Google Body Browser – O Atlas do Corpo Humano…

… acessível pelo browser

As experiências que a Google faz tendem a tornar-se ferramentas que muitos Internautas se habituam a usar e abusar. São ideias que são concebidas tendo em mente a facilitação do acesso a todos os tipos de informação e o adicionar desse mesmo conhecimento a todos os que usam a Internet.

Essas ideias tendem a nascer dentro da própria Google e posteriormente são passadas para o Google Labs, onde amadurecem e são testadas pelos utilizadores. O facto de estarem sobre a égide Labs permite que surjam alterações a esses serviços, que sejam descontinuados ou passem a serviços plenamente funcionais de um momento para o outro.

A última revelação do Google Labs foi o Body Browser, o altas do corpo humano, e promete tornar-se uma ferramenta extremamente útil para todos.


O Body Browser permite que qualquer pessoa explore o corpo humano, podendo ver com elevado grau de detalhe todos os órgãos que o compõem. Da mesma forma que se consegue fazer zoom num qualquer mapa do Google Maps, aqui é possível aumentar ou diminuir o zoom e navegar para dentro do corpo. Podem ver com detalhe todos os músculos que nos compõem ou todos os ossos que fazem parte do nosso esqueleto.

Toda a gestão do detalhe é feita do lado esquerdo, numa interface onde podem aumentar ou diminuir o tamanho do modelo onde as diferentes camadas são apresentadas ou escolher que tipo de sistemas pretendem ver. São seis “camadas” que estão disponíveis e estas podem ter diferentes graus de opacidade para permitir entender onde cada órgão ou músculo está e quais são os seus vizinhos.

Existe ainda a possibilidade de activar etiquetas onde podem ser vistos os nomes de cada zona que está a ser vista. Se seleccionarem uma dessas etiquetas apenas esse elemento estará visível e todos os restantes vão ter a sua opacidade aumentada.

Caso pretendam podem mover o corpo usando apenas o rato, da mesma forma que navegam num mapa do Google Maps.

Vejam no vídeo abaixo o Body Browser em todo o seu potencial:

Esta ferramenta tem um elevado potencial para ser transportado para uma sala de aula e para que todos os alunos possam ter um contacto mais detalhado e pormenorizado com o corpo humano. Será ainda uma solução muito interessante para complementar toda a informação que adquirirem num livro ou numa ferramenta similar.

A Google novamente consegue inovar e trazer para todos os utilizadores da Internet ferramentas que conseguem ser realmente úteis e com um sério potencial.

O Google Body Browser está já disponível no endereço que apresentamos abaixo, mas apenas pode ser visitado e usado em todo o seu potencial se usarem um browser com suporte para WebGL. Se o quiserem testar podem usar o Chrome (versão Beta ou Dev) ou o Firefox (versão 4.0b1 ou superior).

Reiniciem a exploração do corpo humano, mas desta vez com uma ferramenta moderna e disponível na Internet para todos!

Nota: Para poderem usar este serviço da Google no Chrome devem usar uma versão Dev deste browser e ter o WebGL activo. Para activarem o WebGL devem colocar na barra de endereço about:flags e depois activar essa opção. Após isso devem reiniciar o vosso browser.

Homepage: Google Body Browser





  •   
  •   
  •  
  • Pin It  
  • Imprima este artigo
  • Post2PDF


22 Comentários

  1. Na penúltima linha, deverá ser “atlas” e não “altas”.

    Bom post

  2. É uma ideia interessante, mas ainda tem muuuuuuuuito que melhorar.

  3. Muito Bom, também sou da opinião que ainda tem muito espaço para melhorar. Seria interessante as “labels” estarem em Português (e outras línguas) e haver uma breve descrição sobre cada órgão.

  4. Minimamente interessante… o entanto ainda nada bate bons livros de anatomia humana, mas pelo menos pode ter um papel complementar.

  5. O conceito já existe há algum tempo http://www.visiblebody.com/

    Opera 11 beta – Não dá
    IE 9 beta – Não dá
    FF 4 beta 7 – Funciona (mal mas funciona)
    Vou ter mm q sakar o Chrome p ver isto?!

  6. O mais interessante é de facto a tecnologia WebGL. Parece-me ser capaz de impulsionar uma nova revolução na internet…

    http://www.chromeexperiments.com/webgl/
    Fica aqui o link com algumas aplicações a utilizar esta tecnologia, entre as quais se inclui o Body Browser.

  7. Usava o visiblebody e até há pouco tempo dava o corpo inteiro, agora só a cabeça, serviço inteiro só pagando. Este serviço da Google é muito semelhante ao visiblebody, menos detalhado, mas já num nível assinalável. É uma ferramenta bastante útil para as diversas áreas, parabéns à Google por mais uma ferramenta de qualidade. Pena que tenha que instalar a versão beta do chrome mais recente para funcionar…

  8. Muito interessante. Por acaso tropecei nisto hoje à tarde, mas fique-me pelo vídeo, e não cheguei a experimentar, mas tenho de testar isso.

    Também li algures que dá para pesquisar por partes do corpo humano, naquela caixa de pesquisa no canto superior direito.

    Mais uma prova que os browsers estão cada vez mais capazes, e vão muito mais para além de mostrar páginas estáticas.

  9. Eu não percebo o que não funciona nos vossos navegadores pois no meu FF 4.07b funciona impecavelmente!

    • Funciona em todos os browsers com suporte para WebGL. Logo funcionará em IE, FFox e Chrome.

      Agora convém que tenham esse suporte activo, antes de dizerem que suporta ou não ou até que a Google desenvolveu este site apenas para o seu browser…

  10. Têm de activar o WebGL na página chrome://flags/ para o Body Browser funcionar neste versão do Chrome.

Deixe o seu comentário

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O autor deste site reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.