Quantcast
PplWare Mobile

COVID-19: Supercomputador mostra como a humidade do ar prejudica a propagação do vírus

                                    
                                

Autor: Vítor M.


  1. eu2 says:

    “Outras descobertas mostraram que em ambiente de refeição as pessoas lado a lado correm mais risco do que se estiverem frente a frente.”
    Mas o vídeo não mostra logo no início as partículas a irem direitinho a quem está à frente??

    • Hugo Nabais says:

      Também reparei no mesmo!

    • Blackbit says:

      Sim, mas tb mostra que as partículas atingem quem estiver ao teu lado, pois qd falamos temos tendência em virar a cara e obviamente o nosso vizinho do lado fica mais sujeito a apanhar as partículas infectadas e em maior número.

    • SP says:

      Presumo que tenha a ver com distâncias, se estiver centímetros á tua beira e tu te virares a pessoa leva logo com as partículas enquanto que se tiveres pelo menos a mesa pelo meio dá alguma segurança, presumo que seja esta a lógica

  2. Leandro says:

    Pode ser que com estes artigos as pessoas deixem as verdades de março para trás e comecem realmente a perceber o que interessa na propagação do vírus.
    Gel nas mãos é praticamente TRETA.
    O que interessa é o ar que respiramos e a ventilação dos espaços fechados.
    Além de saber que mesmo com máscara espaços não ventilados são perigosos.

    Deixem-se da treta do gel , da roupa e dos sapatos e dêem mais importância ao ar que se respira.

    Já agora… Máscaras na rua ou num carro sozinho não adianta nada.

    • Paulo Baptista says:

      Pelo comentário sou levado a pensar que fundamentou as conclusões com base na sua experiência profissional. Caso contrário, estou a pensar mal e sendo assim, é mais um pseudocientísta que não precisa de provar as conclusões que tira. Respeitável mas pouco útil.

    • Tadeu says:

      não é treta, uma coisa não invalida a outra. Não há só uma maneira de ser infectado.

    • SP says:

      A máscara na rua adianta se a tua zona for movimentada, se fores passear só o cão ao quintal acho que sim é dispensável.
      Quanto ao álcool gel só é tão preciso pq o pessoal é pouco higiénico. A mesma razão que hoje mesmo antes do covid tinhas publicidade para o pessoal lavar as mãos mais vezes. Eu sempre fui pouco de usar centros comerciais mas quando ia ver um filme com amigos e ia trocar a agua às azeitonas ao intervalo a quantidade de pessoas que via a acabar o serviço e xau Laura nem por água passavam as mãos era incrivel só. Por isso precisas do álcool gel pq não podes confiar que a pessoal lavou as mãos antes sequer de sair de casa quanto mais em lugares públicos.

    • Filipe says:

      Gel nas maos ou lavar as maos é para nao haver passagem de virus. Exemplo: espirras para a mao, se nao a lavas logo e tiveres o virus este fica na mao, vais abrir uma porta tocas na maçaneta com essa mao deixas la o virus, a pessoa a seguir vai la fica com ele nas maos, e como fazemos as vezes vais coçar o nariz ou os olhos. Resultado passaste o virus para outra pessoa. dai pedira para lavar muito as maos.
      Para tirar a mascara da cara deves lavar logo antes e logo depois as mãos.
      A questão é que cada uma das medidas nao funciona a 100% mas todas juntas funcionam: mascara, distanciamento e lavar maos. É como andar de carro você mantem a distancia mas tem a mesma o cinto e como tb ha os Airbag…

  3. Joao Ptt says:

    Por tanto, o que escrevia desde o início: usar máscara apropriada, é o mais eficaz para reduzir a propagação de vírus quando tem de se estar próximo de outras pessoas… se as circunstâncias o permitirem (ex.: não estão a comer)… se as circunstâncias não o permitirem: distanciamento físico ou mesmo separadores físicos e bons sistemas de circulação de ar (preferencialmente com filtros) podem ser outra opção.

  4. Urtencio says:

    Sinceramente na minha modesta opinião que vale o que vale, acho que já chega esta inundação de informação todos os dias a falar que agora isto agora aquilo. Acho que as pessoas já foram mais que sensibilizadas e sabem o que devem fazer.

    Eu vejo pessoas no meu trabalho e não só, que estão completamente em pânico derivado ao “jornalismo fácil”(para ser simpatico) que hoje em dia é publicado nos midia! não é o caso desta que até se baseia numa investigação.

    Só classifico como parvo(para ser também simpatico) canais de noticias passarem a tarde toda a noticiar que o CR7 entrou num jato, pera um jato que é jato ambulância! uuuuu!!

    Epá por favor acho que já chega isto é doentio e há pessoas claramente com problemas psicológicos!

    • Joao Ptt says:

      É difícil justificar as medidas draconianas tomadas por causa de 2,117 mortes já ocorridas (e mais umas quantas que iriam ocorrer sem medidas nenhumas), quanto todos os anos morrem mais de 100 mil pessoas em Portugal de qualquer maneira.
      Afinal de contas a gripe ocorre todos os anos, mata gente que se farta (umas +/- 3000 por ano?), e a maioria das pessoas passa muito mal física e psicologicamente com a mesma… e nunca levou a um histerismo desta magnitude.

      • Tadeu says:

        enfim…
        3000 é matar que se farta, mas 2100 já são só algumas que não justificam medidas…
        Estamos a falar duma doença contagiosa… Sem medidas nenhumas em 5-6 meses toda a população poderia ser infectada, tendo em conta as taxas de contágio conhecidas.
        Agora faz as contas, a letalidade já foi determinada como sendo cerca de 0,6%.
        Cerca de 35 mil mortes em meio ano, até ficar controlada naturalmente por efeitos de imunidade de grupo. 35 MIL MORTES – só mais umas quantas segundo a tua imensamente fundamentada opinião.

        • Joao Ptt says:

          Dificilmente seriam tantas mortes, isso é um exagero. A taxa de morte é baseada na amostragem de pessoas testadas e dadas como positivas, a maioria das pessoas não é testada, não têm qualquer sintoma ou apenas algo ligeiro, logo é difícil de indicar tal taxa… que provavelmente será imensamente mais baixa… e seja como for já morrem mais de 100 mil pessoas todos os anos, essas nunca contaram para as preocupações pelos vistos, logo é um pouco de hipocrisia.

          • Tadeu says:

            meu deus!
            vê-se entendes, já houve estudos específicos sobre a letalidade da doença, não são cálculos baseados nos dados diários de pessoas que são testadas e identificadas como positivas.
            0,6% é o valor determinado de letalidade.

            “morrem mais de 100 mil pessoas todos os anos, essas nunca contaram para as preocupações pelos vistos”
            ????????????????????
            mesmo??? és capaz de ser tão… Milhares de milhões de euros são gastos todos os anos em saúde, para quê? Para spas? Médicos de família, campanhas de vacinação, são para conversar e tomar café? Investigação, diagnóstico, prevenção, campanhas de informação, são para circo?
            Regulamentos de saúde pública, normas de segurança alimentar, inspecções, etc? São para beber vinho?
            Realmente há pessoas que não fazem ideia do mundo em que vivem, não fazem ideia dos perigos duma doença altamente contagiosa, ou pior preferem enfiar a cabeça na areia e achar que não é nada demais, e que não justifica medidas de saúde pública.
            Vivem protegidos pelo trabalho de dezenas de milhares de pessoas, pela responsabilidade de milhões de concidadãos… e acham que não têm que fazer nada!!! E acham também que a única má consequência é a morte…

          • Joao Ptt says:

            O estado, que tem parcialmente responsabilidade assumida pela saúde das pessoas, tem naturalmente que ter a sua estrutura preparada para receber as pessoas que ficarem mal a ponto de sentirem necessidade de ir ao hospital. Mas a falta de preparação, não pode justificar parar todo o país, vai estragar a vida a mais de 10.283.000 de pessoas por umas 62.000 pessoas, assumindo que esses 0.6% de gente infectada incide sobre o total de pessoas do país que vai morrer segundo esse cálculo que me parece absurdo.

            Além de que nenhuma medida vai parar o vírus de continuar a fazer o seu trabalho: NENHUMA. Nem que todas as pessoas se isolassem durante 6 meses sem estarem em contacto com mais alguém, porque simplesmente virá sempre alguém legal ou ilegalmente de outro lado que vem infectado e o ciclo recomeçava imediatamente.

            As máscaras apropriadas anti-vírus, é só para reduzir o ritmo do espalhar do vírus para o sistema nacional de saúde e privados conseguirem dar conta dos casos que precisam de assistência especializada, para tentar salvar essas pessoas (umas conseguem, outras não).

            No limite, vai acontecer o que já aconteceu antes: guerra, seja civil, seja entre países, ou até ambos, porque com o interromper forçado criou-se desempregados “sem fim”, que terão muito tempo para se dedicar a parvoíces como acontece nos outros países de terceiro mundo onde as pessoas não têm muito que fazer… e depois em vez de estarem a chorar 62 mil pessoas podem chorar a população quase inteira. Se a guerra parece pouco provável por enquanto, a fome parece ser uma realidade que aumentou bastante… problemas vão surgir em breve se os estados não deixarem de conversa e passarem à acção para fazer chegar o dinheiro às pessoas a passar mal de alguma maneira… pessoas com fome fazem coisas desesperadas quando não sentem ter mais alternativas, e aí ninguém as para, e é assim que regimes políticos desaparecem de um dia para o outro, com este tipo de motivações fortes… se não têm nada a perder, que vai perder são os outros.

          • Tadeu says:

            Joao Ptt,
            não é falta de preparação é a irresponsabilidade de pessoas como tu que acham que isto é como uma gripe ou menos grave, e enfiam a cabeça na areia e ignoram os números e os perigos. O absurdo é não pensares e dizeres que mais mortes evitáveis (com medidas de saúde pública), são só mais alguns. O absurdo é ignorares que no mundo as pessoas ainda não têm acesso a terapias eficazes e ainda não há vacinas que permitam minimizar os piores efeitos na população em geral.
            Nenhuma autoridade defende parar o país, ninguém quer parar o país, mas quando as pessoas não tomam cuidados e uma doença altamente contagiosa, sem boas terapias, atingir dezenas de milhares de pessoas ao mesmo tempo, o país vai acabar por parar por si só.

          • Filipe says:

            existe o outro lado da doença que pelos vistos nao percebe. Sabe que esta doença entope ja os hospitais, e se nao fosse as medidas seria bem pior, o que resultaria a haver gente a ir para o hospital com outras doenças e tb graves que ficariam a porta pq estaria cheio e sem ninguém para atender as pessoas. Nao seria apenas as mortes do Covid como de outras doenças que iria subir mtissimo.
            Isto tb é bom falar mas se calhasse alguem da sua familia estar nas estatisticas de fatalidade falaria de outra maneira.
            E o problema não é do jornalismo mas das pessoas que passam o dia a ver CM so com noticias dessas. vejam outros programas e noticias so as 13/20h

  5. Malamen says:

    Informação séria nunca é demais.

    Tem muita gente que ainda vive no mundo da lua e que acha que esta situação não passa de uma conspiração…

  6. mila says:

    Propagação por contactar superficies é minima ou inexistente. É preciso alguem espirrar para um local, colocares lá o dedo e depois enfia-lo no nariz ou olhos.

    O Ar que se respira é que contamina … Ventilem tudo.

    https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/prevent-getting-sick/how-covid-spreads.html

    COVID-19 spreads less commonly through contact with contaminated surfaces

    Respiratory droplets can also land on surfaces and objects. It is possible that a person could get COVID-19 by touching a surface or object that has the virus on it and then touching their own mouth, nose, or eyes.
    Spread from touching surfaces is not thought to be a common way that COVID-19 spreads

    COVID-19 most commonly spreads during close contact

    People who are physically near (within 6 feet) a person with COVID-19 or have direct contact with that person are at greatest risk of infection.
    When people with COVID-19 cough, sneeze, sing, talk, or breathe they produce respiratory droplets. These droplets can range in size from larger droplets (some of which are visible) to smaller droplets. Small droplets can also form particles when they dry very quickly in the airstream.
    Infections occur mainly through exposure to respiratory droplets when a person is in close contact with someone who has COVID-19.
    Respiratory droplets cause infection when they are inhaled or deposited on mucous membranes, such as those that line the inside of the nose and mouth.
    As the respiratory droplets travel further from the person with COVID-19, the concentration of these droplets decreases. Larger droplets fall out of the air due to gravity. Smaller droplets and particles spread apart in the air.
    With passing time, the amount of infectious virus in respiratory droplets also decreases.

    COVID-19 can sometimes be spread by airborne transmission
    Some infections can be spread by exposure to virus in small droplets and particles that can linger in the air for minutes to hours. These viruses may be able to infect people who are further than 6 feet away from the person who is infected or after that person has left the space.
    This kind of spread is referred to as airborne transmission and is an important way that infections like tuberculosis, measles, and chicken pox are spread.
    There is evidence that under certain conditions, people with COVID-19 seem to have infected others who were more than 6 feet away. These transmissions occurred within enclosed spaces that had inadequate ventilation. Sometimes the infected person was breathing heavily, for example while singing or exercising.
    Under these circumstances, scientists believe that the amount of infectious smaller droplet and particles produced by the people with COVID-19 became concentrated enough to spread the virus to other people. The people who were infected were in the same space during the same time or shortly after the person with COVID-19 had left.
    Available data indicate that it is much more common for the virus that causes COVID-19 to spread through close contact with a person who has COVID-19 than through airborne transmission.

  7. Leandro says:

    Tadeu… Tu e muita gente ainda estão na cabeça com os estudos de abril.
    Atualizem-se

  8. Carlos Lobato says:

    O pior de tudo, são aqueles que sabem o que devem fazer mas que nada fazem. E esses são verdadeiramente os responsáveis pela propagação. Desde os mais novos aos mais velhos.
    Em suma, tomem ciudado por onde andam, como andam e com quem andam. O resto já sabem o que fazer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.