Quantcast
PplWare Mobile

Mulher processa a Apple depois de gastar mais de 3 mil dólares em compras in-app

                                    
                                

Fonte: AppleInsider

Autor: Marisa Pinto


  1. Joao says:

    Karen quer ainda que a empresa da maçã pague os honorários do seu advogado e ainda conceda a este um prémio pelos “seus serviços, neste caso, em nome da classe“.

    Será que o advogado é o marido? Loool

  2. Abreu says:

    Entretanto ficaram com 30%..

  3. Fak says:

    Ou seja, ela instala a app e, cientemente, compra créditos…
    e agora quer que a Apple lhe devolva o dinheiro?
    Isso é tipo eu ir ao casino e depois ir pedir o dinheiro de volta ao meu vizinho…

    Não faz sentido.
    Se a app viola lá as regras do estado, OK, é fazer a remoção da app, mas duvido que alguém lhe vá devolver o dinheiro já que ela era consciente das suas ações, à partida, pelo menos o artigo não diz que foi sem saber.

    • Apple says:

      O problema disto é que as marcas transforam-se em ativistas, por exemplo, um anuncio de bebida alcoólica, no fundo do anuncio diz “Beba com moderação!”, ou então um maço de tabaco “Fumar mata!”…. e o pessoal acha que pode responsabilizar as marcas porque foram ingénuos, foram alvos das marcas. É a desresponsabilização da sociedade, é o assistencialismo criado pelo sistema politico para imbecilizar a sociedade. As pessoas tem obrigação de ser responsaveis pelos seus actos e nao esperar que a marca x, y ou z, ou o proprio Estado vá remediar os erros que eles proprios cometeram.

  4. acs says:

    O facto do nome dela ser Karen melhora a noticia 100%

  5. PTO says:

    LOL, que grande croma!
    Vou processar os casinos por eu ser imbecil e deixar lá o meu ordenado todo.
    Ou os bares por beber demais e ter apanhado uma cirrose.
    Ou a indústria alimentar por eu não controlar o que como e ter ficado com 200 quilos.
    Enfim… esta sociedade de cada vez mais pessoas com uma total incapacidade de auto-reflexão e auto-critica vai por um “excelente” caminho, vai, vai.

  6. Ze Duarte says:

    Interessante, gastou ate onde podia a ver se lhe saia o jackpot, não ganhou, vai processar quem lhe pode devolver com desculpas que é muito facil gastar e que provavelmente tem problemas mentais.

  7. Mario says:

    Vou processar a Fiat porque depois que comprei o meu, tenho sempre que comprar gasolina para continuar a andar com ele.

  8. Pedro F. says:

    Portanto, quando é a Epic a não cumprir as regras, é culpada porque não cumpriu as regras da app store…
    Quando as regras não são cumpridas com o consentimento da Apple, a culpa é das pessoas…

    • SSD says:

      Nada a ver amigo, eu também apoio algumas das declarações da epic até pq ao contrário aqui da miss Karen eles nem têm opção de escolha.
      Agora se não tens auto controlo nao podes meter te em jogo, álcool, tabaco e culpar as marcas depois. Esta vai ser a mítica que se perder este processo (sendo os States tem uma pequena hipotese) provavelmente vai atrás do developer do jogo a seguir

      • Manuel says:

        A Epic tem opção: não lançava o jogo para iOS. Tanto quanto sei, as regras foram sempre transparentes para quem quer usar a App Store.

        • SSD says:

          E isso não parece um bocado ditatorial? Ou nos dão 30% ou não lançam o jogo?
          Atenção o meu argumento é igual seja qual for a store e a empresa. 30% é imenso. E o argumento de que tem mais visibilidade também dá para fazer o reverso e dizer que se a store so tiver jogos/aplicação de treta também ninguém a vai usar

          • José Fonseca Amadeu says:

            Não só esses 30% servem para pagar SDKs, APIs, manutenção da App Store, segurança, etc. Como são o retorno de permitir que as aplicações cheguem a um potencial de 1.5 B iOS devices, com uma percentagem de paying costumers sem semelhante em qualquer outra plataforma.
            EPIC quer ser mais do que aquilo que é, e quer quebrar contratos e regras para obter mais lucro, os fees da App Store e da Google Store já existem há mais de 1 década, não é nada de novo, é um modelo de negócio como outro qualquer, tudo isto só revela que tipo de empresa a EPIC é.

          • AD9 says:

            Pois e não dá lucro nenhum certo, aposto que é tudo ela por ela…
            O segundo argumento não faz pq no android também consegues chegar e tens a opção de não estar na store, no IOS não, daí a guerra principal ser com a Apple.
            E não é por alguma coisa existir há muito tempo que está certo, com esse pensamento ainda estávamos na ditadura. Quando surgiram tudo bem precisavam de compensar os gastos, hoje em dia já não é o caso e reduzissem essa fatia para metade estava mais do que suficiente para eles ganharem e para as pequenas empresas subsistirem pq não se esqueçam que nem todas as empresas têm o tamanho da epic e para algumas 30% é um corte substancial.
            Ah e já sei que grande parte do pessoal a Epic so surgiu com o fornite mas garanto vos que ela já era bem grande bem antes de haver smartphones sequer

          • SSD says:

            Bem verdade amigo, trabalhando com e numa pequena empresa de desenvolvimento, o pessoal não tem noção de quanto custa realmente, em termos de horas, trabalho, custo e depois ainda pensares se compensa ou não estar a usar as stores. E a verdade é que se não chegares às centenas de milhares de downloads não compensa, e para estas empresas todo o custo é enorme. Nem todos temos o tamanho da epic ou algo parecido.

          • Manuel says:

            Não. DItatorial era se a Apple obrigasse a Epic a publicar o jogo no seu ecossistema. Tanto quanto sei, foi uma aposta da Epic, logo tem que se sujeitar às regras em vigor. Também não gosto muito de pagar os impostos que pago na minha empresa, mas como foi uma opção minha abrir a empresa em Portugal, tenho que me sujeitar às regras.

          • PTO says:

            Ditatorial? Tipo, a loja é minha, se queres lá vender os teus produtos aceitas as minhas condições. Se não aceitas então abre tu a tua loja e vende as tuas coisas lá. Não podes é aceitar e depois andar a aldrabar e quando és apanhado começas a fazer birra que as condições não são boas. Foi exatamente isso que a Epic fez, tem ZERO razão.

          • Cfpinto says:

            30% é uma margem razoável na venda a retalho. Não vejo qual é o escândalo. Ou achas que a margem de um vendedor de componentes para pc ganha menos que isso? Podia ser menos? Podia. Mas se as empresas pagam porque não cobrar? Para mim a única coisa errada é o iOS não deixar instalar de outras fontes mas as implicações de segurança fazem-me pensar que provavelmente é melhor assim.

          • SSD says:

            Mas a questão é essa. Não á alternativa no IOS. No android podes por para instalar por apks, no IOS tem de passar tudo pela loja obrigatoriamente. Não concordo em absoluto com as manobras da Epic, agora que devia haver uma alternativa devia. Se querem a visibilidade e a facilidade de fazer download direto da store então prescindem de um certo valor (mas devia haver uma redução da percentagem de qq maneira) ou tentam a vossa sorte a ver se o pessoal quer andar a sacar por apks

          • Vítor M. says:

            E não haver dentro de um sistema controlado e gerido por uma empresa, outra empresa, marca ou entidade a colocar conteúdos, é mau? Vê lá se dentro do Banco BPI tens o BCP na mesa ao lado a fazer depósitos. Ou se dentro do Mcdonalds tens uma fila para comprar Burger King. Não percebo certa paranoia de pensar que as empresas podem abrir o seu trabalho a outros só porque cresceram, apostaram, arriscaram, e agora, como são grandes, devem aos outros, uns preguiçosos, outros menos ariscos, a oportunidade de procriarem em ceara alheia. Juro que não entendo. Esta ideia de governar e levar a vida com o dinheiro dos outros, é tipo uma doença. Na política até formam partidos!!!!

            Aaaa mas na Google podemos usar o APK. Podes, claro que sim, mas isso é porque dá jeito à Google que os utilizadores da China, por exemplo, usem o Android, porque como a Google não tem loja de apps na China, cortar o APK era dar um tiro mortal no Android, tendo em conta que grande parte dos utilizadores Android são da China e com smartphones de marcas da China.

            Não tenhas dúvida que no dia que a Google deixar de precisar desse mercado, a primeira coisa a fazer é cortar de imediato com a fonte de problemas que é ter a tal liberdade de qualquer um fazer apps sem dar um tostão à Google e introduzir malware, muito malware, no Android. Depois, os programadores devem ficar mesmo satisfeitos de ver o seu trabalho “gamado” com esquemas a usar o seu APK sem lhes pagar um cêntimo 😉

          • SSD says:

            Caro CF se quiseres passo te o número de um amigo meu para o ouvires a partir se a rir quando lhe disseres que ele tira 30%, muitas vezes nem 10 quanto mais. Há negócios que ele diz que se o produto já estiver praticamente despachado do lado do vendedor final ele consegue puxar mais um bocadinho (20%, talvez até os 30) mas garanto lue que 95% dos negócios ele mal consegue por 10 ou vai perder o negócio.
            Hoje em dia até as grandes superfícies já começam a baixar com a concorrência quanto mais

          • Cfpinto says:

            De acordo com o INE em colaboração com o gee num estudo de Jun 2018 a margem média no comércio a retalho varia entre os 15 e os 30%. Não mates o mensageiro

          • SSD says:

            Vitor, a questão da segurança é um ponto válido com o qual concordo. Agora daí se dar a escolha ao utilizador, acho eu de que.
            Quanto á segunda parte, a menos que o trompas ganhe daqui a uma semana e assim o imponha dificilmente o Google vai deixar de apostar no mercado chinês. Agora o resto vai do bom senso do utilizador eu já instalei varias aplicações por apk e até agora não tenho qq problema validado.
            Respondendo a parte do dinheiro não é uma questão de dever ou não simplesmente acho um valor exagerado, discuto esse valor como se discute o valor do IVA ou outro imposto só e apenas. Repetindo nem todos têm o tamanho da Epic e para algumas empresas “pequeninas” esse corte não tem nada de pequeno.

          • Vítor M. says:

            A questão da segurança é cada vez mais o ponto principal. Isso leva-nos para a segunda parte. O mercado chinês pode não estar disponível à Google muito mais tempo. Até porque a Google tem um concorrente forte lá dentro e é fonte de problemas no que toca à proliferação de informação que o regime não quer ver exposta. Se o Trump ganhar, as relações com a China vão-se agudizar, não tenhas dúvidas. Mas mesmo que não ganhe, há um caminho que os democratas vão querer aproveitar, que é cortar da América a dependência do mercado chinês. E a China vai retaliar. Mas isso será para daqui a uns tempos. As empresas americanas que tenham interesses no mercado chinês, mas que sejam fortes empregadores, poderão passar entre os pingos da chuva, mas mesmo assim… não estão a salvo!!!

            Voltando ao assunto de destaque, 30% de muitos, é bastante, 30% de pouco é modesto. Portanto, as empresas que faturam pouco, 30% também não será pior que nada, até porque lá dentro, têm garantido um sem número de utilizadores que poderão pagar para poderem dividor 70% para a empresa e 30% para a Apple. Depois, quem faz barulho não são as empresas pequenas, vês a fazer barulho a EPIC que inclusive tentou enganar a Apple com software proibido dentro da sua app no iOS. Depois vês o Spotify que quer a todo o custo travar a Apple de dar relevância ao seu Apple Music. Por um lado não quer pagar os 30%, por outro queixa-se que a Apple não pode dar tanta relevância ao seu próprio serviço de streaming. Depois a SONOS, também veio a terreiro mandar a sua bitaitada. Conclusão, a SONOS que faturava uns milhões com produtos nas Apple Store, viu a sua faturação cair para…. nada, dado que deixaram de se vender esses dispositivos nas lojas Apple. O que ganharam com o facto de estarem a pressionar a Apple? Nada…

            É a velha história do “quem tudo quer….. ” 😉

          • SSD says:

            Sim por um lado até gostava de ver o resultado desse afastamento por outro cheira me que os estilhaços “dessa guerra amigável” vão sobrar para todo o lado.
            Agora eu já disse e repito eu concordo em certos pontos com a Epic mas não com a forma que eles quiseram fazer as coisas. Provavelmente juntar 3 ou 4 e pressionar/tentar negociar com a Apple teria uma solução mais pacífica. Agora cada um a tentar puxar o seu cavalo claro que parece aquilo que no fundo estão a ser, interesseiros a tentar aproveitar a situação.
            Esperemos pelos episódios seguintes.

        • SSD says:

          CFpinto, não mato amigo mas temos de separar grandes distribuidores de vendedores “individuais”. O meu amigo comercial tem dias que quase tem de “pedinchar” aos clientes regulares para conseguir alguma venda, se fosse por uma percentagem mais alta deixava de compensar a compra da parte do intermediário.

  9. Xnelox says:

    Será que posso processar os jogos Santa casa por não me sair o euro milhões e ser vítima de esperança proveniente desse jogo?

  10. Pedro Fernandes says:

    😉 O Pior é que USA tudo é possível, não admira nada que ela possa ganhar o caso.

  11. Pásiçocego says:

    Acontece-me mais ou menos o mesmo quando a minha esposa vai às compras… Será que posso processar os meus sogros?!?!?

  12. Narciso Miranda says:

    Oh Karen 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.