Quantcast
PplWare Mobile

Apple TV+ pode chegar aos 100 milhões de assinantes até 2025

                                    
                                

Autor: Marisa Pinto


  1. Galo says:

    Não fazendo critica direta ao pplware, mas esta noticia per se diz muito pouco.
    Por exemplo qual a previsão de crescimento das outras plataformas no mesmo periodo?
    E por exemplo fazendo umas contas simples: se a Apple passar de 34 milhoes em 2020 para 100 em 2025 por ano cativa 13 milhoes de assinantes em média.
    Comparando com “numeros” da netflix, estas previsões para a Apple não são assim tao fantasticas:
    a netflix em março de 2013 possuia 33 milhões de assinantes e atualmente 167 milhoes, ou seja, em média 19 milhoes de novos utilizador ganhos a cada ano.
    Claro que ha outros fatores que influenciam estes numeros, no entanto, era apenas para mostrar que sem comparação, estas previsoes dizem muito pouco…

    • saldoso says:

      Nem tudo requer uma análise focada numa comparação dessas, pois a viabilidade dum produto/serviço não necessita que seja o maior de todos ou em que lugar fica.
      Vê isto antes como uma previsão de que este serviço vai continuar a crescer apesar de neste momento ter uma oferta reduzida de conteúdos exclusivos.

      • Galo says:

        Sim, mas alguem esperaria o contrário? Sendo um serviço novo mas que tem por trás uma marca forte seria de esperar um crescimento de assinantes (e nesse tempo a oferta obviamente também irá crescer).
        O importante seria perceber se esse crescimento é “anormal” (seja positiva ou negativamente), se é maior ou menor do que o observado pelos concorrentes no mesmo tempo, ou no mesmo tempo de vida.
        Como noticia, assim, diz pouco.

        • Jorge Carvalho says:

          Esta noticia é uma analise da evolução do serviço per si .
          È indiferente o que os outros fazem ou deixam de fazer. O crescimento não tem que ser anormal nem normal. Apenas interessa o retorno que o mesmo dará.

          Abc

        • saldoso says:

          O importante para ti!
          Mas para um analista o que quer primeiro é saber se o serviço tem realmente pernas para aguentar, na se limita a lançar para o ar que só porque é Apple então vai ser isto ou aquilo. O “anormal” não existe, nesta óptica.

          • Galo says:

            Não vamos confundir as coisas… Obviamente que tudo o que escrevemos aqui é a nossa opinião (a não ser que seja sustentada em factos irrefutáveis). E eu dei a minha. Tu desta a tua 🙂

            Para mim, o que escreveste ainda reforça mais a minha ideia.

            Para se saber se um negocio tem pernas para andar fazem-se planos de negocio, que têm metas, e essas metas não são simplesmente “vender mais que no ano anterior”. É muito mais complexo que isso…por exemplo, há negocios que para se manterem têm de crescer x% ao ano, alcançar cotas de mercado de y%.

            Quando referi anormal (confesso que nao foi a melhor palavra) queria dizer crescimento fora do espectável – pode angariar mais clientes do que espectavel ou menos do que o espectavel.

            Quem lê esta noticia a única informação que tira é que Apple vai angariar mais clientes…o que reforço que seria de esperar, já que a Apple é uma marca forte, com produtos de qualidade e este é um serviço novo que oferece. Além disso, este tipo de serviço está cada vez mais na moda!! Surgem plataformas novas, e todas crescem! Sinceramente, alguém esperava que de 2020-2025 a Apple reduzisse o número de cliente?!?

            Mais interessante seria perceber este crescimento no contexto do mercado…por exemplo, eu que nao trabalho na área, fazendo umas contas simples, percebi que o crescimento anual da netflix ate ao momento é Maior do que aquele previsto para a Apple.

          • saldoso says:

            Mas a notícia é a análise feita, e a análise feita é ao serviço da Apple, não uma análise completa de mercado.
            Os negócios para se manterem têm que ser capazes cobrir o investimento e os custos fixos e de produção, num determinado período de tempo. O alcançar uma cota de mercado é em função disto e não ao contrário, ou seja não é em função de se tem mais cota ou cresce mais do que outros, até porque podes ter menor crescimento e muito menor cota, e mesmo assim obter mais lucros.
            A verdade é que surgem muitas novas plataformas que acabam por desaparecer passado pouco tempo. E isso já aconteceu com a Apple.

          • Jorge Carvalho says:

            @Galo ,

            Certamente tens noção que o Apple Music e Itunes se fossem separados do resto da Apple entrariam no top 500 mundial em receitas certo ?

            Abc

          • Galo says:

            @Jorge Carvalho,

            não percebi …teria mais users/lucro se não tivesse sob alçada da Apple?? Se é isso, eu acho totalmente o contrário. No momento em que foi lançado, se nao fosse sob a alçada da marca Apple nunca teria tido o “sucesso” que tem..

            Aliás, independentemente da qualidade do Apple music, até ao momento ainda não cumpriu as expectativas mais optimistas que prometiam abanar o Sportify por exemplo…

            E em termos de receitas nao sei, mas em termos de número de utilizadores ativos ha varios “serviços equivalentes” na frente…

            Abc

  2. Fulano says:

    Quando é um Banco a fazer publicidade é caso para pensar em quantos milhões estão a perder com o investimento…

  3. Leoni says:

    Minha smartv Samsung mu6120 de 2019 não funciona. Minha mi box tv idem. Complica né. Tenho que comprar uma tv nova? Um Apple TV? Uma roku?

  4. Jota says:

    Eu posso
    Tu podes
    Ele pode
    Nós podemos
    Vós podeis
    Eles podem!

  5. SANDOKAN 1513 says:

    Aqui em Portugal este tipo de serviço não tem muita adesão,até por parte das operadoras de telecomunicações.O que vinga e continuará a vingar são os serviços da Netflix e da HBO.Mas nunca se sabe…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.