PplWare Mobile

FBI forçou suspeito a desbloquear o seu iPhone X durante uma investigação


Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

  1. Pedro says:

    Para bloquear nada melhor que no mínimo 6 dígitos ou palavra passe. Desbloquear com a cara, olhos ou impressão digital é super inseguro. Basta a pessoa estar inconsciente, que estende a passadeira.
    Refiro me apenas aos métodos de segurança e não ao indivíduo apanhado.

  2. Cláudio Esperança says:

    Creio que a legislação portuguesa também permite que sejam utilizados dados biométricos para desbloquear um dispositivo para fins de investigação criminal. No entanto, creio que não podem obrigar que o sujeito divulgue a sua palavra-passe ou pin, dado que isto poderia permitir aceder a informações pessoais de forma continuada, por exemplo, de terceiros com uma relação com o sujeito mas fora do âmbito da investigação.

  3. joao magalhaes says:

    Finalmente algo de util da Apple, assim vai ser mais fácil apanhar criminosos.

  4. Nuno says:

    Os EUA são um estado policial ! Roubaste uma maçã ? 60 anos de cadeia já !
    5% da população dos EUA estão presos.
    Ainda bem que por cá temos mais direitos (secalhar até direitos a mais…)

    • Rui says:

      Como? Os EUA são o exemplo de como deve funcionar uma democracia, independentemente do dinheiro do investigado. Que o diga o Madoff que nem os 70 mil milhões de dólares que geriu serviram-lhe de muito! Ele, a esposa e os filhos ficaram sem nada, num julgamento de 6 meses e apanhou mais de 100 anos de cadeia.
      Pergunto e onde pára o Sócrates, o Salgado, o Vara, Duarte Lima? Cá temos uma república das bananas, em que os criminosos qualquer cedilha fora do sítio serve para soltar bandidos. Quando temos um colectivo de juízes que diz que uma mulher violada no wc de uma discoteca, por funcionários desta, mesmo estando desmaiada foi sexo consentido…… estou esclarecido sobre a república das bananas!
      Pior, o caso do iphone foi provavelmente com um cidadão dos EUA, porque se for estrangeiro, por exemplo português, eles podem logo alegar terrorismo e até podem cortar dedos e por aí a fora!!!!!
      Outro exemplo, um carro que é mandado parar, vê o que lhe acontece. Até pode sobreviver, mas …….

      • rodrigo says:

        Os Estados Unidos nao seguem uma democracia.

      • John says:

        para cada Madoff nos USA, há 50 socrates/salgados/etc
        não digo que cá não seja uma palhaçada, mas dizer que lá não existem casos iguais ou piores, é no minimo ridiculo.

      • Hugo says:

        Já vi imensos vídeos de operações stop e sinceramente não vi abuso da autoridade em lado nenhum. Nem sei como os policias têm tanta paciência e arriscam tanto as próprias vidas.
        Ninguém liga nenhuma a ordens alheias. Para mim devia ser pior, pois o povo Americano (não querendo generalizar) não tem respeito nenhum pelas autoridades. É uma autêntica selva disfarçada.

  5. Napoleon Bonaparte says:

    Felizmente que mesmo em Portugal, não é um juiz, como também não é uma vara, que fazem a justiça!
    Por isso, ainda que alguns se dediquem a fazerem acórdãos á medida para alguns arguidos-clientes, ainda que alguns se entreguem de corpo e alma A desmontagem pedra por pedra o trabalho do MP, ou ainda que investigadores não olhrm a meios para alcançar os fins, atropelando os direitos do arguido ou até o próprio arguido, alegando que caiu nas escadas, nada disso fará parar aqueles que de boa fé todos os dias fazem o que podem para levar perante a justiça aqueles que cometeram crimes ou ainda fazem o que podem para os julgar de forma legal e equitativa perante as práticas que esses arguidos levaram a cabo. E tudo no respeito da lei!

  6. Napoleon Bonaparte says:

    Referia-me eu á Justiça com um J maiúsculo, como é óbvio.

  7. AAA says:

    Provavelmente deve haver forma de usar as shortcuts da Siri para apagar todo o conteúdo do iPhone. E assim bastava ao utilizador invocar a shortcut pela Siri e lá se ia todo o conteúdo.

  8. AAA says:

    E bastava o user primir 5 vezes seguidas o botão do power e o iPhone só ia desbloquear por código e só voltaria a pedir Face ID depois de introduzir o código uma vez com sucesso.

  9. antonio says:

    Ultimamente nos EUA depois de abater um sujeito a primeira coisa que a polícia faz é usar o dedo do morto para desbloquear o iPhone. Se passar um certo tempo já não dá.
    https://www.bbc.com/news/technology-43865109

    P.S. Se pensam que a polícia está a violar os direitos do morto esqueçam. Um morto já não tem direitos.

    • Hugo says:

      Se ele não tivesse tentado fugir tinha evitado todas estas questões “morais”.
      Não deixa de ser irónico, pessoas que não respeitam autoridades reclamarem direitos…

  10. alguem por ai says:

    mas estao a gozar e preocupados com os direitos?segundo os juizes aqui em portugal até ja se pode violar raparigas inconscientes que não é muito grave… apartir dai qualquer coisa que peçam é irrelevante lolol.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.