Usamos cookies para garantir a melhor experiência de utilização no Pplware.com - Saiba mais sobre os nossos cookies
Ok

Comandos Linux para Totós – Tutorial nº7

Processo em Linux
Ora vivam !!! Cá estamos nós para mais uma rubrica “Comandos Linux para Totós” e hoje vamos falar sobre processos em Linux. Quando uma aplicação está a correr no sistema é comum designar-se de processo. Os processos estão presentes em quase todos os sistemas operativos e para quem é utilizador do Windows certamente já recorreu ao conjunto de teclas CTRL+ALT+DEL para “matar” um processo que esteja a correr.

Hoje vamos aprender como visualizar e “matar” processos no Linux.

totos


Para visualizar todos os processos que estão em execução no sistema usamos o comando «ps» (process-statistics).

O comando ps tem vários argumentos, no entanto o conjunto mais usual é ps aux:

ppinto@koala:~$ ps aux
USER       PID %CPU %MEM    VSZ   RSS TTY      STAT START   TIME COMMAND
root         1  1.6  0.3   2532  1372 1        Ss   13:56   0:01 /sbin/init
root         2  0.0  0.0      0     0 1        S<   13:56   0:00 [kthreadd]
root         3  0.0  0.0      0     0 1        S<   13:56   0:00 [migration/0]

Explicação do output anterior

  • USER - nome do utilizador que possui (iniciou?) o processo.
  • PID – process identification (identificação do processo).
  • %CPU – ocupação do CPU (desde a última actualização do ecrã).
  • %MEM – ocupação da memória física (memória RAM).
  • VSZ - quantidade de memória virtual usada pelo processo
  • RSS – kilobytes de memória física usados.
  • TTY – Indicação do terminal onde está a correr o processo
  • STAT – S-sleeping, R-running, T-(parado ou em trace), D-uniterruptable sleep, Z=zombie.
  • TIME - tempo total de CPU usado pelo processador (desde quando foi iniciado)
  • COMMAND – comando usado para iniciar o processo

Outras utilizações do comando ps

ps -e
ps -ef
ps -eF
ps -ely
Matar e enviar sinais a processos

O comando «kill» pode enviar vários tipos de sinais a um processo. Por omissão, caso não seja especificado nenhum outro, o sinal enviado é o TERM (terminate).

O sinal KILL garante que o processo é mesmo terminado.

Exemplo de utilização:

Kill -KILL 315
ou
kill -9 315

Para obter uma lista de todos os tipos de sinais disponíveis pode usar o comando kill -l

kill_00

O comando «killall», permite matar processo pelo nome. Serve para enviar sinais a todos os processos que estão a executar um determinado programa. Se por exemplo pretendemos terminar o vi (editor de texto do Linux) podemos executar o comando:

killall vi

E por hoje é tudo. Percebem agora porque se usa regularmente o kill –9, que como eu costumo referir, é matar um processo sem dó nem piedade. Além do ps podem também dar uma vista de olhos no comando top e htop (ver aqui).

Até à proxima! kill post

Artigos relacionados



  •   
  •   
  •  
  • Pin It  
  • Imprima este artigo
  • Post2PDF


23 Comentários

  1. o xkill funcionam so com o mouse, ou tem parametros tbm? so usei ele uma vez com o mouse.

  2. Boas tardes!

    Os meus parabéns por este bom post! vamos entrar na parte que mais me interessa, administração! vai servir bem como suporte para o LPIC-II.

  3. Muito bom!

    Estes tutoriais é algo que nunca deve acabar.

  4. Gostei muito. Obg.

  5. Eu costumo usar o

    ps aux | grep processo

    para procurar processos por nome, e obter o seu PID. Por curiosidade, aproveito para perguntar se conhecem alguma forma mais simples de procurar um processo pelo seu nome? Quais os comandos que utilizam?

  6. Um dia destes, em vez de abrir o google, vou directamente ao pplware ;)

  7. Quando é que falam do comando sudo rm-r / :D

    • O que ganhas com esse comentário?

      • Era uma piada, não queria causar problemas.
        Peço a alguém que retire o meu comentário de modo a evitar que alguém execute este comando.
        Peço mais uma vez desculpa.

    • Ainda no ano lectivo que passou um colega meu executou esse comando no seu Debian. Ele executou-o por pura brincadeira pensando estar a trabalhar na máquina virtual, e lá se foram os trabalhos de um semestre inteiro!

      Gostei desta rubrica nº 7, é sem dúvida uma das mais úteis.

      Aproveito para deixar uma sugestão para uma possível rubrica sobre redirecionadores de input e output para alterar o stdin e stdout. Dá para fazer umas brincadeiras giras sobre ficheiros usando essa técnica.
      Cumprimentos.

  8. Continua!

    Cada Post com grande valor e simplicidade! É bom por o pessoal a conhecer melhor o linux!

  9. Pedro, com estes tutorias ate aptece-me instalar o uBunto no meu mac :D

  10. Fantástico , era giro criarmos uma comunidade de Luxianos , excelente trabalho Pedro , orgulho-me podes acreditar em ter esta pagina como a minha Home page , alguns amigos quando vão a minha casa dizem-me ” é pá és das poucas pessoas que não tens o Google como Home , e eu digo-lhes queres estar em cima do acontecimento , passa a visitar esta página é grátis e dá milhões ”

    Continuação do bom trabalho

    Cumprimentos

    Serva

  11. errata ” Linuxianos ” desculpem

Deixe o seu comentário

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O autor deste site reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.