Quantcast
PplWare Mobile

Conheça os seis maiores rancores da vida de Steve Jobs

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Vítor M.


  1. Pedro says:

    Jobs nunca suportou a concorrência. Achei graça ao primeiro ponto. De facto, a qualidade das músicas do iTunes, tal como em quase todos os serviços de música, são fracos. Não é defeito, é feitio.

    • PSL says:

      Fracos?

      Queres explicar isso? Assim com bases científicas?

      É que os tolinhos dizem que ouvem diferenças, bem diferente da realidade.

      É que em testes A/B científicos, está comprovado que o ser humano não consegue distinguir a diferença entre AAC, e mesmo MP3 em comparação com lossless, isto a partir de um bitrate bem inferior ao do iTunes.

      • Pedro says:

        Com certeza que explico. Podes ver estes dois:
        http://readwrite.com/2012/02/05/digital_music_bad_sound_quality

        http://www.pcmag.com/article2/0,2817,2399710,00.asp

        e as bases científicas que pediste também:
        http://www.popsci.com/science/article/2013-02/why-audio-compression-sounds-so-bad

        Este vídeo demonstra também muito bem o problema que surgiu com a música digital:
        https://www.youtube.com/watch?v=TqQX3htzhSY

      • niquelnausea says:

        “qualidades melhores” servem para agradar aos olhos na forma de números, e não aos ouvidos na forma de som.
        na maioria dos casos, tamanho tem prioridade sobre fidelidade sonora, ou visual, no caso dos filmes.

        • PSL says:

          A partir de um certo ponto, a capacidade humana (sistema completo, desde as orelhas, ao tímpano, ao cérebro) o original da cópia lossless perde-se completamente.

          Não porque o ficheiro é exactamente igual, não é esse o objectivo, simplesmente não faz diferença absolutamente nenhuma para um humano.

          Que ponto é esse? Não se sabe, mas fazendo testes, permite-se encontrar o nível necessário para não se conseguir distinguir.

          Para MP3 o nível está em cerca de 160kbps, para AAC, anda à volta dos 128kbps. Os ficheiros do iTunes são AAC de 256Kbps

          Por isso, podem vir com tretas e mais tretas, ninguém é capaz de distinguir a diferença, nem o homem, nem o animal, nem nenhum ser vivo.

          É estúpido, é como a astrologia, há sempre alguém que acredita, e depois há uma indústria monumental a forçar isso como realista.

          Depois há quem meta porradas de dinheiro nisso, e quanto mais metem, mais se enterram, e menos vão querer acreditar que têm sido comidos por lorpas.

          Mas enfim… podia ser pior…

          • Tiago says:

            eu consigo distinguir entre 1 mp3 a 192 e a 320. se ouves musica com Phones dos chineses ou da beats não notas, mas com material decente é bastante notório, especialmente nos agudos. não Fales do que não sabes.

          • Mikes says:

            O problema está na produção da música já a pensar no mp3.
            Hoje em dia as músicas são produzidas / masterizadad de maneira diferente de quando eram para CD e ainda mais diferente para quand era para vinil – por isso a oferta dos vinis, para o jobs perceber o problema.

          • Silva says:

            Tens algum artigo sério feito com uma quantidade representativa de pessoas, em ambiente controlado e feito em modo de teste “Cego”?

          • piri_vm says:

            Mas estás a querer dizer que um mp3, ou mesmo um CD tem som igual a um vinil?

          • Mr.Antunes says:

            Tu podes não conseguir distinguir as diferenças mas há bastante gente que consegue.

            Lá pela maioria não conseguir ou ter sido educada para apreciar mp3 não quer dizer que todos se sintam satisfeitos com qualidade inferior.

          • Sabichao says:

            Entre som não comprimido e mp3 a 256kbit/s noto muita diferença. No aac, não sei, nunca me dei ao trabalho de testar. A diferença está na envolvência, a capacidade de percepcionar os sons no espaço, que dependem de detalhes que são destruídos pelos compressores.
            Isto num sistema de som decente. Se é para ouvir no telemóvel, é irrelevante se é comprimido ou não…

      • Marco says:

        cientificamente ate podes ter razão, mas pega num disco de vinil de musica clássica e ouve num bom sistema de som, depois pega no mesmo disco em mp3 e em cd e ouve. vais notar diferenças no som, no vinil vais ter um som com mais alma, mais preenchido. A razão está na compressão dos dados e no limite maximo da frequência da onda. Se ouvires entrevistas de quem trabalha no mundo da música desde o vinil, todos se queixam do novo som, que é mt limpo, mas que lhe falta alma. Lembra-te q o mp3 é um formato de compressão com perda de dados.

        Não é por nada que muitos músicos andam novamente a gravar os discos em tape, fita.

      • Joca says:

        PSL deixa de ser fanático!O iTunes não é fraco mas também não é nada de extraordinário e tu estás longe de ter bases cientificas, só apresentas argumentos que procuras na net.

      • flavio says:

        Obvio que ha diferenças, e eu som um fan da apple, mas analogico é uma coisa e digital é outra. por mais que se esforcem com bitrates, num bom sistema de som diferencia se sempre um vinil de um qualquer formato digital, claro que nem toda a gente consegue diferenciar, mas alguem que trabalhe dentro da industria de musica consegue na boa, agora nao é por isso que o itunes merece uma critica, eles fazem o melhor que podem né, um ferrari e um opel corsa sao os dois carros e dao os dois pra qualquer pessoa, mas um é melhor que o outro, é simples

      • Darth says:

        Se ouvires as tuas musicas em phones da treta, enquanto tas a passear na rua, qualidade ate pode ser jeitosa… Mas tenta ouvir essas musicas num sistema de som decente em casa. Podes mencionar os testes cientificos que quiseres

    • Carlos says:

      Isto e uma discussao estupida…

      Os altifalantes dos computadores sao, na vasta maioria, uma bosta. Dizer que o problema esta no bitrate e depois ouvir musica nos altifalantes dum computador e ridiculo.

  2. Joselito says:

    Que é que disse que Neil Young tentou acalmar as coisas oferecendo a Jobs um conjunto de discos de vinil? Então, meus?! Se Young diz mal da musica digital do iTunes e “oferece” ao Jobs discos de vinil é porque estava a gozar com a cara do malogrado ao mostra por entrelinhas que musica é para ser ouvida em vinil. É por isso que compreendo a resposta do Jobs.

  3. Joselito says:

    Quem é que disse que Neil Young tentou acalmar as coisas oferecendo a Jobs um conjunto de discos de vinil? Então, meus?! Se Young diz mal da musica digital do iTunes e “oferece” ao Jobs discos de vinil é porque estava a gozar com a cara do malogrado ao mostra por entrelinhas que musica é para ser ouvida em vinil. É por isso que compreendo a resposta do Jobs.

  4. Benchmark do iPhone 6 says:

    Não. Comecei de cima para baixo, porque só conhecia Eric Schmidt (e Neil Young, mas não vem ao caso) e a história está muito, mas muito mal contada.

    Assim de memória, Schmidt pertencia ao Conselho superior não executivo (o nome ao certo não interessa) e ainda em Dezembro garantia que a Google não era rival, não competia com a Apple pelos menos produtos – quando em Janeiro, no mês seguinte, a Apple lançou o Android. Foi sendo informado sobre o iPhone e aproveitou-se disso. Em 2007 a Apple lançou o iPhone e em 2008, depois de umas reformulações depois de sair o iPhone – e em 2008 a Google já tinha o Android, via Andy Rubin, ex-engenheiro da Apple.

    Curiosamente, por lá ficou mais tempo, mas por expressa determinação de Jobs, não teve qualquer indicação de que o iPad estava em preparação – o que justifica a imensidade de tempo que o campo Android demorou a reagir ao tablet da Apple.

    De facto Jobs tinha-lhe um pó desgraçado. Eu não acho grande piada ao ar de sacristão dele. Também nunca percebi bem o que faz na Google depois de Larry Page ter assumido as funções de CEO. Acho que só tem a função de fala-barato.

  5. David Guerreiro says:

    O homem já está a fazer tijolo e ainda se preocupam com estas histórias da carochinha…

  6. Marcelo Barros says:

    Este gajo tinha 0 carácter, era um odioso, na realidade um frustrado que tratava mal quem não fazia o que ele queria. Um funcionário deixava de ter interesse descartava-o.

    Mas é a ganancia, dinheiro, fama, ser o maior de alguma coisa, poderoso, esmagar os outros, por isso o mundo esta como esta.

    Nojo de pessoas.

    • Marisa Pinto says:

      Conheceste-o pessoalmente? Privaste com ele tempo suficiente para o julgares dessa forma? 🙂

      • Carlos says:

        De certeza que não, mas há muitos relatos que tratava mal os empregados não os respeitava nem valorizava o trabalho deles, há outra historia infeliz relacionada com uma filha, nem tudo foram tempos de glória e é normal que antes mostrasse mais o seu caráter rancoroso.

        Até a própria invenção do primeiro PC é sempre atribuída a ele quando foi o Wozniak, ele só percebeu que aquilo tinha futuro(parte importante também),mas isto são outras águas.

        Atenção isto foi o que eu li pela web, e já sabemos que cada um é livre de escrever o que quer, por isso…

        • Nunes says:

          “Até a própria invenção do primeiro PC é sempre atribuída a ele quando foi o Wozniak”
          Nunca ouvi tal história! O Steve Jobs era a principal cara da Apple no início mas nunca se fez passar pelo inventor do computador nem roubar os créditos ao Wozniak, que não só era na altura um dos sócios principais da empresa como era de conhecimento público o seu trabalho. Se alguém atribui a Jobs tal coisa é por alguma má associação de ideias!

          • Carlos says:

            Sim quem acompanha e/ou é da área, sabe, mas ainda muita gente confunde isso, já vi um filme ou documentario, não me lembro, em que passava essa ideia.

          • Nunes says:

            A confusão que alguém possa fazer não tem nada a ver com alguma acção do Jobs

      • Joca says:

        Claro que não subscrevo as palavras do Marcelo, mas pelo pouco que tenho lido em livros e na net, acho que apesar de ter sido um génio do marketing, o Jobs tinha muitos defeitos pessoais e um feitio difícil. Mas quem não tem?

      • Marcelo Barros says:

        Pelos relatos que podemos ler, sabemos que nem tudo é verdade, mas quanto ao Steve Jobs a maioria converge.
        Para eles as pessoas eram maquinas, enquanto fossem bons para atingir os seus fins, tudo muito bem. Porque ele só pensava no sucesso da empresa, sucesso e mais sucesso, esquecendo-se que existia vida para fora disso, existem pessoas que tem sentimentos e necessidades.

        O problema deste mundo é resumido numa palavra “Ganancia”

        Vemos muitos ricaços que foram assim, mas quando começam a chegar ao final das suas vidas, percebem que afinal podem ser felizes a ajudar o próximo…

    • Nunes says:

      “na realidade um frustrado que tratava mal quem não fazia o que ele queria”
      Tinha que ser um frustrado muito especial para que muitos daqueles que pode ter tratado mal gostem ainda dele!

    • João Terra says:

      Ele lá tinha as razões dele. Cada um tem a sua forma de ser e não podemos estár a julgar ninguém.

      Mas que foi uma mente brilhante e que inovou lá isso foi, quem dera por exemplo a Intel e MS inovar o que ele inovou

    • flavio says:

      seja frostrado ou nao, ele ajudou a mudar o mundo da tecnologia, e a verdade é que se hoje o android é bom é pk este senhor obrigou o mercado a evoluir, provaveltente tinhas defeitos fudidos mas o ronaldo tambem tem e nos queremos ele a marcar pela selecçao na mesma. é o trabalho dele

  7. Mikes says:

    A Adobe entretanto arrumou com o software de design e media da Apple.
    A Google dá uma abada ao iOS…
    E por aí fora.
    Quem não sabe conviver com a concorrência tem tendência a perder.

    • Marco says:

      pois olha bem para a Google… que está a fechar-se cada vez mais. tb n sabe o que é conviver com a concorrência.

    • Nunes says:

      A Apple nunca teve software [profissional] de design, nada que tentasse sequer competir com o Photoshop, InDesign, Illustrator.
      Em video e audio [“media”] continua a ter do melhor software profissional no mercado. O único software profissional que a Apple acabou por abandonar foi o Aperture que competia com o Lightroom da Adobe

      • Marco says:

        bem como a minha resposta n foi aprovada ca vai.
        em video a apple teve durante muitos anos a benção dos profissionais, mas qd lançaram a ultima versão perderam a benção, procura bem na net e vais ver como os profissionais cascaram. O mac pro q parece ser uma grande maquina… meh… é uma máquina q n satisfaz os profissionais, discos n podem ser os normais, placa de som idem aspas aspas, placas de video…

        fala com um pro a ver o q ele acha da nova implementação das shares em samba.

        • Nunes says:

          muitos “cascaram” no novo FinalCut porque a mudança foi demasiado radical [não teve nada a ver com a concorrência], mas agora começam a ver as vantagens

          “O mac pro q parece ser uma grande maquina… meh… é uma máquina q n satisfaz os profissionais, discos n podem ser os normais, placa de som idem aspas aspas, placas de video…”
          placa de som!??
          Quem trabalha em ambientes profissionais usa RAIDs e NAS para fazer face à enorme quantidade de dados que necessita guardar e para resiliência, sendo apenas preciso que o disco do sistema seja rápido, coisa que é e muito. Nunca houve RAIDs tão rápidos como há agora com o Thunderbolt
          Quanto às placas de video há algumas razões de queixa pela pouca variedade de oferta, mas basta os programas suportarem a implementação para se ver as vantagens face aos Mac Pro anteriores!
          O facto é que tanto se sabe o novo Mac Pro tem tido bastante sucesso

          • Marco says:

            tanto qt sei, nr de vendas a nível nacional, é meh, estavam há espera de mais, no inicio ate se vendeu bem, mas agora…

            aquilo q disse anteriormente, n saiu da minha cabeça, ja m foi dito por n pessoas que ate compravam o novo pro, até pq ja tem o antigo, mas…

            as nas sao fixes para guardar os dados, pq os profissionais q conheço usam o disco local para trabalhar, e ai são precisos gigas ou ate teras.

            sim placas de som, no mercado profissional há quem use placas de som profissionais é uma mania deles.

          • Mikes says:

            Lol! Tu trabalhas em vídeo ou som com NAS ou em servidores?
            Não sabes do que falas e vens contar historias?

          • Nunes says:

            @ Marco
            placas de som é aquilo que não faz realmente sentido reclamar dado o uso actual de placas externas, periféricos para input/output e a baixa latência do Thunderbolt e FireWire!

            “pq os profissionais q conheço usam o disco local para trabalhar, e ai são precisos gigas ou ate teras.”
            É exactamente por serem precisos Teras para trabalhar que não se consegue depender só de 1 disco interno e a maioria prefere poder trocar facilmente os discos para dados. Tendo um conector ultrarápido faz muito mais sentido fazer essa troca em RAIDs ou discos externos que facilmente podem ser ligados a outros computadores caso seja necessário para trabalhar.
            Mencionei NAS porque fazem sentido em ambientes com vários computadores que necessitem de partilhar dados – um ambiente profissional!

          • Nunes says:

            @ Mikes
            NAS faz todo o sentido em ambientes com vários Macs em que é preciso partilhar dados comuns.
            E quem diz NAS tb pode falar em SAN.
            Os Macs estão preparados para partilhar recursos, até para “partilhar” o processador caso a aplicação o suporte, como é o caso do FinalCut Pro – video!

          • Mikes says:

            @Nunes
            Uma coisa é partilhar ficheiros terminados, ou sources, outra coisa é trabalhares em directamente em ficheiros alojados em rede (seja NAS, servidor, outro computador, etc.).
            É impossível trabalhares em ficheiros de podem chegar aos gigas estando estes alojados remotamente.

            A partir do momento que o Adobe Premiere começou a ter integração directa com Photoshop, AI, e outros, que o FinalCut morreu.
            Jé nem falo do After Effects e a sua integração nisto tudo.

            O Final Cut no meio profissional já morreu há uns anos. Há quem ainda o use, mas há anos que deixou de ser o “mais que tudo”.
            O Adobe Premiere ainda tem outra vantagem, é multi-plataforma, ou seja, eu tanto o uso am embiente Mac como em Windows, logo aí, arruma com o Final Cut.

            Vantagens actualmente em teres um Mac para trabalahr em edição de video, música ou design é zero.

          • Nunes says:

            @ Mikes
            Não digas disparates!
            Primeiro, as referências que fiz a RAIDs e NAS são no contexto de espaço de armazenamento alternativo para o que é preciso para trabalhar. Segundo, tu podes não ter uma NAS com performance mas que há NAS capazes para efeito lá isso há, caso seja necessário! Tudo depende do equipamento e implementação!

            “É impossível trabalhares em ficheiros de podem chegar aos gigas estando estes alojados remotamente.”
            essa só dá para rir!

            “A partir do momento que o Adobe Premiere começou a ter integração directa com Photoshop, AI, e outros, que o FinalCut morreu.”
            Não fazes ideia das ferramentas que há para integrar o Final Cut Pro com tantas outras aplicações, quer da Apple quer de terceiros! Nem fazes ideia da enorme performance que o FinalCut tem no Mac Pro…
            Tudo o que dizes não passa de disparates

          • Mikes says:

            @Nunes: fica com a tua que eu fico com a minha. Eu todos os dias mexo em media, portanto… eu fico com a minha.

          • Nunes says:

            @ Mikes
            podes até trabalhar, mas dizer coisas como
            ““É impossível trabalhares em ficheiros de podem chegar aos gigas estando estes alojados remotamente.””
            só dá para não levar a sério a tua posição!

        • Mikes says:

          @Nunes: Parece-me que estás a puxar o assunto para o meio do Broadcast, eu não estava a ir para esse lado, mas sim claro que é possível trabalhar com video servers.

          • Nunes says:

            é possível trabalhar com qualquer solução de armazenamento com rapidez suficiente para o trabalho. Para isso é que muita gente usa Fibre Channel para ligar a NAS ou SAN. E é por muita gente necessitar deste tipo de soluções que a Apple continua a evoluir o XSan, mesmo depois de ter deixado de vender hardware próprio para estas soluções!

    • Nunes says:

      “A Google dá uma abada ao iOS”
      deve ser por isso que a Google adopta cada vez mais políticas no Android que foram estabelecidas já há muito tempo pela Apple no iOS.
      Deve ser por isso que a Google se viu obrigada a mudar a sua estratégia de pagamentos móveis depois do iPhone ter ultrapassado em poucos meses o que a Google tinha há anos
      Deve ser por isso que a Google colocou algo tão estúpido em termos de segurança como o “on-body” do Android
      etc
      etc

      • Mikes says:

        Ahem… quem vende mais? Quem tem 80% de share, é a Apple?
        Wake up

        • Nunes says:

          lol! Não é a certamente a Google que tem 80% de share pois não vende quase nenhum aparelho, nem sequer tem visto um grande crescimento nos seus resultados por causa do Android! E não é certamente a plataforma Android que consegue aproveitar bem as suas vendas!

          • Mikes says:

            O tema é Android que foi desenvolvido pela Google a tal guerra do Jobs era essa! Não era a Samsung ou outra marca qualquer.

          • Nunes says:

            meu caro, se queres defender que a Google dá uma abadada tens que mostrar que consegue tirar proveito e que prejudica fortemente os resultados da Apple… Ora os resultados da Google não melhoraram grandemente com o Android e o crescimento da Apple é o que se tem visto!

        • Devias de perceber que a Apple não quer ter a maior fatia do mercado, para isso lançava iphones desde 5 cêntimos como a google tem andróides. Em vez disso apostam na qualidade e no melhor serviço para quem tem um iphone. Só percebes se tiveres um…

          • Mikes says:

            @Nunes e Tomás: então afinal qual era o receio do Jobs?!
            Segundo vocês, a Google não ganha nada com o Android e a Apple não quer ser líder.
            Afinal, segundo vocês, o Jobs só estava a fazer birra de criança, é isso?

          • Nunes says:

            “receio do Jobs?!”???
            pareceu-me bastante claro que o Jobs reagiu logo no início contra o roubo e traição da Google com o Android, não tinha nada a ver com o que a Google estava a ganhar na altura!
            Tu que dizes que a Google dá uma abada no iOS é que tens que explicar onde é que a Google ganha dinheiro ou onde a Apple perde imenso dinheiro!

          • Mikes says:

            @Nunes: A apple não passa dos 15% porquê?
            Não, o Jobs continuo a reajir contra o Android, segundo me lembro, ele chegou a dizer que por ele gastava o dinheiro todo da Apple só para acabar com o Android.

          • Nunes says:

            @ Mikes
            “, ele chegou a dizer que por ele gastava o dinheiro todo da Apple só para acabar com o Android.”
            e por aí se vê que não tinha nada a ver com dinheiro mas com a atitude!!
            São 15% que valem a maioria do dinheiro do mercado, o objectivo do negócio

    • Como é que eles arrumaram com o software de design da apple se a apple nunca o teve? No mac tens a suite toda da Adobe e devido as exigências de Steve Jobs temos uma suite muito melhor.
      A google dá uma abada ao iOS só se for em vírus, lags e bloqueios lol

      • Mikes says:

        A suite da Adobe é igual tanto no Windows como no OSX (eu uso-a diariamente nos dois mundos e as diferenças são mínimas e têm mais a a ver com definições de ajustes que em termos de trabalho).
        AH, acerca dos iPhone: eu não tenho um porque não quero! Essa ideia que só quem tem iphone é que sabe o que é bom não passa de conversa de alguém que sente necessidade em se mostrar.

        • Rui says:

          @Mikes
          Realmente não há quase diferenças na Suite da Adobe nos dois SO’s, mas que a performance num Mac é melhor, é… E também trabalho nos dois sistemas (Ps, Ai, In, Dw, Edge, Ae), e o meu MacBook Pro de 2011 na maioria das vezes (talvez à exceção com o Ae) porta-se melhor que muito “Windows” com i5 e o dobro da RAM…

  8. David Guerreiro says:

    O grande mal é o MPEG I Layer (MP3) não desaparecer. É uma tecnologia de compressão obsoleta. O Advanced Audio Coding (AAC) é muito mais avançado e permite melhor qualidade de som, com um tamanho inferior. Ainda bem que a Apple optou por essa compressão, fizeram uma excelente escolha.

  9. David says:

    @Nunes
    O iOS e um bom sistema tal como o Android mas tens de admitir que está demasiado fechado! Claro que em parte é pelo iTunes! Mas um gestor de ficheiros, a possibilidade de gerir o que colocas dentro do iPhone… Etc… Isso sinto falta pois até gosto muito do iPhone mas sinto falta de alguma manuseabilidade dentro do sistema e aí opto pelo Android!
    Quando falo na gestão de ficheiros, sei que há o iFile mas precisas de JB e quando o fazes notas que o sistema fica mais instável!
    Mas que eu acho o iOS mais aprimorado, menos conflituoso entre apps, mais estável isso não tenho dúvidas… E tenho Note 4 e Nexus 6 e sei do que falo… Mas a lacuna e “birra” em insistir com o não ter um gestor de ficheiros e o usar o iTunes e uma seca… E atenção com um Nexus chego a casa de alguém coloco o que quero… Com um iPhone não posso…

    • Nunes says:

      O iOS já tem forma para as aplicações irem buscar ficheiros a outras aplicações! É uma questão de tempo até que a maioria adopte isso.
      Quanto ao iTunes ninguém é obrigado a usá-lo para colocar e tirar ficheiros do aparelho para um computador, há alternativas – o computador no entanto tem que ter sido autenticado… Mas há até muitas aplicações capazes de fazer transferências sem fios sem necessidade de autenticação

      • Não Não says:

        Isso já acontece com o Windows Phone, muitas apps vão buscar ficheiros a outras, como por exemplo o app nativo de músicas, que vai buscar as músicas ao OneDrive.

      • David says:

        @Nunes
        Até há pouco tempo não conseguíamos enviar um email com um ou mais PDF associados!não me recordo se até era possível enviar PDF! Sei que fotos e audio sim…
        A questão é que há coisas que com a maturidade que tem já o iOS este já as devia ter…não é ter de ainda aguardar…daqui a 100 anos pode ter…mas hoje é o dia do comentário e hoje não existe!
        Há apps para alem do iTunes ou que contornam o iTunes mas eu quero chegar a casa de um amigo e copiar umas coisas e de seguida usar…e ao ligar o telemóvel ao iTunes noutro PC pode eliminar ob que temos no nosso iPhone… Ou pelo menos era assim… Podemos usar no Android uma pen USB…nos iPhone são grandes e precisam de apps especificas para trabalhar pq o iOS não tem um gestor de ficheiros… Ou pode ser usado por WiFi mas requer carregar e ter a sorte de no momento não perder a energia do dispositivo…com isso e só copiar para a pen,independentemente de usar OS X ou Windows ou Linux,em casa de N amigos ou N empresas…e funciona…simples e rápido…
        Autenticar… Autenticamos o nosso…e quando usamos os PCs dos amigos e do trabalho e etc como funciona?temos de autenticar todos e usar a mesma APP em todos…é bom que todos aprovem o uso dessa APP…

        IOS e fantástico e tenho saudades,o equipamento é deveras lindo mas é preciso mais…não basta ter um Ferrari se não podemos usar com algumas coisas que eu chamo básicas…por exemplo colocar ficheiros e tê-los organizados como quero e ir lá simplesmente clicar e ver,ler,ou ouvir…acho que podia fazer muito mais…mas muito mesmo…e não e que eu seja exigente…mas ha pessoas que deixam o iOS por essas razões que são a meu ver simples…

        • Nunes says:

          @ David
          Já há muito tempo que há soluções para enviar mais do que um ficheiro em anexo, basta usar as aplicações certas – é para isso que há uma loja de aplicações, para ir além daquilo que a Apple oferece!

          “temos de autenticar todos e usar a mesma APP em todos…é bom que todos aprovem o uso dessa APP…”
          As aplicações de que falei para WiFi não requerem qualquer autenticação, instalam-se no telemóvel e permitem fazer transferências por WiFi através dum browser ou dum cliente FTP, e quem tiver um Mac pode usar o AirDrop!
          E por falar em Macs, se quiseres fazer transferências dum Android é necessário ter instalado uma aplicação… isto porque o Android usa um protocolo do Windows para usar como disco USB!
          E não te esqueças duma coisa importante, as restrições na ligação a computadores estão em grande medida pensadas para o sistema de segurança do iOS, para evitar acessos não autorizados a um disco que está encriptado!

          Dito isto, é verdade que a Apple deve melhorar o iOS para que seja ainda mais versátil em certas tarefas, especialmente quando a concorrência faz algumas coisas de forma mais ágil!

      • David says:

        @Nunes…curiosidade em experimentar…

        Se me puderes ajudar, agradecia!
        Se puderes informar quais as apps para usar ao invés do iTunes agradecia! quais as que servem para enviar mais que um ficheiro por mail ao mesmo tempo, um gestor de ficheiros…e claro algo que possa ligar o iPhone num qq pc para copiar alguma coisa…caso seja necessário! Arranjei um iPhone 6 + e queria testar…

        • Nunes says:

          @ David
          Já o velhinho QuickOffice, mesmo na versão grátis fazia isso tudo, permitia seleccionar mais do que um ficheiro para enviar em anexo e permitia fazer transferências de ficheiros por WiFi usando um browser no lado do computador. Há ainda o File Manager, Documents, etc, etc!
          Quanto ao iTunes tanta aplicação que há que permite aceder a aparelhos iOS, não deveria ser muito complicado de descobrires – até parece má vontade da tua parte. No Mac há por exemplo o iFunbox… uma entre muitas!

          • David says:

            @Nunes
            Agradeço a ajuda! contudo ajudar não significa mandar “piadas” não é má vontade, é apenas curiosidade em saber se as coisas são as mesmas…
            O que queria era algo do genero do iFile,Filza mas sem ter de recorrer ao jailbreaking!
            Quando a adicionar vários ficheiros…ainda a experimentar…

            Para já a testar o iExplorer…

            Contudo, penso que ajudar não custa! e se for para dar dicas e mandar piadas, é preferível que digas que não! fica-te melhor! contudo obrigado!

          • Nunes says:

            @ David
            ajuda!?
            a partir do momento que te falam sobre a existência de aplicações para fazer estas coisas todas, não requer muito esforço para encontrar!! Por isso vires perguntar para dar exemplos [e depois do que já tinhas dito] só leva a crer que ou preferes não acreditar ou mostras má vontade

  10. Pedro says:

    O Steve a secar as lágrimas causadas por estes rancores…

    http://i.imgur.com/vmzX7hc.gif

  11. Jose says:

    Comportamento de criança a meu ver.

  12. Carlos Gouveia says:

    Há pessoas ambiciosas. Depois há as gananciosas…

  13. redefoca says:

    A apple ganha tanto dinheiro com o seu novo smartphone que não sabem o que fazer com tanto dolar.

    Para quê ter boas ideias e ganhar tanto dinheiro se no fundo acabam todos por gasta-lo da mesma maneira.

  14. David Guerreiro says:

    Jobs tinha rancor a tudo aquilo que não conseguia controlar, daí o seu ódio aos produtos da Adobe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.