Quantcast
PplWare Mobile

COVID-19: Saiba como está a situação no seu concelho

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Samuel MGor says:

    Em 2022 total dos casos diários 3900 a 4500 casos diários devido a Omicron.

    • Eu sei lá says:

      Não é tanto o nº de casos diários que conta – é o número de casos graves e de mortes.
      O que disse a OMS, em 28/11, segundo o Público:
      – Transmissibilidade: Por ora, não é claro se a Ómicron é mais transmissível do que outras variantes, como a Delta.
      – Severidade da doença: Também não é claro se a infecção com a variante Ómicron causa casos mais grave de doença.
      – Eficácia das vacinas: A OMS está a colaborar com vários especialistas para compreender o impacto potencial desta variante nas vacinas. A OMS frisa que as vacinas continuam a ser essenciais para reduzir a doença grave e a morte, incluindo contra o variante dominante em circulação, a Delta.

  2. Petrus says:

    A médica que identificou esta nova variante, já veio dizer que os pacientes apresentam sintomas ligeiros. Pânico à toa e imensa gente prejudicada pelas atitudes precipitadas de políticos ansiosos por mostrar serviço aos votantes.

    • Eu sei lá says:

      Na verdade a médica disse outra coisa mais grave.
      O seu laboratório está bem equipado e não é a primeira vez que encontra variantes “sul-africanas”.
      Sequenciou o vírus e comunicou a descoberta.
      O resultado foram as “sanções” nos voos internacionais da África do Sul e outros países, que a OMS disse que não se justificam.
      Considera isso uma injustiça, com razão. Quase que disse que para a próxima vai pensar duas vezes antes de comunicar. Lembrei-me que a Inglaterra demorou a comunicar a variante inglesa (antes da Delta).

  3. Tempo ao tempo says:

    Testes de imunidade em massa. Mas isso já não interessa porque poderia revelar que a maioria das pessoas tem sistema imunitário capaz de combater a infeção por este sars. Lá se iam os lucros das farmacêuticas.

    Quem se responsabiliza por efeitos adversos ou, no pior caso, pela morte devida à toma da vacina?

  4. Tempo ao tempo says:

    As farmacêuticas trabalham em prol do bem-estar de todos:
    “Pfizer fined $2.3 billion for illegal marketing in off-label drug case

    In the largest health care fraud settlement in history, pharmaceutical giant Pfizer must pay $2.3 billion to resolve criminal and civil allegations that the company illegally promoted uses of four of its drugs, including the painkiller Bextra, the U.S. Department of Justice announced Wednesday.

    Besides Bextra, the drugs were Geodon, an antipsychotic; Zyvox, an antibiotic; and Lyrica, an anti-epileptic drug. Once the Food and Drug Administration approves drugs, doctors can prescribe them off-label for any use, but makers can’t market them for anything other than approved uses.”

    Fonte abcnews 3-9-2009

    • Vítor M. says:

      Uma notícia de 2009? É preciso querer muito arranjar argumentos para criar uma realidade paralela. Tentemos ser objetivos, a verdade é simples de ver. As farmacêuticas ganham muito dinheiro, mas são as empresas que se dedicam a produzir medicamentos que são essenciais ao controlo de doenças que afetam o ser humano. Não há ninguém certamente que não tenha tomado medicamentos.

      Portanto, estarmos a tentar justificar o aparecimento do vírus, da doença com os ganhos dessas empresas, já é muito teorias da conspiração. Era importante descobrir sim a origem do vírus.

      Sobre estas empresas, bom, se não fossem estas empresas, que seguramente andam de mão dada com poderes políticos, financeiros e sociais, ainda hoje o mundo estava prostrado numa crise imensa sem ter uma saída ou escapatória.

      Como temos visto, desde há muitas décadas, as vacinas são importantíssimas. Erradicaram já muitas doenças e neste caso, como vimos em Portugal, são, para já, a forma mais eficaz de combater a doença.

      As pessoas vacinadas, como está comprovado, estão muito mais protegidas, apesar de poderem ser infetadas, não desenvolvem a doença em estado grave. Além disso, têm muito menos capacidade de propagação do vírus, porque ficam com baixa carga viral.

      Infelizmente ainda não há vacinas para todos, e isso continua a ser o problema. Pois onde a doença encontra mais pessoas indefesas, faz vítimas e acrescenta novas mutações. Por isso aparecem novas variantes.

      Por fim, era importante aparecer um novo medicamento para combater o vírus. Está já em fase deteste e a farmacêutica deverá lançar em 2022.

      Infelizmente ainda estamos neste cenário.

      • Tempo ao tempo says:

        2009 é já ao virar da esquina.

        1986: Pfizer had to withdraw an artificial heart valve from the market after defects led to it being implicated in over 300 deaths. The US Food and Drug Administration (FDA) withdrew its approval for the product in 1986 and Pfizer agreed to pay hundreds of millions of dollars in compensation after multiple lawsuits were brought against it.

        2003: Pfizer has long been condemned for profiteering from AIDS drugs. In 2003 for example, it walked away from a licencing deal for its Rescriptor drug that would have made it cheaper for poorer countries.

        2011: Pfizer was forced to pay compensation to families of children killed in the controversial Trovan drug trial. During the worst meningitis epidemic seen in Africa, in 1996, Pfizer ran a trial in Nigeria their new drug Trovan. Five of the 100 children who took Trovan died and it caused liver damage, while it caused lifelong disabilities in those who survived. But another group of 100 children were given the conventional “gold standard” meningitis antibiotic as a “control” group for comparison. Six of them also tragically died because, the families said, Pfizer had given them less than the recommended level of the conventional antibiotic in order to make Trovan look more effective.

        2012: Pfizer had to pay around $1billion to settle lawsuits claiming its Prempro drug caused breast cancer. Prempro was used in hormone replacement therapy, usually for women going through the menopause. The settlements came after six years of trials and hardship for the women affected.

        2013: Pfizer paid out $273 million to settle over 2,000 cases in the US that accused its smoking treatment drug Chantix of provoking suicidal and homicidal thoughts, self harm and severe psychological disorders. Pfizer was also accused of improperly excluding patients with a history of depression or other mental disturbances from trials for the drug. Later, in 2017, a coroner in Australia ruled that the drug had contributed to a man’s suicide. The man’s mother campaigned to change the label on the drug.

        2020: Pfizer reached an agreement with thousands of customers of its depo-testosterone drug in 2018 after they sued it for increasing the likelihood of numerous issues, including heart attacks.

        • Vítor M. says:

          Eh páh, vocês estão mesmo fora de linha. Já inventam cenários apocalíticos. Isso é desespero? Por amor de Deus, sejam sérios, sejam honestos porque se não querem tomar, estão no vosso direito, mas não inventem, não tentam enganar as outras pessoas. Não criem cenários de medo, sejam íntegros até sob anonimato.

          Tudo isso não faz sentido porque grande parte são ações fiscais, são parte da vida “normal” desses gigantes. Isso acontece em todos os gigantes farmacêuticos, é uma luta titânica entre os seus lucros e os impostos que têm de pagar, entre a sua receita e o que os Estados querem atrair para financiamento, e também haverá tentativas de fugas aos impostos. Mas o que tem isso a ver com o desenvolvimento de uma vacina, pela Pfizer ou Moderna, ou outra qualquer e a necessidade dela para combater a pandemia?

          Eu percebo que por falta de argumentação cientifica, tentam misturar ruído financeiros, fiscal e até de outra ordem, mas isso não vos trás saúde mental, porque só a vacina nesta altura nos consegue proteger para termos uma vida “normalizada”.

          • Tempo ao tempo says:

            Então agora mortes são ruídos financeiros. Hehe
            Queres mais disto? Queres da moderna? Calma que já partilho mais com os restantes leitores. Isto não é para ti, porque tu já mostraste até onde vais para defender a tua dama.

          • Vítor M. says:

            Não, esse drama que estás a fazer não envolve os mortos, só valores, só estás em volta de dinheiro. Não falas nas pessoas salvas, na vacina que está a permitir que o planeta, que tem a hipótese de estar vacinado, possa ter alguma normalidade. Isso é falta de coerência.

            Gostam é de criar ruído 😉 para confundir as pessoas. Acho sempre estranho o empenho que alguns negacionistas têm para tentar convencer os outros. Se fosse apenas para se defender a si próprios, OK, não tomamvam e estava tudo OK, mas não 😀 não tomam a vacina, perdem tempo a criar uma conspiração, desenvolvem mentiras, para iludir outros.

          • Tempo ao tempo says:

            Outra vez Deus?
            Achas mesmo que o barbudo sentado na cadeira no céu te vai ajudar? Já agora, o gajo é branco, preto, amarelo ou um misto de raças?

          • Vítor M. says:

            O que eu acho ou não, não é para aqui chamado (sobre esse assunto), até porque se eu explicar, não vais perceber, visto que a tua intenção é criar ruído e conspiração. Portanto, o foco é outro e não vamos acrescentar nada com esta conversa. Tens a tua ideia, eu tenho a minha e garanto-te que não vais mudar a minha opinião e eu não quero de todo, nem vou tentar, mudar a tua.

          • Tempo ao tempo says:

            Não envolve mortos ó crente? O stress não te permite ler em condições?
            Queres falar sobre a petição criada pelos 16 médicos e investigadores que criaram a petição na Suécia?

          • Vítor M. says:

            16? E os outros milhares que estão do outro lado? Aaa esses não interessam, são capitalistas, vais dizer 😉 . Mas pronto, é uma forma de tentar evidenciar uma ideia, errada, mas uma ideia. Há 16 que dizem o contrário de milhares, mas esses 16… aa esses sãos os bons 😉

            Eu acho estranho a vontade de algumas pessoas em perder tempo para criar um cenário apocalítico.

      • Tempo ao tempo says:

        Justice Department Announces Largest Health Care Fraud Settlement in Its History
        Pfizer to Pay $2.3 Billion for Fraudulent Marketing

        Fonte: justice . gov
        Site oficial governo usa

        Ignoras o passado deles? Pior, escamoteias esse passado? Não tens um código deontológico a seguir?
        Não nego o vírus, nego que estas coisas a que chamam vacinas, que “protegem” durante um máximo de 6 meses, ajudem o que quer que seja além do aumento exponencial dos lucros das farmacêuticas.

        O meu objetivo de partilha desta info visa apenas quebrar o mito por vocês (defensores acérrimos das farmacêuticas) criado de que as farmacêuticas agem em prol do bem da humanidade. É FALSO. Buscam o lucro acima de qualquer coisa. Estes casos comprovam-no.

        • Vítor M. says:

          Ei lá, que conversa totalmente paranoica. E depois logo código deontológico 😀 Que falta de noção, meu Deus. Calma, sejam honestos com a argumentação. Estamos a falar de um assunto completamente diferente. Nessa ordem de ideias muitos medicamentos que certamente tomaste terias de os deitar fora (que sabe se não foste salvo por uma vacina dessa farmacêutica), pois estarão na alçada dessa empresa. Quer dizer, só agora, porque interessa para formar um cenário de conspiração é que se vai buscar um assunto lá atrás dos anos 2000? Caríssimo, certamente o assunto já foi sanado e resolvido nos meios jurídicos, para acusar uma empresa que está, como outras, a desenvolver medicamentos para tratar a doença.

          Então vamos falar da Moderna. Vá lá ver o que arranja contra essa empresa, para depois irmos atrás das outras. Se afinal é para argumentar no faz de conta, agora é a vez da Moderna.

          • Tempo ao tempo says:

            A informação está partilhada. Só me calas bloqueando-me o acesso ao site.

          • Vítor M. says:

            Calar é dar importância que eu entendo não ter. Desde que continue a ser informação irrelevante, desconexada e sem uma linha lógica sobre o que está a ser feito no âmbito da vacinação, é apenas barulho.

            Quando se discutem outras temáticas, como o desequilíbrio das medidas ao redor do planeta, como a eficácia a longo prazo das vacinas, como as obrigatoriedades de vacinação ou a falta dela, as medidas que visam identificar quem não quer toma (se são ou não lícitas e éticas), se as patentes das vacinas devem ou não ser partilhadas ao fim de X anos… tudo isso tem a sua importância, interesse e até é uma forma de se perceber como vai o pensamento das pessoas. Agora teorias de conspiração e devaneios… isso não faz sentido numa sociedade informatizada e informada. Os exemplos estão aí, ainda não há um medicamento milagroso, mas são as vacinas que estão a ajudar. Infelizmente ainda não há para todo o planeta e, como tal, a pandemia ganha expressão nos lugares menos vacinados, aparecem novas mutações e vamos andar assim por muito tempo enquanto não aparece um medicamento mais barato, rápido de produzir e que chegue a todo o lado.

          • Tempo ao tempo says:

            “Meu Deus”.

            Duplamente crente.
            Acreditas nesse antropoformismo e na nova religião. E eu é que sou paranóico!

          • Tempo ao tempo says:

            Então factos são teorias da conspiração.

            Rebate lá a minha argumentação com argumentos. Não com falácias.
            Coloquei fontes.
            Mostra lá a tua base científica do meu deus. Esse ser imaginário omnipotente e omnipresente.

          • Vítor M. says:

            Eu também coloquei, mas mesmo colocando, não vais nunca aceitar, por isso dialogar com negacionistas é pura perda de tempo. Tens a tua opinião, mas tanto que a tentas sustentar que demonstras que não estás seguro do que dizes. Portanto, dialogar sobre este tema com negacionistas é pura perda de tempo. Não quero de maneira nenhuma demover-te da tua cruzada.

          • Tempo ao tempo says:

            Para ti só contam os que dizem aquilo que tu queres. Não fosse o teimoso Galileu ir contra tudo e contra todos e, além de estarmos todos debaixo da capa do clero, ainda pensávamos estar no centro do universo. O mundo que temos não se deve às massas ignorantes e cegas. Deve-se a teimosos que, contra tudo e contra todos, ousaram desafiar as ordens vigentes em cada época.

          • Vítor M. says:

            Tu podes à vontade tentar colar aos outros o que te dizem a ti. Isso é totalmente irrelevante. Eu conto com toda a informação válida, e não envolvo mundos e fundos para, de alguma forma, criar cenários conspiratórios. Deixo que cada um siga o seu caminho e seja livre sem nunca limitar a liberdade dos outros, como os negacionistas querem fazer com teorias e cenas apocalíticas. Não querem ser vacinados, como foram quando eram crianças (e que hoje são o que as vacinas proporcionaram)? Tudo bem… é com cada um.

            Só tem de prevalecer o respeito. O resto, é o resto.

      • Luís Costa says:

        Estás a dizer que um post aqui no vosso próprio fórum que diz que a carga viral é a mesma em vacinados e não vacinados está errado?

        • Vítor M. says:

          Tu é que estás a dizer isso, o que eu disse e coloquei informações foi:

          A pessoa mesmo estando vacinada pode ser infetada, não desenvolve a doença num quadro grave e tem menos capacidade de propagar o vírus. https://bit.ly/311RYzT

          A recent study has found that vaccinated people infected with delta variant are 63% less likely to infect people who are unvaccinated.

          The benefit of vaccines is even higher than 63%, because most vaccinated people don’t become infected in the first place

          https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2021.10.14.21264959v1

          Como tal, é importante as pessoas serem vacinadas, para estarem mais protegidas e, mesmo que sejam contagiadas, não propagarem o vírus com a força que os não vacinados o propagam, segundo o que foi referido pelas entidades referidas.

          • Vítor M. says:

            Bom, se leres o que deixei verás que não é igual ao artigo. Um é sobre a generalidade das variantes, este que escrevemos recentemente fala da variante Delta e num pequeno número de pessoas, neste caso foram 621 participantes em contexto familiar.

            Leiam antes de comentar, só ficam a ganhar com a informação que adquirem, até poderá ajudar a decidir nalgum cenário.

          • Luís Costa says:

            Ahh agora não é da Delta é da generalidade.. se a variante Delta é a variante mais predominante para que é que as outras interessam neste momento para a carga viral vacinados/não vacinados?

            Dizes que 621 são poucos no entanto as amostras das estatísticas nas crianças o número também é baixíssimo e no entanto não te vi por aqui a reclamar disso

          • Vítor M. says:

            Mistura os assuntos para teres razão. Fala-se num assunto, como faltam argumentos…. aaa e as crianças e tal… calma, tem calma.

            Singe-te ao assunto em discussão. Lê o que deixei sobre este assunto. Assim é um diálogo mais proveitoso.

            A ideia é trazer informações que ajudem as pessoas e não ganhar uma medalha 😉

            Vá, lê o que deixei.

          • Luís Costa says:

            “As pessoas vacinadas, como está comprovado, estão muito mais protegidas, apesar de poderem ser infetadas, não desenvolvem a doença em estado grave. Além disso, têm muito menos capacidade de propagação do vírus, porque ficam com baixa carga viral”

            Duas mentiras em duas frases, as pessoas MESMO com a vacina podem desenvolver a doença em estado grave, a probabilidade diminui mas não diminui até 0%.. depois a última frase é a mentira que me referia, neste caso falando da Delta, a carga viral é idêntica e eu é que sou o incoerente

          • Vítor M. says:

            Nenhuma mentira, tu passaste ao lado de uma graves carreira, porque apenas citei o que está referido nos documentos partilharia.

            Mas tu, ilustre anónimo, sabes mais que os especialistas. Grande ego jj :O

  5. Tempo ao tempo says:

    “When it comes to prescription drugs, Big Pharma often plays roulette with consumers’ health.

    Fortunately, in recent years the negligent actions of pharmaceutical companies are being called into question and lawsuits have been filed. These settlements are huge, even for some of the largest pharmaceutical manufacturers in the world.”

    Fonte: enjuris . com

    • Tonheco says:

      Não necessário ires tão longe para veres disparastes alarmistas tal “covideirisse”.

      https ://observador.pt/2019/10/30/aumento-de-casos-de-meningite-w-leva-a-corrida-a-vacina-nas-farmacias/~

      https ://sicnoticias.pt/saude-e-bem-estar/2019-10-30-Colegio-de-Pediatria-nao-entende-a-corrida-a-vacina-da-meningite-W

  6. roberto says:

    Esperemos que os Media tragam estas noticias a publico como o mesmo afinco que têm usado na publicidade ao medo.
    https://www.youtube.com/watch?v=gJ8t0qQ5R4I

    temos muitos que irão enfrentar os tribunais futuramente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.