma missa da IURD, dá mais saúde e protecção”, todos os anos. Só que são baixos.
      Em França e nos EUA, os movimentos parvos negacionistas já provocaram mais de 5000 mortes anuais, por causa do sarampo. As vacinas estão disponíveis (fazem parte do plano obrigatório em França e fazem parte das aconselhadas nos EUA) para evitar esses problemas…

      • Aí aí ai says:

        Quem te disse que tuberculose foi erradicada e que não dá problemas? E que a vacinação e para prevenir?

      • Daniel says:

        Erradicar não significa não provocar danos. De qualquer forma, tal como referi, e sendo um adepto da atual vacinação, acredito que o esforço tenha que passar por desenvolver medicamentos de controlo de doença grave e não vacinação. Há certos vírus que provocam sintomas tão graves e fatais, em que a melhor solução é a vacinação de todos, tal como acontece hoje para certas doenças. Para o sars-cov-2, ou outros similares, que apresentam um equilíbrio grave entre danos de saúde e capacidade de propagação muito rápida, para este tipo de virus, a solução é existir medicação de contenção para as situações graves.

      • Bruno M. says:

        Não, não estão erradicadas!
        Os casos é que são nulos que aos olhos da Saúde/Medicina, consideram-se erradicados!

        Não, não estão erradicados! Aliás basta ver nos Paises mais desfavorecidos o que por lá anda e os problemas sanitários que eles têm…

        HIV, Gripe, Tétano, Zikas e outras doenaçs piores.

  8. xyr says:

    Mais um ignorante a armar-se em especialista….é mais provável que o vírus fique controlado num país com poucos vacinados do que num país com muitos vacinados. Porquê ? Porque num país com poucos vacinados , ou morrem ou ganham imunidade natural , a única que contribui para a imunidade de grupo .Porquê ? Porque a imunidade natural resiste a todas as variantes e perdura longamente . Porquê ? Porque a imunidade adquirida com a vacina é específica para o vírus a partir do qual é fabricada a vacina , geralmente do ano anterior , deixando desprotegidos os vacinados contra variantes que ultrapassem as defesas criadas pelas vacinas . De uma forma muito resumida é isto.

    • ToFerreira says:

      Depois de ler “imunidade natural , a única que contribui para a imunidade de grupo .Porquê ? Porque a imunidade natural resiste a todas as variantes e perdura longamente . Porquê ? Porque a imunidade adquirida com a vacina é específica para o vírus a partir do qual é fabricada a vacina ”
      Só me ocorre dizer:” Mais um ignorante a armar-se em especialista”
      E “De uma forma muito resumida é isto.”.

  9. xyr says:

    Não pedi licença ao homem( Geert Vanden Bossche), mas acho que ele não se chateia , é preferível ler de quem sabe em vez de ouvir ignorantes . Tirei as tabelas , mas quem quiser ler o original , pode passar pela pagina dele em inglês https://www.geertvandenbossche.org/ a C-19: Quo vadis, homo sapiens?
    1. Resumo:

    O programa de vacinação em massa da OMS foi instalado em resposta a uma emergência de saúde pública de interesse internacional. Desde os primeiros dias das campanhas de vacinação em massa, pelo menos alguns especialistas alertaram contra o impacto catastrófico que tal programa poderia ter na saúde global e individual. A vacinação em massa no meio de uma pandemia tende a promover a seleção e adaptação de variantes de escape imunológico que são caracterizadas pelo aumento da infecciosidade e resistência a anticorpos direcionados à proteína de pico (S) (Abs), diminuindo assim a proteção em vacinados e ameaçando os não vacinados. Isso já explica por que o programa de vacinação em massa da OMS não só é incapaz de gerar imunidade de rebanho (IH), mas também leva a uma erosão substancial da capacidade de proteção imunológica da população. Como o programa de vacinação em massa universal em andamento logo promoverá a propagação dominante de mutantes de escape de neutralização altamente infecciosos (ou seja, as chamadas ‘variantes resistentes ao S Ab’), adquiridos naturalmente ou Abs neutralizantes vacinais, não oferecerão mais nenhuma proteção aos indivíduos imunizados, ao passo que a alta pressão infecciosa continuará a suprimir o sistema de defesa imune inato dos não vacinados. Isso quer dizer que cada novo aumento nas taxas de cobertura da vacina contribuirá ainda mais para forçar o vírus a resistir a Abs neutralizantes específicos de S. O aumento da infecciosidade viral, combinado com a evasão da imunidade antiviral, resultará inevitavelmente em um tributo adicional cobrado na saúde e nas vidas humanas. Portanto, é necessário tomar medidas imediatas para reduzir drasticamente as taxas de infecciosidade viral e evitar que variantes de escape imunológicas selecionadas se espalhem rapidamente por toda a população, vacinada ou não.

    2. Introdução:

    Fatos e dados:

    A imunidade inata contribui de forma crítica para proteger a população da Covid-19. É por isso que crianças e pessoas saudáveis ​​(ou seja, sem imunossupressão e sem doença subjacente) estão desfrutando de um grau significativo de proteção contra a doença de Covid-19. Anticorpos naturais inatos (Abs) e células Natural Killer (NK) podem ter como alvo estruturas comuns não mutáveis ​​em vírus altamente mutantes e, portanto, lidar com todas as variantes Sars-CoV-2 (1). No entanto, como eles servem apenas como uma primeira linha de defesa imunológica e têm afinidade relativamente baixa, eles não estão bem armados para lidar com altas concentrações de patógenos (1, 2, 3). Embora nosso sistema de defesa imune inato possa ser considerado uma arma biológica natural muito potente contra Sars-CoV-2, ele é povoado por Abs que pode ser facilmente superado por Abs específico da proteína de pico (S).* 1 ) por meio de interações multivalentes ( * 2); 3, 6, 7). Este fenômeno biofísico já explica por que as taxas de morbidade e mortalidade tendem a aumentar com o aumento da pressão viral infecciosa (por exemplo, devido ao aumento da infecciosidade intrínseca do vírus circulante ou devido à superlotação, acúmulo de massa, contatos próximos, etc., especialmente se combinada com higiene precária e condições de habitação). Essa taxa crescente de infecção também esteve na origem da importante 2ª onda de doenças e mortes que atingiu particularmente os jovens durante a pandemia de influenza de 1918 (8). Até onde sei, nenhum dos modelos matemáticos atuais que estudam a evolução viral e a dinâmica de transmissão da pandemia COVID-19 levou à equação a suscetibilidade de nossa defesa imune inata ao aumento da infecciosidade viral. Como este é um pré-requisito principal para a compreensão da seleção e propagação dominante de variantes cada vez mais infecciosas, e como a confiabilidade da modelagem sempre depende das suposições feitas, as previsões desses exercícios de modelagem não se tornaram verdadeiras. Nenhum deles chegou nem perto da realidade. A falha em levar em consideração o papel das células NK e Abs inatas polirreativas (isto é, multipatógenos específicas) é a explicação mais importante para o motivo pelo qual os mecanismos por trás da infecciosidade crescente das variantes virais circulantes e sua rápida evasão da imunidade antiviral permaneceram Enganoso. Embora várias publicações revisadas por pares tenham repetidamente destacado o papel central do Abs natural multipatógeno específico em uma miríade de mecanismos naturais de defesa imunológica, a grande maioria dos vacinologistas,www.geertvandenbossche.org no tópico 1 ).

    Em paralelo com a vacinação universal, mais cepas infecciosas expandiram rapidamente em prevalência. De acordo com epidemiologistas moleculares, Sars-CoV-2 agora também está evoluindo rapidamente em direção à resistência a Sars-CoV-2 Abs específicos para S (9, 10). Eles atribuíram isso à pressão imunológica dirigida por S, que agora está aumentando rapidamente na população. Não pode haver dúvida de que a resistência ao Abs vacinal será o ponto final de qualquer programa de vacinação em massa que use vacinas modernas durante uma pandemia de doença viral autolimitada aguda causada por um vírus altamente mutável. Ao contrário das vacinas vivas, as vacinas produzidas por tecnologias de vacinas modernas falham em induzir imunidade esterilizante ( * 3) A falha em fazer isso leva inevitavelmente à seleção e adaptação de mais e mais variantes infecciosas e, eventualmente, força o vírus a resistir a Abs neutralizantes para sobreviver.

    Conforme abundantemente relatado na literatura e na mídia social, os indivíduos vacinados não apenas espalham as variantes do Sars-CoV-2 ( * 4 ), mas agora também estão desenvolvendo cada vez mais infecções sintomáticas ( * 5 ).

    A imunidade adquirida protege contra um espectro diversificado de variantes Sars-CoV-2. Isso é provavelmente devido à ‘propagação de antígeno’ mediada por ‘adjuvante’ como resultado de profunda estimulação imunológica causada por doença natural (comunicação pessoal ( * 6 )). Considerando que isso implica que a imunidade anti-Sars-CoV-2 adquirida pode lidar com uma série de variantes de escape imune distintas, é improvável que também seja capaz de lidar com uma mudança antigênica causando ‘neutralização de escape’ como, por exemplo, descrito para a variante lambda (11). Para o vírus da gripe, por exemplo, foi bem documentado que as vacinas, especialmente se com adjuvante, ainda podem funcionar contra as variantes antigênicas que foram sujeitas a deriva antigênica , mas não contra as variantes que resultam de umashift (12, 13).

    Considerando que as expectativas baseadas na ciência são agora cada vez mais confirmadas pela dinâmica evolutiva da pandemia, as expectativas comerciais e de Saúde Pública (PH) para as vacinas Covid-19 (C-19), conforme resumido na tabela 1 , tiveram que ser amplamente abandonadas (as primárias objetivo das campanhas de vacinação em massa era possibilitar HI). Isso resultou em uma mudança contínua de declarações e reivindicações feitas por autoridades globais e de saúde pública e endossadas por governos nacionais, conforme descrito na tabela 2 .

    3. Como a natureza cuidará do fracasso da humanidade, mas não sem aumentar o preço por conceder imunidade ao rebanho.

    É fundamental entender como a vacinação em massa está inevitavelmente conduzindo esta pandemia de variantes antigênicas altamente infecciosas em uma direção que é muito perigosa para a saúde pública e global.

    Mas por que devemos nos preocupar com as variantes antigênicas e o aumento da infecciosidade viral quando as vacinas ainda protegem amplamente os vacinados de doenças (graves) e hospitalização?

    Um nível mais alto de variação antigênica e infecciosidade associada torna as vacinas C-19 menos eficientes em conter a infecção. Atualmente, isso leva a infecções súbitas na grande maioria dos vacinados, ao passo que os casos de doenças súbitas também estão aumentando. Por outro lado, o aumento da infecciosidade representa uma séria ameaça para indivíduos não vacinados, pois pode corroer sua imunidade inata, variante inespecífica, após a reexposição após infecção assintomática primária (14). Isso está causando um aumento nas taxas de morbidade na parte não vacinada da população, principalmente nas faixas etárias mais altas não vacinadas ( * 7) No entanto, as pessoas mais jovens não vacinadas agora também estão cada vez mais contraindo a doença C-19. Como as medidas de prevenção de infecções foram relaxadas em muitos países, os indivíduos mais jovens não vacinados estão agora se envolvendo em contatos sociais mais próximos. O relaxamento das medidas de prevenção de infecções em um contexto de variantes circulantes mais infecciosas está afetando principalmente os não vacinados, pois são mais suscetíveis à alta pressão infecciosa. No entanto, como mais variantes dominantes infecciosas estão incorporando mais e mais mutações que afetam sua sensibilidade a Abs neutralizantes de vírus e como a vacinação em massa agora é estendida a grupos de idade cada vez mais baixos, pode-se razoavelmente supor que a incidência de doença de ruptura e morte na parte vacinada da população aumentará rapidamente. Por outro lado, as taxas de morbidade na parte não vacinada da população provavelmente diminuirão nas próximas semanas ou meses porque o reservatório de candidatos suscetíveis ficará rapidamente sem capacidade, especialmente porque o vírus (por exemplo, variante delta) está agora se espalhando muito rápido e como as reservas de indivíduos suscetíveis se esgotam à medida que mais e mais jovens são vacinados. A mecânica da vacinação em massa e seu impacto previsto na pressão infecciosa viral, bem como nas taxas de morbidade e mortalidade na parte vacinada versus não vacinada da população são descritos em mais detalhes abaixo (ver ‘ variante delta) agora está se espalhando muito rápido e as reservas de indivíduos suscetíveis se esgotam à medida que mais e mais jovens são vacinados. A mecânica da vacinação em massa e seu impacto previsto na pressão infecciosa viral, bem como nas taxas de morbidade e mortalidade na parte vacinada versus não vacinada da população são descritos em mais detalhes abaixo (ver ‘ variante delta) agora está se espalhando muito rápido e as reservas de indivíduos suscetíveis se esgotam à medida que mais e mais jovens são vacinados. A mecânica da vacinação em massa e seu impacto previsto na pressão infecciosa viral, bem como nas taxas de morbidade e mortalidade na parte vacinada versus não vacinada da população são descritos em mais detalhes abaixo (ver ‘Mecanismos de vacinação e impacto previsto da infecciosidade viral aumentada nas taxas de morbidade e mortalidade na parte da população vacinada versus não vacinada ‘ ).

    Que a resistência viral a Abs neutralizantes específicos de S possa ocorrer é tudo menos um mito. Até onde sei, o exemplo mais convincente de uma variante capaz de escapar de Abs anti-S neutralizante é a variante lambda de Sars-CoV-2. Esta variante incorporou uma mudança importante no domínio N-terminal (NTD) de sua proteína spike. Esta mudança antigênicafaz com que o vírus se torne resistente a Abs neutralizantes. A mudança é causada por uma mutação de deleção e impede que os Abs neutralizantes se liguem ao domínio de ligação ao receptor (RBD) de S (11). Graças a esta mutação, a variante lambda pode ganhar uma vantagem competitiva substancial se o vírus for repentinamente colocado sob pressão imune dirigida por S substancial e generalizada. Um aumento proeminente de casos (como foi observado, por exemplo, em vários países da América do Sul) pode levar a um aumento dramático na pressão imune dirigida por S, especialmente em pessoas saudáveis ​​que se tornam rapidamente reexpostas ao vírus como resultado de um aumento acentuado na pressão infecciosa. Isso explica como, de repente, um mutante de escape imunológico que é capaz de resistir a anticorpos específicos de S pode rapidamente se tornar predominante em populações que experimentam um aumento substancial de casos. Mas também as populações sujeitas à vacinação em massa podem exercer forte pressão imunológica sobre a infecciosidade viral (ou seja, sobre a proteína S). Isso sugere que as altas taxas de cobertura da vacina eventualmente transformam as populações em excelentes criadouros para tais variantes resistentes à vacina. Mesmo se os últimos não forem criados diretamente na população altamente vacinada, eles podem facilmente usar essa população como uma placa de Petri conveniente para sua expansão na prevalência ( Isso sugere que as altas taxas de cobertura da vacina eventualmente transformam as populações em excelentes criadouros para tais variantes resistentes à vacina. Mesmo se os últimos não forem criados diretamente na população altamente vacinada, eles podem facilmente usar essa população como uma placa de Petri conveniente para sua expansão na prevalência ( Isso sugere que as altas taxas de cobertura da vacina eventualmente transformam as populações em excelentes criadouros para tais variantes resistentes à vacina. Mesmo se os últimos não forem criados diretamente na população altamente vacinada, eles podem facilmente usar essa população como uma placa de Petri conveniente para sua expansão na prevalência (* 8) A menos que uma campanha de imunização em massa avançada tenha treinado suficientemente a população para exercer pressão imune forte o suficiente sobre a infecciosidade viral, a variante lambda pode não ser capaz de vencer a variante delta circulante, mais infecciosa, mesmo que esta última (ainda?) Não escape da neutralização . No entanto, conforme as taxas de cobertura da vacina e a pressão infecciosa aumentam ainda mais, não há razão para acreditar que a variante delta não poderia incorporar uma mutação de ‘escape de neutralização’ dramática semelhante para escapar totalmente da imunidade antiviral, mantendo seu alto nível de infecciosidade. Tal evento poderia, por exemplo, resultar da seleção natural de uma mutação (por exemplo, deleção) em um sítio alostérico da proteína de pico (por exemplo, no NTD), implicando assim uma mudança conformacional no RBD,

    A ocorrência de resistência viral às vacinas C-19 implica que os Abs neutralizantes não se ligam mais ao Sars-CoV-2. Abs natural, variante não específica em vacinados, portanto, não seria mais suprimido ( * 9) Isso quer dizer que os indivíduos que adquiriram proteção contra Sars-CoV-2, seja em resultado de vacinação ou recuperação de doença anterior, perderão essa proteção e apenas ficarão com a capacidade protetora fornecida por seus Abs naturais, variantes não específicos. . Como as variantes capazes de resistir ao Abs anti-S ainda podem ser muito infecciosas, a pressão infecciosa em países / regiões com comunidades densamente povoadas pode aumentar rapidamente após um aumento anterior. Alternativamente, um aumento na taxa de infecção pode ocorrer igualmente quando tal variante é introduzida em um país / região com uma alta taxa de cobertura de vacina e onde a pressão infecciosa foi previamente reduzida devido ao distanciamento social e outras medidas de saúde pública. Como a resistência viral a Abs dirigido por S torna a imunidade adquirida inútil ( * 10), todos os vacinados agora estarão à mercê de seu Abs natural e inato para proteção contra doenças. Embora os Abs neutralizantes específicos de S não possam mais se ligar ao vírus e a supressão do Abs natural seja, portanto, suspensa, a circulação de variantes altamente infecciosas ainda será muito problemática, pois sua contribuição para a pressão infecciosa viral geral não pode mais ser mitigada por qualquer um dos Abs vacinal (ou seja, em vacinados) ou Abs adquirido naturalmente (ou seja, naqueles que contraíram a doença de Covid-19 anteriormente). Isso afetará principalmente a parte vacinada da população, uma vez que esta compreende a maior fração dos grupos de idade mais avançada. Mesmo que seus Abs naturais não sejam mais suprimidos,* 11 ). A mudança na dinâmica de ligação de Ab foi resumida na Fig. 1 .

    Mecanismos de vacinação e impacto previsto da infecciosidade viral aumentada nas taxas de morbidade e mortalidade na parte da população vacinada versus não vacinada ‘

    Quanto mais campanhas de vacinação em massa estão avançando, mais indivíduos jovens e saudáveis ​​serão vacinados. No entanto, quanto mais indivíduos jovens e saudáveis ​​forem vacinados, maior será a fração da população em que Abs inato variante inespecífico experimentará supressão prolongada por Abs vacinal e mais forte será a pressão imunológica em nível populacional sobre a infecciosidade viral (ou seja, na proteína de pico) vai crescer. Quanto mais forte a pressão imunológica em nível populacional cresce, mais as variantes infecciosas mais provavelmente selecionadas encontrarão um terreno fértil para sua expansão e mais rápido essas variantes mais infecciosas começarão a prevalecer. Quanto mais rápido as variantes circulantes mais infecciosas continuarem se reproduzindo para se tornar a população viral dominante, mais rapidamente as taxas de morbidade e mortalidade irão aumentar, predominantemente na parte não vacinada da população. Enquanto a resistência à vacina não ocorrer, o Abs vacinal se ligará ao Sars-CoV-2 e, portanto, superará o Abs natural nos vacinados. No entanto, a capacidade de neutralização desses Abs diminuirá progressivamente à medida que mais variantes infecciosas abrigam mutações de escape que afetam a ligação do RBD ao receptor de células da enzima de conversão da angiotensina (Ace) -2. Por outro lado, apenas uma parte cada vez menor da parte saudável e não vacinada da população permanecerá suscetível à alta pressão infecciosa exercida pelas variantes circulantes mais infecciosas (por exemplo, variante delta), graças a uma queda dramática na idade média desta população ( vencer Abs natural em vacinados. No entanto, a capacidade de neutralização desses Abs diminuirá progressivamente à medida que mais variantes infecciosas abrigam mutações de escape que afetam a ligação do RBD ao receptor de células da enzima de conversão da angiotensina (Ace) -2. Por outro lado, apenas uma parte cada vez menor da parte saudável e não vacinada da população permanecerá suscetível à alta pressão infecciosa exercida pelas variantes circulantes mais infecciosas (por exemplo, variante delta), graças a uma queda dramática na idade média desta população ( vencer Abs natural em vacinados. No entanto, a capacidade de neutralização desses Abs diminuirá progressivamente à medida que mais variantes infecciosas abrigam mutações de escape que afetam a ligação do RBD ao receptor de células da enzima de conversão da angiotensina (Ace) -2. Por outro lado, apenas uma parte cada vez menor da parte saudável e não vacinada da população permanecerá suscetível à alta pressão infecciosa exercida pelas variantes circulantes mais infecciosas (por exemplo, variante delta), graças a uma queda dramática na idade média desta população (* 12 ). Isso quer dizer que, eventualmente, a extensão da imunização natural (como resultado da doença C-19) e a vacinação em massa para grupos de idades mais jovens fornecerão menos oportunidades para o vírus causar a doença no restante da população não vacinada. Com base na dinâmica acima descrita, é razoável concluir que a vacinação em massa continuada, juntamente com a circulação predominante de variantes mais infecciosas ( facilitada pela vacinação em massa!), Inevitavelmente levará a taxas de morbidade e mortalidade relativamente mais altas em vacinados do que em os não vacinados. Conclui-se também que quanto mais vulnerável, mas não vacinada, parte da população aderirá a medidas rigorosas de prevenção de infecção ( * 13), mais o pico de morbidade e mortalidade mudará dos não vacinados para os vacinados. Isso se tornará ainda mais óbvio quando as variantes predominantemente circulantes e mais infecciosas se tornarem resistentes aos Abs neutralizantes específicos de S, simplesmente porque a parte vacinada da população compreende a maior fração dos grupos de idade mais avançada.

    O impacto da pressão de seleção imune dirigida por S, exercida por aglomeração massiva em comparação com a imunização massiva.

    Os países que não são atingidos por grandes ondas registram taxas de morbidade e mortalidade mais favoráveis, mas podem eventualmente pagar um preço ainda mais alto, pois várias ondas “mais infecciosas” podem atingir sua população antes que a pressão viral infecciosa e / ou a pressão imunológica em nível populacional atinjam um nível isso é alto o suficiente para forçar a resistência do vírus. Isso se aplica particularmente quando as medidas de prevenção de infecção mantêm a disseminação viral sob controle e o progresso no aumento das taxas de cobertura de vacina pára. Mas não importa quantos ciclos mais levem, a dinâmica evolutiva molecular desta pandemia inevitavelmente resultará em conferir S-Ab resistência a Sars-CoV-2 e, assim, devolverá aos vacinados o uso completo de sua primeira linha de defesa imunológica contra variantes Sars-CoV-2. Isso já sugere que o fortalecimento da defesa imune inata da população se tornará ainda mais importante quando mais variantes infecciosas resistentes ao S Ab se tornarem dominantes. Isso também significa que antes que o vírus se torne resistente ao Abs neutralizante específico de S, não há como a população começar a construir qualquer HI significativo. No entanto, uma vez que as variantes se tornaram resistentes aos Abs dirigidos por S, não haverá necessidade de o vírus aumentar ainda mais ou diminuir sua infecciosidade intrínseca. Populações que de repente se veem forçadas a pagar um alto preço ( uma vez que as variantes se tornaram resistentes a Abs dirigido por S, não haverá necessidade de o vírus aumentar ou diminuir sua infecciosidade intrínseca. Populações que de repente se veem forçadas a pagar um alto preço ( uma vez que as variantes se tornaram resistentes a Abs dirigido por S, não haverá necessidade de o vírus aumentar ou diminuir sua infecciosidade intrínseca. Populações que de repente se veem forçadas a pagar um alto preço (* 14), em troca da recuperação de uma licença para construir um HI verdadeiramente protetor (isto é, em troca de permitir que o vírus escape da imunidade viricida em nível populacional), só sofrerá por um período de tempo relativamente curto. Isso ocorre porque essas populações estabelecerão mais rapidamente HI totalmente protetora, uma vez que essa licença tenha sido reconhe- cida. Pelo contrário, as populações que conseguiram conter a propagação das infecções Sars-CoV-2 muito bem e, portanto, pagam um preço muito mais baixo para recuperar sua licença HI (ou seja, em troca de permitir que o vírus se torne resistente à imunidade antiviral) sofrerá por um período de tempo relativamente mais longo. Uma vez que a licença seja concedida, levará, de fato, mais tempo para que uma população alcance o HI protetor. Aqui, um ou mais ciclos adicionais de mais ondas infecciosas podem ser necessários antes que a variante mais infecciosa (por exemplo, delta) seja forçada a uma resistência total a Abs neutralizantes específicos de S. O curso evolutivo mais prolongado da pandemia nessas populações tornará menos provável que essas (mais) ondas infecciosas esgotem os candidatos suscetíveis e pode, em última instância, fazer com que a pandemia tenha um impacto relativamente maior na saúde e na vida de pessoas previamente infectadas de forma assintomática assuntos.

    É difícil imaginar como a administração de uma vacina de reforço ‘atualizada’ nem mesmo precipitaria a resistência viral, pois aumentaria a probabilidade de um forte efeito de recall em Abs previamente eliciado (ou seja, Abs que são específicos para a vacina original baseada em S) devido ao pecado antigênico . O reconhecimento subótimo da (s) variante (s) circulante (s) mais infecciosa e em evolução por esses Abs ‘antigos’ pode ser uma preocupação substancial, uma vez que os antígenos que são mal combinados com os Abs de ligação a Ag podem contribuir para desencadear o aumento da doença dependente de Ab (ADE).

    Na ausência de quaisquer medidas de mitigação sensatas, características relevantes imunes genéticas e fenotípicas favoráveis ​​(por exemplo, histórico imunogenético inato, idade, estado geral de saúde, …) são susceptíveis de conduzir a seleção natural de indivíduos capazes de resistir à doença C-19. A menos que a pandemia causasse uma diminuição dramática na densidade populacional em áreas anteriormente altamente povoadas, as chances de medidas rigorosas de controle de prevenção de infecção ter um impacto significativo na redução da transmissão de variantes Sars-CoV-2 altamente infecciosas e resistentes a S-Ab são remotas . A fim de mitigar o preço injustificável e inacessível de vidas humanas, é, portanto, uma obrigação moral e ética proceder imediatamente com um plano de ação direto. O plano deve ser declarado umemergência de saúde pública de interesse internacional e deve incluir as seguintes ações a serem tomadas AGORA:

    Pare a vacinação em massa

    Não prossiga com as vacinas atualizadas

    Implementar quimioprofilaxia antiviral global para diminuir a pressão infecciosa viral (pode ser necessário incluir reservatórios animais relevantes!)

    Até que tenhamos diminuído drasticamente a pressão viral infecciosa, medidas globais e rigorosas de prevenção de infecção devem ser reinstaladas

    Fornecer – sem nenhum custo – tratamento multi-medicamentoso precoce a todos os pacientes necessitados

    Lance campanhas para promover dietas saudáveis ​​e estilo de vida

    Implemente todos os itens acima para ganhar tempo para o desenvolvimento de um Esterilizador Imunológico Universal ( * 15 ) (UIS) que seja capaz de prevenir ou anular a infecção por qualquer linhagem Sars-CoV-2

    Não pode haver dúvida de que o custo para vidas humanas, saúde e sistemas de saúde será muito maior se permitirmos que a NATUREZA cuide de nosso erro gigantesco. E mesmo que o HI finalmente seja estabelecido, ele pode ser muito mais frágil e heterogêneo por muitos anos vindouros do que aquele que teria sido estabelecido após uma pandemia natural . Isso ocorre porque o HI que põe fim a uma pandemia de variantes Sars-CoV-2 altamente infecciosas inicialmente dependerá apenas da imunidade inata em nível de população. Dadas as limitações de Abs natural, multipatógeno específico e o alto nível de infecciosidade intrínseca das variantes circulantes ( * 16), o nível de proteção inicialmente concedido pela imunidade inata no nível da população seria relativamente baixo, frágil e heterogêneo. Conseqüentemente, aglomeração moderada e condições precárias de moradia e higiene podem desencadear mais facilmente uma epidemia local. Em um nível individual, qualquer deterioração da defesa imunológica inata de uma pessoa (por exemplo, devido ao envelhecimento, comorbidades ou supressão imunológica) viria com uma probabilidade média mais alta de essa pessoa contrair a doença de Covid-19. Durante os primeiros anos de recuperação de HI, as epidemias sazonais podem, portanto, ser mais prováveis ​​de ocorrer e causar um impacto relativamente maior na saúde e na vida humana. No entanto, conforme as epidemias sazonais e os anos passam, as populações irão progressivamente repor seu reservatório de imunidade adquirida (ou seja, graças àqueles que se recuperam da doença) e eventualmente tornam o HI da população muito mais robusto. Embora a superlotação, a falta de higiene e as reuniões em massa irão – mesmo a longo prazo – levantar uma bandeira vermelha (não pelo menos também tendo em vista a preparação para a pandemia em geral), o fortalecimento do IH da população deve, em última instância, permitir o retorno a uma vida normal. Mas isso poderia facilmente levar meia década, especialmente em países que vêm combinando programas pesados ​​de vacinação em massa com medidas rigorosas de prevenção de infecções. A imigração controlada de grupos de idades mais jovens ou outras mudanças favoráveis ​​nas características demográficas da população (por exemplo, aumento na taxa de natalidade) podem ajudar a revigorar o status imunológico da população em geral e, portanto, a atingir IA mais rapidamente. a falta de higiene e as reuniões em massa irão – mesmo a longo prazo – levantar uma bandeira vermelha (não pelo menos também tendo em vista a preparação para uma pandemia em geral), o fortalecimento do HI da população deve, em última análise, permitir o regresso a uma vida normal. Mas isso poderia facilmente levar meia década, especialmente em países que vêm combinando programas pesados ​​de vacinação em massa com medidas rigorosas de prevenção de infecções. A imigração controlada de grupos de idades mais jovens ou outras mudanças favoráveis ​​nas características demográficas da população (por exemplo, aumento na taxa de natalidade) podem ajudar a revigorar o status imunológico da população em geral e, portanto, a atingir IA mais rapidamente. a falta de higiene e as reuniões em massa irão – mesmo a longo prazo – levantar uma bandeira vermelha (não pelo menos também tendo em vista a preparação para uma pandemia em geral), o fortalecimento do HI da população deve, em última análise, permitir o regresso a uma vida normal. Mas isso poderia facilmente levar meia década, especialmente em países que vêm combinando programas pesados ​​de vacinação em massa com medidas rigorosas de prevenção de infecções. A imigração controlada de grupos de idades mais jovens ou outras mudanças favoráveis ​​nas características demográficas da população (por exemplo, aumento na taxa de natalidade) podem ajudar a revigorar o status imunológico da população em geral e, portanto, a atingir IA mais rapidamente. o fortalecimento do IH da população deve, em última instância, permitir o retorno à vida normal. Mas isso poderia facilmente levar meia década, especialmente em países que vêm combinando programas pesados ​​de vacinação em massa com medidas rigorosas de prevenção de infecções. A imigração controlada de grupos de idades mais jovens ou outras mudanças favoráveis ​​nas características demográficas da população (por exemplo, aumento na taxa de natalidade) podem ajudar a revigorar o status imunológico da população em geral e, portanto, a atingir IA mais rapidamente. o fortalecimento do IH da população deve, em última instância, permitir o retorno à vida normal. Mas isso poderia facilmente levar meia década, especialmente em países que vêm combinando programas pesados ​​de vacinação em massa com medidas rigorosas de prevenção de infecções. A imigração controlada de grupos de idades mais jovens ou outras mudanças favoráveis ​​nas características demográficas da população (por exemplo, aumento na taxa de natalidade) podem ajudar a revigorar o status imunológico da população em geral e, portanto, a atingir IA mais rapidamente.

    4. Conclusões, perspectivas futuras e justificativa para uma intervenção imunológica alternativa

    Ao aumentar a infecciosidade viral, tanto a aglomeração MASSIVA como a vacinação MASSIVA contribuirão apenas para promover a circulação dominante de variantes virais mais infecciosas e, portanto, comprometer o sistema de defesa imunológico natural em uma fração relativamente maior da população jovem e saudável (ou seja, em comparação com o fração afetada por pandemias naturais anteriores) Mais cedo ou mais tarde, isso levará à resistência viral total aos Abs neutralizantes do vírus e a um aumento dramático nas taxas de morbidade e mortalidade. Não há como a pandemia de Sars-CoV-2 ser controlada pelas vacinas C-19 imperfeitas atuais. O uso de vacinas imperfeitas para controlar uma pandemia (de um vírus altamente mutável que causa infecção viral aguda e autolimitada) só aumentará o preço que a Natureza terá sobre a saúde e vidas humanas em troca de obter uma licença para reconstruir o HI.

    Uma pandemia só pode ser encerrada definitivamente se a população desenvolver imunidade protetora robusta contra o vírus. Isso ocorre naturalmente por meio de HI. HI torna-se cada vez mais forte como um resultado combinado da seleção imunológica mediada por doença natural (ou seja, no que diz respeito ao seu componente inato específico para multipatógenos) e imunização ativa (ou seja, no que diz respeito ao seu componente adaptativo específico para patógenos) . Quanto mais robusto o HI se torna, mais eficaz e durável a população controla o vírus, com menos frequência os surtos ocorrerão e menos impressionantes serão.

    Não importa quantos erros a humanidade cometa, a natureza sempre assumirá o controle da pandemia e gerará o suficienteHI para acabar com isso. No entanto, isso não virá sem um preço terrível a ser pago por uma intervenção imunológica que já estava errada na raiz. Isso ocorre porque a Natureza irá primeiro redefinir o status imunológico da população ao de uma população ingênua de Sars-CoV-2, ou seja, semelhante ao que era no início desta pandemia. A diferença, no entanto, é que a população ingênua de Sars-CoV-2 imunologicamente agora terá que lidar com variantes virais que têm um nível muito mais alto de infecciosidade do que a cepa original de Wuhan. Isso representa um desafio formidável para nosso sistema imunológico inato, uma vez que não foi concebido para lidar com uma carga viral elevada (1, 2, 3). Na era de ‘pós-resistência’, a circulação de variantes altamente infecciosas, combinada com imunidade populacional insuficiente, é provável que leve a surtos com taxas de morbidade e mortalidade mais altas em assentamentos humanos com alta densidade populacional (por exemplo, áreas urbanas), enquanto as áreas rurais seriam afetadas com menos frequência e gravidade. Inversamente, o HI aumentaria muito mais rapidamente nas áreas urbanas, ao passo que as pessoas que vivem em áreas com baixa densidade populacional teriam menos probabilidade de se beneficiar com o HI no futuro próximo. Para que os últimos minimizem o risco de exposição repetida, eles provavelmente precisariam contar com medidas de prevenção de infecções por muito mais tempo. Pode levar vários anos antes que as disparidades epidemiológicas entre as áreas rurais e urbanas se fundam em uma distribuição mais homogênea e Sars-CoV-2 se torne verdadeiramente endêmico. ao passo que as áreas rurais seriam afetadas com menos frequência e gravidade. Inversamente, o HI aumentaria muito mais rapidamente nas áreas urbanas, ao passo que as pessoas que vivem em áreas com baixa densidade populacional teriam menos probabilidade de se beneficiar com o HI no futuro próximo. Para que os últimos minimizem o risco de exposição repetida, eles provavelmente precisariam contar com medidas de prevenção de infecções por muito mais tempo. Pode levar vários anos antes que as disparidades epidemiológicas entre as áreas rurais e urbanas se fundam em uma distribuição mais homogênea e Sars-CoV-2 se torne verdadeiramente endêmico. ao passo que as áreas rurais seriam afetadas com menos frequência e gravidade. Inversamente, o HI aumentaria muito mais rapidamente nas áreas urbanas, ao passo que as pessoas que vivem em áreas com baixa densidade populacional teriam menos probabilidade de se beneficiar com o HI no futuro próximo. Para que os últimos minimizem o risco de exposição repetida, eles provavelmente precisariam contar com medidas de prevenção de infecções por muito mais tempo. Pode levar vários anos antes que as disparidades epidemiológicas entre as áreas rurais e urbanas se fundam em uma distribuição mais homogênea e Sars-CoV-2 se torne verdadeiramente endêmico. eles provavelmente precisariam confiar em medidas de prevenção de infecções por muito mais tempo. Pode levar vários anos antes que as disparidades epidemiológicas entre as áreas rurais e urbanas se fundam em uma distribuição mais homogênea e Sars-CoV-2 se torne verdadeiramente endêmico. eles provavelmente precisariam confiar em medidas de prevenção de infecções por muito mais tempo. Pode levar vários anos antes que as disparidades epidemiológicas entre as áreas rurais e urbanas se fundam em uma distribuição mais homogênea e Sars-CoV-2 se torne verdadeiramente endêmico.

    A intervenção imunológica artificial (humana) em uma pandemia de Coronavírus (CoV) poderia rápida e duramente produzir proteção imunológica de indivíduos vulneráveis ​​se e somente se imunidade esterilizante fosse induzida. Isso significa que a resposta imune induzida é direcionada à eliminação de células infectadas por vírus. Desde que isso possa ser alcançado em um estágio inicial da infecção, a transmissão viral e o escape imunológico podem ser evitados juntos. Consequentemente, as intervenções imunológicas que geram imunidade esterilizante não correm o risco de colocar pressão imunológica sobre o vírus e criar variantes virais mais infecciosas, mesmo se implantadas durante uma pandemia de doenças altamente infecciosasvariantes e mesmo se a cobertura vacinal precisaria ser estendida a partes maiores (vulneráveis) da população. A primeira onda de uma pandemia geralmente atinge a parte mais vulnerável da população. Como resultado da crescente pressão infecciosa, um número de indivíduos jovens e saudáveis ​​pode ver seu Abs imune inato temporariamente suprimido. Durante esse curto período de supressão natural de Ab (cerca de 6 a 8 semanas; 15), esses indivíduos se tornam suscetíveis à doença de Covid-19. Aqueles que se recuperam da doença trocarão sua defesa imune inata por uma imunidade adquirida durável. Isso quer dizer quea taxa geral de imunização ativa durante uma pandemia é meramente determinada pelo nível de pressão viral infecciosa exercida pela onda anterior, mas não reflete o nível de imunização ativa que seria necessária para domar a pandemia, caso um aumento na pressão infecciosa pudesse ser evitado. Como uma intervenção imunológica esterilizante poderia anular prontamente uma onda crescente de casos infecciosos, a imunização apenas da parte vulnerável da população já seria suficiente para controlar de forma eficaz e duradoura uma pandemia de uma doença viral autolimitada aguda e, portanto, evitar a necessidade de vacinação em massa. Além disso, a imunidade esterilizante garantiria proteção completa e duradoura aos vacinados, mesmo que reservatórios assintomáticos do vírus ainda servissem como fonte de transmissão viral contínua. Por último, o uso de esterilizadores imunológicos universais (UISs) poderia anular e eliminar qualquer pandemia de CoV, independentemente do nível de infecciosidade da linhagem circulante e sem a necessidade de erradicação ( * 17) o vírus. Nenhuma das vacinas C-19 atuais induz imunidade esterilizante. Eles não devem ser usados ​​durante uma pandemia, pois eles meramente impulsionam o escape imunológico e corroem tanto a imunidade inata (ou seja, ao criar variantes mais infecciosas que exercem pressão infecciosa aumentada e, assim, tornam os grupos de idade mais jovens mais suscetíveis à doença) e imunidade adquirida (ou seja, conduzindo a resistência viral para neutralizar Abs).

    Se virmos a reconhecer que somos todos parte de uma raça humana, uma humanidade, nós, humanos modernos, devemos ser capazes de explorar e coordenar nossas capacidades extraordinárias e únicas como ‘homem sábio’ ( Homo sapiens) para virar a maré e corrigir nossos erros. No entanto, a ‘sabedoria’ só pode prevalecer se permitirmos que nossas capacidades de inteligência (medidas pelo QI) se sinergizem com nossas capacidades emocionais (conforme medidas pelo QE). Nos últimos meses, temos testemunhado cada vez mais como essa sinergia foi profundamente perturbada. Vamos reformular nossa abordagem geral para essa crise e chegar a uma solução que possa restaurar a normalidade muito mais rápido e reduzir a taxa de letalidade muito abaixo do pedágio que a Mãe Natureza cobrará se deixarmos que ela resolva. Só podemos virar a maré desde que trabalhemos em conjunto para interromper a vacinação em massa, para começar, e evitar que as altas taxas de infecção viral infligam mais danos à população. Nesse ínterim, devemos aprimorar as opções de tratamento precoce e acelerar o desenvolvimento de intervenções imunológicas muito mais racionais e voltadas para a pandemia. O último pode ser feito se aprendermos como educar nosso sistema imunológico inato para ajustar sua capacidade imunológica e adquirir memória imunológica de maneiras que permitammaior especificidade do patógeno e durabilidade da resposta imune, respectivamente.

    5. Bibliografia

    https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fimmu.2020.02139/full

    https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fimmu.2017.00872/full

    https://www.jimmunol.org/content/jimmunol/194/1/13.full.pdf

    https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7690066/pdf/41385_2020_Article_359.pdf

    https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7662119/pdf/fimmu-11-595535.pdf

    https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5493588/pdf/cti201719a.pdf

    https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7451196/pdf/main.pdf

    https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3310443/pdf/10-2042_finalP.pdf

    https://trialsitenews.com/why-is-the-ongoing-mass-vaccination-experiment-driving-a-rapid-evolutionary-response-of-sars-cov-2/

    https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7941658/pdf/nihpp-2021.02.23.21252268v3.pdf

    https://www.biorxiv.org/content/10.1101/2021.07.28.454085v1.full.pdf

    https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4899887/pdf/main.pdf

    https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC8064354/pdf/viruses-13-00546.pdf

    https://trialsitenews.com/a-last-word-of-caution-to-all-those-pretending-the-covid-19-pandemic-is-toning-down/

    https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7772470/pdf/fimmu-11-610300.pdf

    • Jorge says:

      Dssssss, quase que publicaste um livro. Li as primeiras linhas depois desisti. Haja paciência

      • xyr says:

        e isto é a versão curta…..sem tabelas . Segundo ele , uma espécie de versão básica de trabalhos publicados…

        • Prof. João Leal says:

          Mas o que é que vem a ser isto? Estive a ler o seu texto com o devido cuidado bem como verifiquei as suas fontes, e se isto fosse uma tese universitária você tava logo chumbado. Para além de criticar os outros utilizadores de “ignorantes”. Devo dizer-lhe que o senhor não é grande espingarda. Você fez um autêntico copy/paste abrasileirado e repetiu estes parágrafos 6 VEZES!! Aviso-lhe desde já que só têm de fazer CTRL+F nas seguintes citações:

          “o fortalecimento do IH da população deve, em última instância, permitir o retorno à vida normal. Mas isso poderia facilmente levar meia década, especialmente em países que vêm combinando programas pesados de vacinação em massa com medidas rigorosas de prevenção de infecções. A imigração controlada de grupos de idades mais jovens ou outras mudanças favoráveis nas características demográficas da população (por exemplo, aumento na taxa de natalidade) podem ajudar a revigorar o status imunológico da população em geral e, portanto, a atingir IA mais rapidamente.”

          “Pode levar vários anos antes que as disparidades epidemiológicas entre as áreas rurais e urbanas se fundam em uma distribuição mais homogênea e Sars-CoV-2 se torne verdadeiramente endêmico. ao passo que as áreas rurais seriam afetadas com menos frequência e gravidade. Inversamente, o HI aumentaria muito mais rapidamente nas áreas urbanas, ao passo que as pessoas que vivem em áreas com baixa densidade populacional teriam menos probabilidade de se beneficiar com o HI no futuro próximo. Para que os últimos minimizem o risco de exposição repetida, eles provavelmente precisariam contar com medidas de prevenção de infecções por muito mais tempo.”

          Até os putos de 9 anos com os seus tablets são mais profissionais a fazer este tipo de coisa e conseguem esconder melhor os pleonasmos que fazem. Enfim, que país de chico-espertos, denota-se que são muito intelectuais, querem-se armar todos em doutores e ninguém o é. Que tristeza…

    • ToFerreira says:

      Descobri agora que não há limites de caracteres nos comentários aqui.
      De resto, tanta palavra para elaborar uma teoria que vai por água abaixo a partir do momento em que as variantes, mais infecciosas, surgiram antes da vacina.

    • lapizazul says:

      Um texto tão grande para dizer NADA. Apenas um tipo que acha que vacinas são más e milhões morrerem é bom para a “imunidade”.

    • rui says:

      Outra vez com este homem?

      – Veterinario
      – Não é contra vacinação em massa, mas é contra ESTA vacinação, pois ele esta a tentar criar uma vacina e claro diz que a dele é melhor que a dos outros.

      “Dr. Bossche proposes the use of a new type of vaccine based on natural killer cells, which he claims he is working on but for which there is no published evidence”

      Logo: Credibilidade um pouco baixa.

    • Pedro V says:

      Pplware, como é que permitem comentários destes? Mas alguém lê isto?

  10. Sardinha Enlatada says:

    Eu tambem lol. Mas e bom fica registado para quem queira ler ate ao final. Este tipo de informacao nunca passa na tv. So se veem pessoal a trabalhar para os patroes e depois dizem que sao especialistas no assunto.

  11. car9os says:

    Sobre o F George: credibilidade zero , depois de posições públicas e afirmações desastrosas ao longo dos últimos meses.

    Por exemplo, esteve na TV (eu vi) a criticar o uso da máscara e afirmando que “os assintomáticos não contagiavam”. Inclusive atacou um cameraman do programa em que participou, interrogando-o porque estava de máscara e aproximou-se dele sem máscara para garantir que o vírus da Covid não se transmitia entre assintomáticos! Fez uma peixeirada em direto.

    E de todas as asneiras que disse, não vi nenhuma retratação.

    Posições polémicas, agressivas e acima de tudo totalmente erradas, só pedem ter uma consequência: credibilidade ZERO.

    Pena que ainda andem a promovê-lo nos media …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.