Mg2 – O Magalhães versão 2

Antes de mais, quero agradecer ao meu sobrinho Gustavo (6 anos) pelo empréstimo do seu Magalhães versão 2 (Mg2). Foi uma negociação bastante complicada, pois tive que prometer umas voltas de bicicleta e oferecer umas gomas para poder ter acesso à sua máquina durante 20 minutos (que para ele foi certamente uma eternidade). Como ele sabia que o objectivo era fazer um artigo para o pplware, lá cedeu e até me fez um desconto no negócio inicial.

Pois bem, devo confessar que foi a primeira vez que tive em mãos o Magalhães versão 2. Achei uma máquina bastante interessante e que certamente ajudará os alunos no processo de aprendizagem.

171020101912

A máquina traz dois sistemas operativos pré-instalados: Windows 7 Profissional e Linux Caixa Mágica 14, bem como um conjunto de novidades comparativamente a versão anterior. O computador vem equipado com um TFT 10,1 polegadas (superior ao seu antecessor) o que pessoalmente considero uma boa aposta. Em termos de software são muitas as aplicações educativas, incluindo alguns jogos que estão presentes no Windows 7 e Linux Caixa Mágica.

boot_mg2

Em termos de características, o MG2 não fica atrás de muitas máquinas de marca que estão disponíveis no mercado.

Principais características do MG2
  • Processador a 1,67 Ghz (Intel Atom N450)
  • 1 GB DDR2 de memória RAM
  • Disco rígido 160GB
  • Placa gráfica integrada com capacidade de resolução WSVGA 1024×600, com 32-bit de profundidade de cor (que permite a ligação a projetores, por exemplo)
  • Placa de rede integrada 10/100 Mbit/s interface RJ45
  • Placa rede sem fios com suporte para as normas 802.11 b/g/n
  • Teclado português, resistente a derrame de líquidos, com trackpad
  • TFT 10,1 polegadas com resolução nativa WSVGA 1024×600
  • 3 portas USB 2.0, com capacidade de boot do computador via USB
  • Bateria com autonomia de 7 horas e 8 minutos (medida com recurso a benchmark BAPCo MobileMark2007)
  • Dual boot: Microsoft Windows 7 Profissional/ Linux Caixa Mágica 14
  • Microsoft Office 2007 / Open Office
  • Antivírus
  • Aplicações educativas
171020101891 171020101890

Como já fazia parte das versões anteriores, o computador Magalhães está equipado com software que permite um controlo parental avançado. Deste modo, os pais podem controlar o acesso à Internet dos seus filhos, no que diz respeito aos sites a consultar e em relação ao tempo de utilização dos mesmos. Nesta versão a password de desbloqueio por omissão é escolinha2010, informação que faz parte do manual de utilização.

Algumas curiosidades
  • Desde 2008, altura em que surgiu o primeiro Magalhães, já foram distribuídos mais de 400 mil computadores portáteis a alunos do 1º Ciclo. Para este ano lectivo, será feita a distribuição de 200 mil novos computadores portáteis MG2 para alunos e 50 mil para professores
  • O Magalhães inclui mais de 30 programas de aprendizagem, entre eles de Matemática, Inglês, Português e Geografia.

mg2_fechado

A aposta em computadores no ensino, em idades precoces, pode ter consequências muito positivas na aprendizagem dos alunos, bem como no desenvolvimento intelectual das crianças. Essas consequências podem ir desde o simples aprender a entrar num mundo mais digital, até ao promover da inteligência, atenção, rapidez de raciocínio e motivação das crianças na própria sala de aula, factores cruciais para o desenvolvimento destas na sua vida.

No final da minha sessão fotográfica questionei-o se gostava do seu computador, ao que ele me respondeu-me prontamente que sim e que um dia queria ser Eng. Informático.

Para a semana a ver se consigo negociar mais 30 minutos para trazer ao pplware mais algumas novidades.

Artigos relacionados





  •   
  •   
  •  
  • Pin It  
  • Imprima este artigo
  • Post2PDF


100 Comentários

  1. só é pena o mag 1 ter só um disco de 40

    • Pois… e particionado em 3!!! WinXP, Linux Caixa Mágica e partição de recuperação (Win e Linux).

      Sobram 14Gb para o WinXP, por exemplo, mas com 2 partições C: e D: como se o espaço fosse imenso!

      :-(

      • Penso que chega bem para o que é. É um computador educativo para os primeiros 4 anos de escola. As exigências não deverão ir além disso até porque ficheiros de Word Excel meia dúzia de músicas e algumas fotos 14gb parece-me mais que suficiente.
        É claro que o facto é os pais usarem também este pc e os irmãos e como computador colectivo nem o espaço nem as especificações chegam…

        • Não chega não senhor.

          Ora tenta correr as actualizações do XP com os 50 MB de espaço livre que sobram no C:!
          A esmagadora maioria dos pais não conseguirá aplicar os patchs de segurança/actualizações devido a isso, com todas as consequências que podem imaginar.

          Assim, qual o utilitário que posso usar para re-arranjar as partições existentes no MG1 e sem interferir com o boot manager instalado?
          Desde já obrigado e continuação de bons artigos.

          • São 30Gb e não 40Gb e claro que não chega para nada, só as actualizações inutilizam a máquina para o que quer que seja.
            Se não se andar constantemente a limpar os ficheiros temporários da internet o disco fica cheio em muito pouco tempo.
            Ainda por cima é um disco algo dificil de arranjar, não existem com grandes capacidades e são bastantes caros.
            Honestamente se soubesse o que sei hoje teria esperado um anito e agora a minha filhota teria uma máquina muito mais interessante, sempre me desagradou um ecrã tão pequeno mas quando o vi ao vivo é que me arrependi bastante, mas pronto é o que há!

          • voces falam todos de barriga cheia…
            é a malta a descontar para voces poderem dar um pc aos vossos miudos e voces ainda vem dizer que não chega ha ha ha.
            Com que então 30 gb não chegam e eu que tenho 35 na minha maquina com toneladas de coisas la instaladas e farto-me de trabalhar e ainda tenho mais de 10gb livres, epá a minha maquina deve ser especial.
            Cresçam mas é todos os que teem um ideal despesista e de barriga cheia a custa dos outros e ainda dizem mal…
            WTF…não queres windows usa linux, caso contrario vão mas é trabalhar…

            cmps

          • Isto é para o LMX….
            Esperimenta meter nos teus 35GB 5 Partições
            Particao 1 – Windows XP (com office 2007 entre outros)
            Particao 2 – Apoio ao Windows XP
            Partição 3 – Linux (com openoffice entre outros)
            Particao 4 – Apoio ao Linux
            Partição 5 – Recuperação de dos sistemas.

            Agora diz-me, oh meu ignorante, onde é que tens espaço de sobra?

        • Não chega não, vê-se mesmo que nunca mexeste num. O da minha sobrinha, após o 1º arranque já se queixava de falta de espaço em disco numa aplicação que trás para o efeito. Depois de eu ter instalado todas as actualizações do windows disponiveis na altura ficou com ainda menos espaço (talvez uns 300MB se não me falha a memória) e tive de apagar todos os backups das actualizações para que ela conseguisse ter algum espaço livre no disco C.

  2. É bom para os miudos começarem a aprender a mexer nos pc’s, porque hoje em dia ainda há muitas pessoas (novas), que não sabem fazer mais nada do que ir à net (e mal..) e encher os pc’s de virus porque instalam tudo e mais alguma coisa. Quanto à Caixa Mágica 14.. será que irão mesmo mexer em linux? Talvez uma cadeira como deve de ser de informática nas escola seria uma boa opção!

    • Quando vi pela primeira vez o Mg2, o meu sobrinho disse-me “Arranca no Caixa Mágica” pois é nesse que eu sempre entro :)…e lá se safava a mexer na parte gráfica do Linux. Por outro lado, acho que ele escolhia o Caixa mágica porque tinha um arranque mais rápido

      • Sim mas eu estava a referir-me às professoras na escola.. mas pelos vistos para ele mexer no linux é porque tem alguma professora que sabe, o que é muito bom!

        • Hum..tenho de lhe perguntar eu saber se ele já nasceu com afinidade para ser Administrador de Sistemas em Linux :)

        • Isso não quer dizer nada.. As crianças são curiosas por natureza. Se virem um menu (GRUB)sempre que ligam o computador para escolherem entre o comum Windows e uma “coisa” chamada Caixa Mágica, não me acredito que não deiam uma espreitadela… e depois devem gostar do ambiente de trabalho KDE todo bonito e dos jogos do Super Tux, etc.
          Esta iniciativa do Magalhães peca é pela falta de formação informática que é dada ás crianças, quando muitas vezes nem os professores sabem desenvencilhar-se no Windows, quanto mais aventurar-se no Caixa Mágica.

    • Acho que o Linux não é nenhum bicho de sete cabeças como já foi noutros tempos, além disso estamos a falar de miúdos que provavelmente é a 1ª vez que têm um computador só para eles e que sabem mexer no Windows tanto quanto sabem mexer no Linux. Eu tinha 7 anos quando tive o meu 486 e mesmo sem ninguém me ensinar nada, sem internet e com o DOS e o Windows 3.11 lá me fui desenrascando… e é assim que as crianças de uma forma geral vão crescendo: exploram e aprendem sozinhas.

      • Aos 7 anos um 486?? És um felizardo, eu tive o meu lá para os 17, o que quer dizer que tenho cerca de 10 anos a mais que tu… E tb aprendi a mexer e a ler o manual do MSDOS (sim eu li o manual). Pelo menos fiquei a perceber o que fazia.

    • o meu irmão nem sabe ainda que a caixa mágica existe, mal liga vai ao windows, internet, videojuegos.com , -.-

    • 10º ano:
      Curso Tecnológico de Informática (açores):
      Disciplina AI (aplicações informáticas):
      Trabalha-se com linux durante o primeiro período ;)

      • Isso é um curso tecnológico, e não uma cadeira pela qual é obrigatório passar e tendo em conta a maioria vai para Ciências e tecnologia ou Humanidades, a maioria não ia ter essa cadeira. Acho que essa cadeira devia existir durante o 3º Ciclo (do 7º ao 9º ano). E além de linux era importante que se falasse em segurança na web, porque como já foi dito em cima, a maioria das pessoas instala tudo e mais alguma coisa, abre todos o e-mails e mais alguns e carrega em todos os links e mais alguns que esses e-mails contenham.

        Filipe Silva

        • boas..
          as pessoas podem instalar tudo e mais alguma coisa desde que depois assumam as responsabilidades dos seus actos como em tudo na vida.
          Eu também posso começar ai a curtir nos creditos aos bancos, mas depois vou desgraçar a minha vida e a culpa seŕa apenas minha e não dos outros.
          A cabeça serve para pensar e por isso mesmo as pessoas também teem que ser autodidactas e responsaveis acima de tudo.
          Não é uma questão de ser dado na escola, os miudos dão ingles saem de la ja nem querem saber querem é net e marcar encontros nos chats para dar uma tranc*da e vocês falam em aulas…gastar ao país ainda mais?!…não concordo quem quiser aprender pode fazelo quem se quiser desgraçar também pode mas não arraste é os outros.

          cmps

  3. Uma boa ideia mal aplicada.
    Podia-se fazer tanto com os miúdos com esses pcs na sala de aula e nada se faz.
    É preciso é distribuir para as Tvs verem agora por a render esquece.
    Os putos não tem acompanhamento informático/didáctico ou um pai se dedica a ensinar ou o puto joga e pronto.

  4. foi simpatico se fez um desconto em relaçao ao preço acordado, esta atento as noticias e fez o desconto por causa da crise.

  5. Por acaso já há algum tempo que estou a considerar se vale a pena o 2, mas aparentemente sim. Só falta haver metodologias para se usar correctamente numa sala de aula, que até agora pouco vejo por parte do Ministério de Educação.

    Fica aqui também o meu agradecimento ao futuro Eng. Gustavo, que pelas suas capacidades de negócio mostradas, promete. :D

  6. Uma correçao senhor Pedro Pinto nao devia de ser “Placa de áudio integrada 10/100 Mbit/s interface RJ45″ mas sim “Placa de rede integrada 10/100 Mbit/s interface RJ45″?

  7. O meu irmão mais novo tambem recebeu a uma semana o seu MG2 e por acaso, achei muito melhor mesmo a nivel de construção.
    Pena a parte grafica ser extremamente limitada e as drives que vem não serem muito amigas do monitor. Mas de resto, muito bom ate.
    Acho que se poderia começar a utilizar muito isto, e mesmo ter parte das aulas para o mesmo.. Mas o tal implica formação

  8. Bom artigo.

    Correcção:

    ” (…) 200 mil novos computadores portáteis MG2 para professores e 50 mil professores (…)”

    Cumps

  9. Onde se lê:
    “Para este ano lectivo, será feita a distribuição de 200 mil novos computadores portáteis MG2 para professores e 50 mil professores”

    Não será?
    “Para este ano lectivo, será feita a distribuição de 200 mil novos computadores portáteis MG2 para os alunos e 50 mil para os professores”

  10. O meu irmão propôs leccionar uma disciplina de informática aos seus miúdos na primária, a ideia foi rejeitada por: carga horária demasiado preenchida. Aparentemente a informática perde em relação ao inglês, música, ed. física, artes e não sei que mais.

    Quanto ao Magalhães em si, o 1 teve vários problemas com um mau contacto da bateria (só funcionava com a bateria fora do seu encaixe normal)- só às minhas mãos vieram cá parar 4 com esse problema. Será que já foi resolvido, no 2?

  11. ha uma gralha nas specs…”Placa de áudio integrada 10/100 Mbit/s interface RJ45″ !?!?

    Sem duvida muito superior ao antecessor. este sim, vale a pena.

    bom artigo.

  12. Anda o estado a gastar dinheiro nos magalhães para os putos quando nem os profs sabem mexer num windows sequer, quanto mais num caixa mágica….

    • Mas o estado não gastou dinheiro com o caixa Mágica …. (penso eu de que).

      Quanto ao Windows, se calhar não era preciso a versão Profissional. Mas certamente que a Microsoft também apoia e bem este tipo de iniciativas.

      • Pois deve de apoiar bem, só tem a ganhar com isso, no mínimo duas vezes, pois normalmente o sistema operativo que a miudagem irá preferir no futuro será aquele com o qual teve o primeiro contacto, no caso do Magalhães existe 50% de hipóteses Windows/Linux por outro lado, fazendo as contas por alto a 400.000 Magalhães supondo que a licença do Windows tenha custado 1€, são 400.000€ em cashe, mas se imaginarmos que a licença possa ter custado 10€ são 4 milhões, por caridade.

        A minha sobrinha passa a maior parte do tempo no Caixa Mágica, diz que os jogos são melhores e a janela da Internet (Firefox), é mais rápida.

        Só tenho de felicitar quem teve a brilhante ideia de obrigar a selecção de um dos sistemas no GRUB.

  13. Interessante, há um ano atrás este artigo teria dezenas de críticas ao projecto Magalhães e, ao que parece, agora as pessoas já se habituaram a ver os miúdos com o dito e percebem o impacto que este bicho pode ter no futuro das crianças no que toca à apetência natural para as TI´s.
    O grande erro do projecto, foi não terem primeiro dado formação aos professoras e não haver, na prática, grande utilização na sala de aulas, à excepção de algumas escolas.

    • Sem dúvida. Fiquei muito satisfeito por ver a enorme felicidade com que o meu sobrinho estava….Apesar de me dizer logo que o Mg2 era lento comparativamente ao PC do Pai.

      Ele não larga aquilo por nada. Era importante que os professores explorassem a parte de integração na sala de aula. No entanto para isso é preciso infraestruturas com uma simples rede de dados. Não sei se todas as escolas têm isso…Alguém sabe?

      • Neste momento nem todas, nem quase nenhuma!(Primarias) e as que têm ou são particulares ou foi o próprio agrupamento de escolas a financiar!
        Talvez para o fim do ano que bem arranque o projecto de reestruturação das redes das escolas primarias! (o chamado projecto “redes escolinhas”)
        Por enquanto ainda se anda a tratar das redes das escolas básicas e secundarias, onde este projecto (“redes escolas”)deve ter fim no final do próximo ano principio de 2012, altura esta onde começará o novo projecto “redes escolinhas”.

        Nuno

    • Nesta altura do campeonato voltar a falar nisso já é como chover no molhado. Ou como recusar o ultimo cigarro ao condenado à morte com o argumento de que “o tabaco mata!”

      Se, apesar das noticias diárias e de, para quem quer ver, se começar a vislumbrar no meio do nevoeiro uma pequena ponta do icebergue que nos vai afundar, ainda há quem encare o que foi tantas vezes repetido como simples má vontade duns caturras enfadados, nada mais há a dizer.

      Agora é aguentar firme a fome que aí está a chegar mas que não vai certamente afectar as criancinhas pois se elas até já tem direito ao Magalhães 2…

      Que se taxe o leite achocolatado a 23%. Que se fechem as cantinas escolares porque deixou de haver dinheiro para pagar aos auxiliares e eles, veja-se lá, até recusam os 3 euros à hora dos part-time que lhe foram oferecidos por 3 mesitos até ao Natal.

      Que se fechem as escolinhas de proximidade. 1 hora de camioneta logo pela manhã e outra hora à noite, até à escola mais próxima, dá saúde e faz crescer. Mas o que importa é haver Magalhães.

      Se há Magalhães 2 a granel para distribuir quem é precisa ou se lembra de comer?

      Quando o credito secar de vez e a importação de comida parar porque aqui se esgotou o guito para pagar a quem a tem, num país que não produz um décimo do que precisa para comer por que se julgou acima dessas corriqueiras tarefas de agricultores, sempre tão sebentos e malcheirosos!, e fez os possíveis e os impossíveis para acabar com eles, não vai haver qualquer problema pois se os Magalhães 2 estão aí o que é que o resto importa?

      « Ils n’ont pas de pain ? Qu’ils mangent de la brioche ! »

  14. Acho que o facto de apenas ter 1 GB de ram poderá não ser boa ideia, mas de resto, está muito bom.

  15. “A aposta em computadores no ensino, em idades precoces, pode ter consequências muito positivas na aprendizagem dos alunos, bem como no desenvolvimento intelectual das crianças. Essas consequências podem ir desde o simples aprender a entrar num mundo mais digital, até ao promover da inteligência, atenção, rapidez de raciocínio e motivação das crianças na própria sala de aula, factores cruciais para o desenvolvimento destas na sua vida.”

    Não sei como consegue chegar a estas conclusões. Aliás,alguns estudos pioneiros sobre este tema constactam precisamente o contrário, veja-se a crónica de Nuno Crato sobre o assunto http://aeiou.expresso.pt/econometria-da-educacao=f606176 (tive já a oportunidade de ler as conclusões de um desses estudos, contudo, não o consegui encontrar de momento).

    O problema de se dizer o que disse é que foi dito sem qualquer sustentabilidade e acaba por ser um copy/paste do que nos dizem os políticos, avidos de receber dividendos políticos ( e não só) com as suas declarações.
    Cumprimentos

    José Miguel

    • Caro José Miguel,

      A fase incluir 2 palavras chave “…pode ter..”. O que referimos é certamente a visão da maioria das pessoas cultas “informaticamente” que conhecem o mundo digital.
      Vou entretanto dar uma leitura na Crónica do Nuno Crato. Obrigado pela partilha do Link

      • Sem querer entrar aqui numa guerra de interpretação o “…pode ter…” que refere não poderá ser retirado do contexto. A frase é “…pode ter consequências muito positivas na aprendizagem dos alunos”, ou seja, o interprete poderá retirar que os alunos terão resultados muito positivos com a utilização do computador ou, então, apenas positivos. Poderá, por outro lado, também entender que “…pode ter consequências muito positivas na aprendizagem dos alunos”, caso a utilização se feita de forma adequada (o erro aqui é que é um termo muito sujeito à criação de desculpas- i.e.” não o usou de forma adequada”) . Não escrevi isto porque tenho algum fetish pelo senhor Nuno Crato. O senhor Nuno Crato apenas foi o veiculo do resultado de vários estudos, desconhcidos dos Média ou das pessoas em geral aqui no nosso Portugal, que indicam a impossibilidade de simplesmente deduzir que a utilização dos computadores irá melhorar os resultados de aprendizagem- de facto indicam precisamente o contrário, como verá. E vai-me desculpar mas, da leitura do excerto do seu texto agora em discussão, não obstante do emprego da expressão “pode ter”, creio que não haverá aqui nenhum leitor que não tenha compreendido o mesmo que eu, ou seja, que o que quis aqui defender foi a utilização dos magalhães como ferramenta que irá indubitavelmente melhorar as notas dos mais pequenos, e isso é falso.

        • Intelectualidade para um artigo destes… não obrigado !!!

          OK… vamos tirar os computadores às crianças, voltem os quadros de giz e a lousas, e as réguas para dar umas reguadas…OMG!

          O futuro é para a frente.

        • Caro José Miguel,

          A “sustentabilidade” que refere, está pré-inserida no rigor com que escrevemos no pplware.
          Os computadores decerto serão uma ferramenta importante nas salas de aulas, pois, caso ainda não tenha reparado, caminhamos (ou já estaremos?) num mundo digital, e se as crianças não têm computador na escola, têm-no em casa e hoje já são raros os TPC feitos à mão que os professores pedem.
          Posto isto, e falando mais do desenvolvimento da criança, um computador (e o “uso adequado” mais uma vez estava inserido no rigor da nossa escrita, pois induz-se que o computador tenha um determinado fim/objectivo), pode ser (e reforço o pode ser), um instrumento capaz de motivar a criança à aprendizagem, produzindo um cenário mais dinâmico na sala de aula.
          Mas falou em notas.. ninguém falou em notas na frase. Inteligência está relacionada com notas? Acho que anda a ler os livros errados, e sinceramente e com todo o respeito, se o Sr. Nuno Crato fosse bom, eu era a primeira a conhecer o seu nome :)

          Cumprimentos

          • Cara Marisa Pinto.

            Premita-me uma acrescentar uma última nota a esta discussão (prometo que será a última).

            Antes de mais, devo esclarecer que o pplware é um leitura habitual e onde retiro grande prazer. Aproveito para desejar as melhores felicidades e continuação do óptimo trabalho.

            Os computadores poderão ser, por certo, uma óptima ferramenta mas ao contrário do que os senhores defendem não é linear que irá fomentar o “desenvolvimento da criança”. De facto, verificou-se que a utilização dos computadores pelos alunos em vez de melhorar a a sua performance académica acabou por ter o efeito inverso, na medida em que os estudantes não utilizavam os computadores para estudar mas sim para uso lúdico. Para além disso, essa diminuição da performance era mais revelador nos alunos com mais dificuldades financeiras (menor capacidade dos pais em fazer o devido acompanhamento dos alunos). Mais, alguns investigadores também chegaram a algumas conclusões curiosas- a utilização da internet pode ;) ter implicações na diminuição da memória das pessoas.

            Quero com isto dizer que quem defende os ” possíveis efeitos benéficos do MG2″ defende algo sem qualquer sustentação científica, acaba por ser mais mais uma crença pessoal. Como poderá dizer que “pode melhorar” já o verificou, tem dados que lhe premitem deduzir isso?Pronto, é que há dados que apontam na direcção inversa.

            Tratar o MG2 como um grande investimento é uma grande falácia. Em primeiro lugar foi um buraco negro de recursos público. Em segundo lugar, são pouco usados nas escolas e pergunto-me se em casa não serão usados mais pelos pais e pelos irmãos mais velhos (ou vendidos). Em terceiro lugar, não há estudos que sustentem que é benéfico dar estes MG2 aos alunos desta idade (primeiro deve-se fazer um estudo, programa piloto, etc). Por último, pergunto-me se não seria mais vantajoso, em vez de comprar os milhares de computadores para os estudantes, dotar as escolas de salas de informática com um tutor, onde os alunos pudessem realizar os seus trabalhos- a escola digital ainda está muito longe e , por isso, entendo que não se deve começar a obra comprando computadores (pelo telhado- há que formar docentes, dotar as salas com os requisitos necessários, etc). A meu ver, o MG1/2 foi uma prenda envenenada que este Gov. deu às famílias para colher o seu voto(agora estamos todos a pagar a oferenda).
            Note: Concorda comigo se lhe disser que um automóvel é uma boa ferramenta de trabalho. Todavia, não se vai começar a dar aulas de condução aos meninos do 4.º ano por isso.

            Nota final: O Prof. Nuno Crato é Professor catedrático de Matemática e Estatística no ISEG e é um dos maiores divulgadores científicos nacionais.Foi professor de uma série de instituições de ensino, secundário e superior, e presidente da Sociedade Portuguesa de Matemática. Como é facil de ver, pode não o conhecer, mas é de facto um indivíduo com grande valor.

            Cumprimentos

            José Miguel

          • Caro José… não podemos ter uma discussão, quando o senhor continua a querer colocar nas nossas palavras sentidos que lá não estão.
            Relativamente aos números estatíticos.. não passam de números. Muitos desses dados estatísticos não se preocuparam em ter conversa com as crianças/pais/professores, etc.. apenas lhes espetaram com um questionário em cima e pronto.. daí sairam os números.
            É por isso que, para mim, o que não tem sustentabilidade é o senhor referir que matemáticos/estatísticos (por muito bons que sejam na sua área), falem de temáticas doutra área completamente diferente, que é a psicologia infantil e educacional… cada macaco no seu galho.. senão vivemos numa selva.

            PS: É “permita-me” e não “premita-me”.

            Cumprimentos.

          • Tem toda a razão é permita-me e não premita-me, de permitir. Obrigado pela correcção. Estou certo que a mesma não teria sido necessária caso tivesse tido acesso ao magalhães na primária.

            Quanto aos dados estatísticos ainda assim entendo terem mais substância do que concepções feitas tendo em conta apenas o senso comum e o “parece-me que” sem qualquer base. Não estou aqui para evangelizar ninguém, apenas acredito que alguns investimentos devem ter algo mais substancial para comprovar a sua necessidade do que o “parece-me que”.
            Cumprimentos

          • Para o deixar mais descansado, a minha perspectiva não é apenas sustentada no “parece-me que”, mas sim em formação e experiência na área.
            Caso contrário não comentava.

            Cumprimentos.

        • José Miguel, sem querer entrar numa argumentação directa ao que escreve o Nuno Crato face aos estudos que cita no seu texto, quero apenas deixar algumas considerações muito pessoais, muito próprias, muito minhas de pequenos momentos de grande vivência.

          Nos meios menos favorecidos, onde certamente os estudos que Nuno Crato cita, nunca lá chegaram, dificilmente terão nos próximos anos, acesso às novas tecnologias.

          Esta oportunidade de ter um recurso indubitavelmente necessário para o futuro, será durante muitos anos o único meio desta geração a entrar em muitos lares.

          O acesso à Internet de banda larga, o acesso a um novo mundo que o Projecto Magalhães trouxe, pode ter efeitos potencialmente nefastos, como qualquer tecnologia nova, falou-se nessas maleitas quando se começou a andar de relógio de pulso, quando os mais novos começaram a ver televisão e mais recentemente quando começaram a ter acesso aos telemóveis.

          O dogmatismo, o pessimismo e o cepticismo, fazem parte desses estudos mais rígidos (típico dos modelos de educação… seculares modelos), face à modernidade que deveriam os meios escolares impor aos seus docentes e sucessivamente aos seus alunos.

          Os alunos agora dominam a esferográfica o lápis, o giz e o Magalhães. É um pequeno passo para o estudioso, mas é um grande passo para a humanidade estudantil.

          Mas penso que a resistência começou mesmo por aí, pelos docentes.

          Por isso os estudos focam-se numa diminuição de produtividade. Poderei livremente interpretar esta baixa de produtividade como resultado de algum desacerto do meio docente em acompanhar esta evolução?

          Se o meio docente não está preparado para lidar com esta evolução, como foi muitas vezes veiculado e eu presenciei por diversas vezes esse cenário, será justo atribuir ao aluno as culpas dessa falta de produtividade em termos de avaliação pelo cânone do passado (A/Magalhães)?

          Agora uma palavra ao seu parágrafo que se dirige ao pplware.

          A susceptibilidade com que escrevemos advém da experiência, da nossa acção enquanto docentes, informáticos, alunos, pais e membros activos de uma comunidade.

          Não reportamos factos meramente estatísticos, políticos ou prosa jornalística. Uma coisa é interpretar estudos pela visão de um jornalista, outra é interpretar pela visão de um player.

          A vida é mesmo assim. ;)

  16. Bem melhor que o 1º, ainda quero ver como vai ser o 3 eheh

  17. Excelente esta máquina. Pedro, para complementar o estudo “exaustivo” de 20 minutos que tiveste, devo salientar ainda :

    -> A protecção HDD…. excelente. Basta movimentar o MG2 com ele a trabalhar que o disco “parqueia” de modo a evitar avarias do mesmo.
    -> Leitor de múltiplos cartões
    -> Teclado com toque delicado (vs MG1)
    -> etc…..

    É que eu não tive apenas 20 min…. tenho investigado a fundo o MG2 do meu filho….

    Abraço
    PJO

  18. o melhor computador de sempre :)

  19. Anyway e uma exelente iniciativa, apenas acho que se devia dar mais uso ao aparelho aqui em Espanha fiquei a saber que agora os livros são digitais, ou seja os alunos têm de ter um portatil “oferecido” mais ou menos nos mesmos protocolos dos programas portugueses, pagam uma pequena quantia pela licensa dos livros comparativamente ao que pagariam. Não sei como funciona bem ao certo mas segundo uma amiga me explicou pareceu-me muito bom e que com tanto portatil em Portugal oferecido que simplesmente foram para oferecer e não lhe é dada utilidade realmente escolar.

  20. Bom, só vos digo uma coisa, este MG2 já me deu muitas dores de cabeça. Fui buscar o da minha pequena no dia 4 de Outubro. arranquei no Seven e conclui a instalação A seguir arranquei no CM14 e também conclui o processo de inicialização. a seguir, tive a infeliz ideia de querer colocar o Ubuntu Netbook Remix. Qualquer versão oficial não arrancava pela Pen o que me deveria ter feito desistir de colocar o Ubuntu no MG2. Mas estava mesmo disposto a colocar o sistema e então arranjei um que lá arrancou, o EasyPeasy. Os problemas vieram depois. O CM14 entrou em Panic e nunca mais o consegui recuperar. O Seven, em vez de arrancar no normal, arrancava pela partiçao de recuperaçao. Rentei fazer a recuperaçao total, utilizando uma imagem do MG1 e nada. O XP nao arranca e o CM12 fica em localhost login e o startx nao funciona. La consegui a muito custo instalar o CM15, colocar quase todos os programas educativos e mantive o Easy Peasy, actualizado para a versao Ubuntu Remix 10.10. A criança adora, e prefere o Ubuntu, pois já está habituada. Mas quando alguem tiver uma ISO para recuperaçao total do MG2 é so dizer, pois quero voltar a colocar as coisas como vieram.

    • Boas,
      Olha eu acho que tenho o que pretendes… são 20GB
      É que eu não fiz como tu, antes de arrancar com o MG2 fiz um backup total do disco, isto inclui todas as partições!!!
      Não foi fácil, pois este Magalhaes, mesmo arrancando com uma pen de boot e um disco usb, ele não deixa encontrar o dico.
      É o que eu recomendo. Backups? É fundamental fazer o primeiro antes do primeiro arranque! E isto é válido para os Magalhães, Portateis, PC, GPS, PDA, etc.

      • Tive a oportunidade de ler o seu comentário, e fiquei deveras interessado em saber que tinha uma imagem do magalhães sem ter sido tocada. 20 GB é dose, mas existe alguma forma de poder partilhar esse mesmo ISO? Eu agradeço desde já a atenção. Precisava de repor o magalhães, e é uma coisa que sei fazer bem, então porquê andar a deslocar-me para o levar para reparar? Um grande abraço! :)

  21. Ai eu adoro o Magalhães versão 2 ADORO!

  22. Tenho algumas questões sobre o MG2…
    – tem saída VGA? é incompreensível o MG1 obrigar o miúdos a olhar para aquele ecrã
    – tem touch-screen?

    Obrigado!

  23. Pela experiência que tenho das escolas onde dou apoio técnico, temos escolas com razoáveis infraestruturas de rede, mas os professores têm muita dificuldade em lidar com simples computadores, quanto mais com uma eventual plataforma que interligasse os Magalhães em rede.
    Depois, seria necessário mais algum investimento e as Câmaras Municipais, com estes cortes nas transferências do Estado, estão cada vez mais “apertadas” em termos financeiros.

  24. Uma coisa que fiquei a saber, é que o MG2 tem sensor de luz para ajustar a luminosidade do ecra, e tem acelerometros. Experimentei o algoodo e ao virar o MG2, o circulo que fiz no algoodo andava de um lado para o outro.

  25. Quando for grande vou ter um desses.

  26. “ao que ele me respondeu-me prontamente que sim e que um dia queria ser Eng. Informático”.

    É louco o rapaz! Só quem passa por elas é que sabe! :D

  27. Não quero ser pessimista mas a ver vamos se os políticos vão deixar que todas as crianças tenham, ou o FMI, leia-se FIM

  28. A minha irmã foi este ano para o 5º ano, durante todo o 1º ciclo nunca o Magalhães foi usado na escola, o que sabe de informática (e já se desenrasca bastante bem) aprendeu sozinha ou com ajuda da minha parte.

    Agora no 5º ano tem aulas de informática onde estão a começar do zero

    “isto é o monitor, isto é o rato, este é o menu iniciar…”

    a maior parte dos miúdos já escreve no messenger mais depressa que eu e já tem horas de internet, facebook, pesquisas, jogos,

    “isto chama-se teclado, aqui é a roda do rato…”

    ai ai…

    e quanto ao espaço em disco repito o que já alguém escreveu: é insuficiente, com as actualizações está completamente cheio, já pensei formatá-lo e pôr lá o Ubuntu, mas depois perde os jogozitos e aplicações que aquilo traz

    além disso a bateria já foi à vida

    os tipos da JP Sá Couto fizeram bem as contas, durou práticamente para os 4 anos da primária, agora venha um EEscola e um contrato de dois anos

  29. Viva o Magalhães Viva a porcaria do governo, vamos lá gastar mais uns milhões para ver se isto fica ainda pior, pois parece que para muita gente, ainda estamos muito bem a ver pelas sondagens…

  30. Trocava sem pestanejar um Magalhães por um quadro de giz para o desenvolvimento cognitivo das crianças. Isto é, equipamento das escolas, por exemplo, com salas multimédia para todos.

    Mais, se um dia o meu filho precisar de um PC para um trabalho usará o meu.

    O Magalhães faz parte do deficit nacional e do superavit de algumas empresas.

    Como PC não vale um boi. Pode-se dizer o que quiser. Inventar, mas isso não passa de um misero netbook pintado que não serve praticamente para nada. Por um pouco mais, compra-se uma máquina a sério.

    • Foi sem sombra de duvida uma das maiores palhaçadas do governo que nos tem levado a miséria ano apos ano…

      Nunca conheci alguém que usando um computador aumentasse o seu grau de ensino ou que o tornasse num pro de informatica..

      Enquanto vocês fazem comparações dos portateis que se ri é o governo pois assim não lhes dizem que tanto 1 como o outro são uma valente m****.

      Ainda para mais pq é que o e-escolinhas veio 1º que o e-universidades que ai sim um pc faz muita falta?

      Ponha ja os putos com 10 anos de oculos e corcundas, é bem Sr. Primeiro Ministro.. Só espero que caia e que n se aleije so na anca!

  31. É demasiado triste ver o governo a investir no Magalhães, enquanto as escolas que estes miudos frequentam não têm salas de aulas decentes (sem aquecimento, sem quadros decentes, sem projectores e outros dispositivos multimedia) e sem infra-estruturas renovadas (casas de banho lastimaveis, cadeiras e mesas do seculo passado…). Já, para não falar dos professores… que coitados… andam mais desmotivados que nunca…!

    Isto do Magalhães é muito bonito, etc… mas é para dar nas vistas… Esses senhores da UE, antes de “congratularem” Portugal por este tipo de investimentos e por-nos em patamares que não pertencemos, deveriam ir inspeccionar as escolas e salas de aula por este pais fora…

  32. Atenção à publicidade…

    Sou pai de uma menina do 2º ano e da grande área de Lisboa que ainda está à espera de receber o PC.

    Foi transmitido por quem de direito que os alunos do 2º ano eram prioritários visto não terem recebido o PC no ano transacto. MENTIRA.

    A entrega dos Magalhães é realizada com fins políticos e desenganem-se quem julga que esta acção é para a melhoria do nosso sistema escolar, porque não o é.

    Quem é a JP Sá Couto ??? …

  33. Para criticar nunca faltam pessoas…O Magalhães (com todos os seus defeitos, que os tem, como tudo na vida) é uma das melhores medidas que qq um dos governos que já passaram por Portugal tiveram. É com muita pena que vejo que mais uma vez…só criticas. Assim não vamos lá!

    • Que intoxicação…
      O Magalhães não deveria existir, tão pouco. Relativamente a educação, não vi qualquer medida positiva. Nem por parte deste governo, nem de qualquer outro na última década.
      Vivam as novas oportunidades!!!

      • Tu tb achas que os computadores nem deveriam existir? :-D!!!

      • Boas,
        |
        Apenas te posso dar 50% de razão, como tudo neste país, nuca se faz nada por completo.
        |
        No ano 2008-09 quando começou esta pandemónia pela informática a minha filha na altura teve, nas extra curriculares, tempo de informática. Como oa escola tinha mediateca achei muito bom, com a vinda dos magalhães quem tinha e levava os magalhães trabalhava neles, quem não tinha trabalhava com os computadores da mediateca. Posso-vos dizer que a minha filha evoluiu muito nessa área durante esse ano. Nos anos seguintes substituiram esse tempo por musica, educação fisica ou artes plásticas, que é muito mais fácil meter os miudos a pintar ou tocar uma coisa qualquer do que ensiar-lhes algo que lhes irá dar jeito para o futuro!!!

  34. Só espero não ver os putos a chumbar no 1º Ciclo por culpa do Magalhães. Mas resto é uma boa forma de se iniciarem no mundo as novas tecnologias.

  35. O teu sobrinho já está a ficar Steve Jobs (no bom sentido).
    Talvez um dia, a Pineapple surgirá no meio do nada :D

    Bom artigo, embora ache que o governo devia investir noutras coisas primeiro…

    Ah e já agora “Teclado português, resistente a derrame de líquidos, com trackpad”, o primeiro magalhães também é resistente certo?

  36. Tenho um PC com 20 Gb e já cheguei a ter 4 sistemas instalados. Agora coloquei-lhe um de 120 e tenho os 2 a trabalhar com 6 sistemas. 13 Gb para o Mint debian e os outros 7 gb para o Jolicloud. O de 120 está dividido em 4, com SuperOS, Cruncybang, Fedora 14 e PapperMint. Tenho um disco externo de 160 para dados. Tenho um portátil com 60 gb e tenho 30 para XP que uso pouco, 16 para o Ubuntu 10.10 e 10 para o Ubuntu 10.04. Com as actualizações os 10 gb são pouco para o Ubuntu, mas como já migrei para o 10.10, os 16 chegam perfeitamente. O problema do magalães foi trazer partições a mais, de recuperação, de dados, que só deram problemas, pois a malta arrancava com as de recuperação e estragava as originais, ficando sem aplicações educativas, sem jogos, sem nada. No magalhães 2 já tiraram a recuperação do grub original.

    • Eishh! Grande multiboot.. Eu nunca senti necessidade de ir além de dois sistemas num computador: A distribuição Linux da minha preferência( nem momento é o Mint, mas estou atento a outras alternativas) e o sacaninha do Windows, que por muito mau que seja, ainda não consigo viver sem ele.

  37. “..Segundo Peixoto (1984) e Leite (1987), o computador é um equipamento com potencial para ser usado na escola devido sua importância e influência no processo educativo. Levacov (1987), Bustamente (1987) e Godoy (1987) concebem o computador como ferramenta para ajudar professores e alunos na expansão das suas qualidades intelectuais. Amaral (1984), complementa esta ideia ao afirmar que o computador é ferramenta cognitiva, quando amplia, como mediador, a possibilidade de compreensão do objecto cognoscível”

    In: Souza e col, Utilização do Computador na Sala de Aula. Disponível em: http://bit.ly/cSB2Wj

  38. Boa noite,
    gostaria de saber se posso utilizar o Mg2 enquanto está a carregar? e já agora o que é Hibernar.
    Obrigado.

    • Boas Belmiro,

      Em primeiro lugar, sim, podes usar o Magalhães e 99% dos portateis enquanto estão a carregar, e digo 99 e não 100 por cento porque não conheço todos e pode haver algum que escape à norma. Só tem uma pequena diferença, carregam mais devagar como é lógico!

      por fim hibernar… o que é o hibernar nos animais? Ora é a mesma coisa nos computadores. Como que tiram uma fotografia ao sistema, encerram-no e quando o ligarem ele vai ligar o computador exactamente no mesmo estado em que estava quando foi hibernado.

      Espero ter sido esclarecedor

      Também gostava de dizer que ou tive sorte ou o que anunciavam estava completamente errado. Passo a explicar:
      * O Windows 7 é o Profissional e não o Starter;
      * O Office não é o de 60 dias, é a versão final.

      Assim, acho que não tenho nada a dizer, até agora, go MG2

      Pedro Estima

  39. NA MINHA ESCOLA ALGUMAS PESSOAS USAM O MAGALHAES2. O MAGALHAES2 NAO E LA MUITO BOM ,PORQUE NAO TRAS O SUPER TUX. E TAMBEM E PRECISO IR BUSCAR A INTERNETE.GOSTO MAIS DESTE ESTETICAMENTE.GOSTARIA MUITO DE O TER!!!

  40. Boa Noite

    Alguém sabe me informar onde poderei encontrar o Iso de Recuperação Total do Magalhães MG2?

    estou com problemas sérios no PC e não consigo encontrar info sobre este assunto.

    Obrigado
    L.J

  41. Boas,
    precisava de uma ajudinha.
    Tenho um Magalhães 2 com o ecrã danificado. Posso substituí-lo por um qualquer lcd de 10’1?

  42. Bom dia, sabe se o magalhães 2 suporta 64 bits de processador

  43. Olá encontrei um magalhes II à venda no compravendetudo, categoria tecnologia, será 99 euros um valor justo?

Deixe o seu comentário

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O autor deste site reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.